Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Na ânsia de arrecadar, João Dória esquece que a prioridade é sobreviver

Na ânsia de arrecadar, João Dória esquece que a prioridade é sobreviver

18/01/2021 Antonio Tuccilio

2020 não terminou bem para o governador paulista João Dória, flagrado no aeroporto de Miami (mas os EUA estão permitindo a entrada de brasileiros?) logo após o Natal e o anúncio feito por ele mesmo sobre restrições de movimentação e abertura de comércio.

Ficou feio, como um garoto pego fazendo travessura. Mas o assunto sumiu rapidamente do noticiário. Porém, 2021 começou igualmente ruim para o governador do Estado de São Paulo.

Uma lei aprovada pela Assembleia Legislativa de São Paulo em outubro (sim, os deputados estaduais têm muita culpa nisso!) causou um movimento sem precedentes na história recente do estado, unindo representantes de várias áreas contra o aumento da tributação do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias (ICMS).

Segundo estudo da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), o aumento previsto era de até 13,6% contra uma inflação pouco superior a 4% no ano.

A justificativa da Lei 17.293 é a redução de “benefícios fiscais” de diversos setores. A questão é que há setores essenciais, como alimentos e medicamentos, que passariam a ser tributados fortemente em um momento especialmente delicado para a saúde das pessoas. Isso sem contar a dramática redução de renda que milhões de paulistas enfrentam.

O governo estadual voltou atrás em relação aos alimentos e aos medicamentos genéricos, mas essa medida não foi suficiente para aplacar a ida dos agricultores paulistas, que foram às ruas e fizeram tratoraço em mais de 440 municípios.

Mas o risco ainda está aí. Há diversos setores que serão afetados pela lei, a partir de 15 de janeiro. Um deles é o de automóveis.

Viralizou na internet o emocionado depoimento de um empresário de carros usados que denuncia aumento de 207% na tributação em dois anos.

Mesmo convivendo com queda de 25% nas vendas de carros em 2020, até o momento o aumento de ICMS para essa atividade está mantido.

Além de infeliz, essa lei foi (e é) um tiro no pé de políticos que fazem discursos pomposos mas definitivamente pensam em si e não no povo.

De um lado, o governador paulista posa de salvador da pátria por conta da vacina Corovac, do Instituto Butantan. Por outro, joga por terra o ganho político que teria com uma lei absolutamente fora de propósito.

Importante destacar, ainda, as várias decisões desastrosas do governador durante 2020. Em ano de pandemia, Dória se superou.

Também sob o pretexto de recompor o caixa do Estado devido aos custos da calamidade sanitária, ele foi o artífice do brutal aumento de tributação previdenciária – especialmente dos aposentados –, além do aumento da contribuição ao Hospital dos Servidores Públicos tanto dos titulares, quanto dos acompanhantes e agregados.

Realmente, 2020 foi um ano para esquecer em termos de gestão pública do Estado de São Paulo.

Mas a conta está aí para ser paga e o governador quer empresários, empreendedores, o funcionalismo e, por extensão, todos os consumidores, arquem com as despesas.

* Antonio Tuccilio é presidente da Confederação Nacional dos Servidores Públicos (CNSP).

Fonte: Texto Assessoria



A tragédia já foi. E agora?

Impossível não se sensibilizar e chocar com a situação do Rio Grande do Sul, atingido por chuvas sem precedentes que causaram inundações em grande parte do estado, da capital ao interior.

Autor: Janguiê Diniz


O preconceito que condena

O programa Fantástico da Rede Globo trouxe mais uma história de injustiça cometida pelo Poder Judiciário brasileiro contra um jovem preto e periférico.

Autor: Marcelo Aith


O risco de politização da tragédia no RS

O Brasil todo tem assistido, consternado, ao desastre ambiental que se abateu sobre o Rio Grande do Sul nos últimos dias.

Autor: Wilson Pedroso


Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O final de Abril e o começo de Maio foram marcados pelo pior desastre ecológico da história do Rio Grande do Sul, com inundações, mortes e milhares de desabrigados e de pessoas ilhadas.

Autor: Marco Antonio Spinelli

Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O fim da reeleição de governantes

Está tramitando pelo Congresso Nacional mais um projeto que revoga a reeleição de Presidente da República, Governador de Estado e Prefeito Municipal.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


PEC das drogas

O que esperar com a sua aprovação?

Autor: Marcelo Aith


PEC do Quinquênio simboliza a metástase dos privilégios no Brasil

Aprovar a PEC significará premiar, sem justificativa plausível, uma determinada categoria.

Autor: Samuel Hanan


O jovem e o voto

Encerrou-se no dia 8 de maio o prazo para que jovens de 16 e 17 anos pudessem se habilitar como eleitores para as eleições municipais deste ano.

Autor: Daniel Medeiros


Um mundo fragmentado

Em fevereiro deste ano completaram-se dois anos desde a invasão russa à Ucrânia.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Leitores em extinção

Ontem, finalmente, tive um dia inteiro de atendimento on-line, na minha casa.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Solidariedade: a Luz de uma tragédia

Todos nós, ou melhor dizendo, a grande maioria de nós, está muito sensibilizado com o que está sendo vivido pela população do Rio Grande do Sul.

Autor: Renata Nascimento


Os fios da liberdade e o resistir da vida

A inferioridade do racismo é observada até nos comentários sobre os cabelos.

Autor: Livia Marques