Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O engajamento como fator preponderante no sucesso da gestão

O engajamento como fator preponderante no sucesso da gestão

30/03/2023 Pedro Signorelli

Uma Ferrari pode custar R$ 1.600.000, no entanto, se você não tiver disponível pouco mais de R$ 5 mil, pode ter que encostar o carrão, afinal esse é o custo médio do freio de disco desse tipo de carro.

Claro que essa não é uma analogia que engloba a maior parte das pessoas, na verdade é o contrário, mas com isso quero dizer que numa empresa todos são extremamente importantes e, por isso, devem ser considerados pela gestão, pois o mau funcionamento de uma peça, pode comprometer todo o processo.

A gestão da empresa tem que ser ágil, envolvente, o time precisa estar engajado em tudo, do contrário, se uma pequena engrenagem falha, pode comprometer todo o resultado.

Um excelente caminho da gestão que valoriza e, por consequência, engaja o time é a administração por OKRs (Objectives and Key Results – Objetivos e Resultados Chaves). Primeiramente preciso destacar que ela ajuda a construir um cenário claro do futuro desejado, seja ele qual for.

Além disso, prevê que se faça uma avaliação, no mínimo trimestralmente, para entender se estamos caminhando na direção correta, ou se há necessidade de algum ajuste. Essa, a avaliação constante dos resultados, é premissa do OKR e não pode ser negligenciada.

Mas para que se chegue lá, é necessário o engajamento do time. A centralização da gestão precisa ser esquecida, ela não envolve as pessoas e como uma consequência natural, não permite que elas desenvolvam todo seu potencial.

Para o perfeito funcionamento, a boa prática de construção dos OKRs exige uma visão compartilhada do que a empresa deseja alcançar, apontando de forma clara e direta os resultados que precisam ser atingidos, para que essa agenda seja cumprida, deixando para os colaboradores a definição de como atingir o objetivo. Em linhas gerais, entende que todos os colaboradores são parte importante no processo de conquista das metas. 

Mais do que apenas conhecerem suas funções, essa modalidade de gestão entende e aceita a diversidade de ideias, como forma de conquista do objetivo global da companhia. Estabelece-se assim, uma liderança de resultados, onde a equipe tem plena consciência do seu papel.

Ainda há, por resquício de formas antigas de gerir um negócio, quem acredite na necessidade do distanciamento entre líder e liderados, como forma de preservar a autoridade.

Esse é, na minha opinião, um caminho que só impõe o distanciamento da equipe e limita cada integrante desse time a fazer, de forma quase que mecânica, a parte que lhe cabe, sem espaço para novas ideias ou para a criatividade, limitando em muito a produtividade e o alcance de resultados ambiciosos.

O austríaco Peter Drucker, aclamado em todo o mundo como o pai da gestão, dizia que “os ativos mais valiosos de uma instituição do século XXI, seja empresa ou não, são seus trabalhadores do conhecimento e sua produtividade”. É exatamente isso.

* Pedro Signorelli é um dos maiores especialistas do Brasil em gestão, com ênfase em OKR.

Para mais informações sobre gestão clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Seven PR



Proliferação de municípios, caminho tortuoso

Este é um ano de eleições municipais no Brasil. Serão eleitos 5.570 prefeitos, igual número de vice-prefeitos e milhares de vereadores.

Autor: Samuel Hanan


“Vaquinha virtual” nas eleições de 2024

A campanha para as eleições municipais de 2024 ainda não foi iniciada de fato, mas o financiamento coletivo já está autorizado.

Autor: Wilson Pedroso


Cotas na residência médica: igualdade x equidade

Um grande amigo médico, respeitado, professor, preceptor de Residentes Médicos (com letras maiúsculas), indignado com uma reportagem publicada, em periódico do jornal Estado de São Paulo, no dia 05 do corrente mês, enviou-me uma cópia, requestando que, após a leitura, tecesse os comentários opinativos.

Autor: Bady Curi Neto


O impacto das enchentes no RS para a balança comercial brasileira

Nas últimas semanas, o Brasil tem acompanhado com apreensão os estragos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: André Barros


A força do voluntariado nas eleições

As eleições de 2022 contaram com mais de 1,8 milhão de mesários e mesárias, que trabalharam nos municípios de todo o país. Desse total, 893 mil foram voluntários.

Autor: Wilson Pedroso


A força da colaboração municipal

Quando voltamos nossos olhares para os municípios brasileiros espalhados pelo país, notamos que as paisagens e as culturas são diversas, assim como as capacidades e a forma de funcionamento das redes de ensino, especialmente aquelas de pequeno e médio porte.

Autor: Maíra Weber


As transformações universais que afetam a paz

Recentemente a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) aprovou projeto proposto pelo governo estadual paulista para a criação de escola cívico-militar.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Por um governo a favor do Brasil

A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos estados, dos municípios e do Distrito Federal, constitui-se em estado democrático de direito e tem como fundamentos a soberania, a cidadania, a dignidade da pessoa humana, os valores sociais do trabalho, da livre iniciativa e do pluralismo político.

Autor: Samuel Hanan


Coração de Stalker

Stalking vem do Inglês e significa Perseguição. Uma perseguição obsessiva, implacável, com envolvimento amoroso e uma tentativa perversa de controle.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Na crise, informação

“Na gestão da crise, é muito importante a informação.” Com esta sentença afirmativa, o governador do Rio Grande do Sul abriu sua participação no Roda Viva, da TV Cultura.

Autor: Glenda Cury


Hiperconectividade: desafio ou poder da geração Alpha?

Qual adulto diante de um enigma tecnológico não recorreu ao jovem mais próximo? Afinal, “eles já nasceram com o celular!”.

Autor: Jacqueline Vargas


Governar não é negar direitos para distribuir favores

Ao se referir a governos, o economista e escritor norte-americano Harry Browne (1917/1986) disse que o governo é bom em uma coisa.

Autor: Samuel Hanan