Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Os 25 anos da CPLP

Os 25 anos da CPLP

23/07/2021 José Fernando Aparecido de Oliveira

A CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa) nasceu do objetivo de criar um diálogo tri-continental permanente entre os sete países de língua portuguesa espalhados pelo mundo, situados na África, Europa e América.

Esse processo ganhou impulso decisivo na década de 1990, com o empenho do então embaixador do Brasil em Portugal, José Aparecido de Oliveira. José Aparecido dava vida ao antigo sonho visionário do português originário Agostinho da Silva.

O primeiro passo para sua consolidação foi dado em São Luís do Maranhão, em novembro de 1989, durante a realização do Primeiro Encontro dos Chefes de Estado e de Governo dos Países de Língua Portuguesa - Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal e São Tomé e Príncipe.

O Encontro foi promovido pelo presidente José Sarney, com a mobilização de seu ministro da Cultura, o mineiro José Aparecido de Oliveira.

Ali nasceu o Instituto Internacional da Língua Portuguesa, que se ocupa da promoção e difusão do idioma, e tem sua sede em Cabo Verde. Tornou-se imperativo, a partir daí, irmanar os países que tem herança histórica e o idioma comum.

Assim, em fevereiro de 1994, os sete ministros dos Negócios Estrangeiros e das Relações Exteriores dos países de língua portuguesa, reunidos pela segunda vez no Brasil, agora em Brasília, formalizaram o processo para a criação da CPLP - Comunidade dos Países de Língua Portuguesa.

O que só veio acontecer oficialmente no dia 17 de julho de 1996, em reunião dos sete chefes de Governo em Lisboa, Portugal.

Seis anos depois, com a conquista de sua independência, o Timor-Leste tornou-se o oitavo país membro da Comunidade, no dia 20 de maio de 2002. A inclusão da Guiné Equatorial só viria a ocorrer em 2014.

O maior desafio da CPLP foi erigir uma organização multilateral, fundamentada em laços culturais e alicerçada pelo idioma, dentro de um universo econômico, educacional e cultural tão distinto entre seus países.

Para essa consolidação, a lusofonia foi a grande motriz dessa união e estruturação da CPLP como entidade internacional.

Junto à lusofonia, outras duas organizações linguísticas, a francofonia e a commonwealth (anglófona), foram a amalgama que fundamentou a união entre os países.

Vale destacar que o acordo ortográfico, universalizando a escrita entre os países de língua portuguesa, foi um passo dos mais importantes para a sua consolidação como entidade internacional e ponto de intercessão comum entre as nações.

No próximo ano a CPLP terá um novo secretário-geral, que encontrará uma entidade estruturada, com representatividade mundial e protagonismo institucional em seus países membros.

Vale a ele dar continuidade ao sonho de Agostinho da Silva, fortalecendo o multilateralismo e o intercâmbio entre os países e governos; ampliar o aprendizado e a difusão da língua portuguesa no mundo, por meio de centros de aprendizado físicos e virtuais, além do intercâmbio entre as universidades e instituições de ensino; aproximar os povos, ampliando a comunidade lusófona, fortalecendo a presença política, a defesa do idioma e a inclusão do português como uma das línguas oficiais da Organização das Nações Unidas.

Presente em todos os continentes do planeta, multiplicada pela grande diáspora, a CPLP se faz presente em quase todos os países do mundo, sendo a encarnação dos versos de Fernando Pessoa, pois a nossa pátria é e sempre será a nossa língua.

* José Fernando Aparecido de Oliveira é prefeito de Conceição do Mato Dentro e presidente da AMIG – Associação dos Municípios Mineradores de Minas Gerais e do Brasil.

Para mais informações sobre língua portuguesa clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Petrônio Souza



O peso da improbidade no destino das pessoas

O homem já em tempos pré-históricos se reunia em volta das fogueiras onde foi aperfeiçoada a linguagem humana.


Mercado imobiliário: muito ainda para crescer

Em muitos países, a participação do mercado imobiliário no Produto Interno Bruto (PIB) está acima de 50%, enquanto no Brasil estamos com algo em torno de 10%.


Entender os números será requisito do mercado de trabalho

Trabalhar numa empresa e conhecer os seus setores faz parte da rotina de qualquer colaborador. Mas num futuro breve esse conhecimento será apenas parte dos requisitos.


Quais os sintomas da candidíase?

A candidíase é uma infecção causada por uma levedura (um tipo de fungo) chamada Candida albicans.


Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


A governança de riscos e gestão em fintechs

Em complemento às soluções e instituições financeiras já existentes, o mercado de crédito ficou muito mais democrático com a expansão das fintechs.


6 passos para evitar e mitigar os danos de ataques cibernéticos à sua empresa

Ao longo de 2021 o Brasil sofreu mais de 88,5 bilhões (sim, bilhões) de tentativas de ataques digitais, o que corresponde a um aumento de 950% em relação a 2020, segundo um levantamento da Fortinet.


Investimentos registram captação de R$ 46 bi no primeiro trimestre

O segmento de fundos de investimentos fechou o primeiro trimestre de 2022 com absorção líquida de R$ 46,1 bilhões, movimentação de 56,9% menor do que o observado no mesmo período de 2021.


Não são apenas números

Vinte e duas redações receberam nota mil, 95.788, nota zero, e a média geral de 634,16.


Formas mais livres de amar

A busca de afeição, o preenchimento da carência que nos corrói as emoções, nos lança a uma procura incessante de aproximação com outra pessoa: ânsia esperançosa de completude; algum\a outro\a me vai fazer feliz.


Dia da Educação: transformação das pessoas, do mercado e da sociedade

A Educação do século 21 precisa, cada vez mais, conciliar as competências técnicas e comportamentais.