Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Sistemas de gestão devem ganhar ainda mais relevância em 2023. Por que?

Sistemas de gestão devem ganhar ainda mais relevância em 2023. Por que?

29/03/2023 Cadu Lopes

O Brasil soma 1.023 healthtechs, representando um aumento de 60% quando comparado com o ano de 2016, segundo pesquisa da Distrito Healthtechs Report 2022, realizada pela Distrito, plataforma que conecta soluções para startups.

Tais dados são animadores e nos mostram um vasto oceano que ainda deverá ser explorado pelos empreendedores do setor de saúde em nosso país.

A questão é que, justamente por ser um segmento essencial e sensível, são muitos os desafios encontrados pelo caminho.

Um deles, e que tem ganhado relevância, é a gestão aplicada por clínicas e hospitais, impactando diretamente na experiência do paciente, afinal uma gestão eficiente na saúde vai muito além de conquistar resultados positivos para o negócio, significa zelar pela vida, saúde e bem-estar das pessoas.

De acordo com o Panorama das Clínicas e Hospitais 2023, o mercado está gradativamente percebendo que a gestão da agenda é uma atividade que requer ferramentas profissionais.

Quase metade dos entrevistados, cerca de 49% das clínicas e hospitais, contam com um software pago para administrar consultas, enquanto 29% têm um sistema próprio. Na edição de 2022, esses números eram de 45% e 25%, respectivamente.

Outro ponto de atenção na gestão é a centralização (ou não) das informações, sejam elas financeiras, burocráticas ou até mesmo sobre os pacientes.

67% dos respondentes do Panorama afirmam que todos os colaboradores usam o mesmo sistema, enquanto que 20%, não.

A tendência é que essa última parcela, sofra com falta de produtividade, desordem e falhas frequentes, gerando uma má percepção dos pacientes.

A gestão por meio de telefone ainda é extremamente importante para as clínicas e hospitais. Ainda segundo dados apontados no Panorama 2023, 56% dos entrevistados relatam que o próprio aparelho é a ferramenta de gerenciamento das ligações.

Aqui vale uma ressalva, visto que essa prática revela uma limitação, já que métricas importantes para o controle adequado do fluxo telefônico não são registradas, como o número de ligações recebidas, os horários de pico, a taxa de chamadas perdidas e o tempo médio de retorno. Sem tais informações, fica um pouco mais complicado ter insights e tomadas de decisões assertivas.

Por fim, vale a máxima “não se pode melhorar o que não se pode medir”. Portanto, quando falamos de gestão em saúde, é preciso selecionar os KPIs (indicadores-chave de desempenho) que quantificam a produtividade da equipe, visando ter rotinas otimizadas, processos estratégicos e mais tarefas realizadas em menos tempo, de forma eficiente.

* Cadu Lopes é CEO da Doctoralia Brasil, Peru e Chile.

Para mais informações sobre gestão clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Piar Comunicação



Proliferação de municípios, caminho tortuoso

Este é um ano de eleições municipais no Brasil. Serão eleitos 5.570 prefeitos, igual número de vice-prefeitos e milhares de vereadores.

Autor: Samuel Hanan


“Vaquinha virtual” nas eleições de 2024

A campanha para as eleições municipais de 2024 ainda não foi iniciada de fato, mas o financiamento coletivo já está autorizado.

Autor: Wilson Pedroso


Cotas na residência médica: igualdade x equidade

Um grande amigo médico, respeitado, professor, preceptor de Residentes Médicos (com letras maiúsculas), indignado com uma reportagem publicada, em periódico do jornal Estado de São Paulo, no dia 05 do corrente mês, enviou-me uma cópia, requestando que, após a leitura, tecesse os comentários opinativos.

Autor: Bady Curi Neto


O impacto das enchentes no RS para a balança comercial brasileira

Nas últimas semanas, o Brasil tem acompanhado com apreensão os estragos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: André Barros


A força do voluntariado nas eleições

As eleições de 2022 contaram com mais de 1,8 milhão de mesários e mesárias, que trabalharam nos municípios de todo o país. Desse total, 893 mil foram voluntários.

Autor: Wilson Pedroso


A força da colaboração municipal

Quando voltamos nossos olhares para os municípios brasileiros espalhados pelo país, notamos que as paisagens e as culturas são diversas, assim como as capacidades e a forma de funcionamento das redes de ensino, especialmente aquelas de pequeno e médio porte.

Autor: Maíra Weber


As transformações universais que afetam a paz

Recentemente a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) aprovou projeto proposto pelo governo estadual paulista para a criação de escola cívico-militar.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Por um governo a favor do Brasil

A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos estados, dos municípios e do Distrito Federal, constitui-se em estado democrático de direito e tem como fundamentos a soberania, a cidadania, a dignidade da pessoa humana, os valores sociais do trabalho, da livre iniciativa e do pluralismo político.

Autor: Samuel Hanan


Coração de Stalker

Stalking vem do Inglês e significa Perseguição. Uma perseguição obsessiva, implacável, com envolvimento amoroso e uma tentativa perversa de controle.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Na crise, informação

“Na gestão da crise, é muito importante a informação.” Com esta sentença afirmativa, o governador do Rio Grande do Sul abriu sua participação no Roda Viva, da TV Cultura.

Autor: Glenda Cury


Hiperconectividade: desafio ou poder da geração Alpha?

Qual adulto diante de um enigma tecnológico não recorreu ao jovem mais próximo? Afinal, “eles já nasceram com o celular!”.

Autor: Jacqueline Vargas


Governar não é negar direitos para distribuir favores

Ao se referir a governos, o economista e escritor norte-americano Harry Browne (1917/1986) disse que o governo é bom em uma coisa.

Autor: Samuel Hanan