Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Smart Money? Primeiro smart, depois money

Smart Money? Primeiro smart, depois money

12/12/2022 Denis Ferrari

O cenário de startups e inovação está cada vez mais promissor no país.

De acordo com a Associação Brasileira de Startups (Abstartups), existem mais de 14 mil startups cadastradas em sua base de dados, mas diferentemente do que muitos pensam, abrir seu próprio negócio não é uma tarefa fácil.

Isso porque todo o processo de empreender requer muito conhecimento, resiliência, determinação, estudo e disposição, por isso é tão importante contar com mentores e atores para serem parceiros nessa jornada.

Diante deste cenário, tem surgido um novo conceito de investimento chamado de Smart Money (dinheiro inteligente), que visa ajudar na escalabilidade e crescimento da startup.

Por meio deste modelo, os investidores têm um papel ainda mais importante dentro da companhia. Além de injetar aportes financeiros em suas operações, o profissional exercerá a função de mentor para dúvidas específicas e evitar que o empreendedor cometa erros comuns e repetidamente.

Dessa forma, ele precisa, obrigatoriamente, ter conhecimento sobre o mercado de atuação que vai investir para ter expertise o suficiente para auxiliar esses empreendedores em diferentes etapas do seu negócio.

Além disso, ele necessita de muita experiência de mercado, oferecer valor agregado à empresa, mentorias individuais e personalizadas e ter networking vasto com contatos assertivos.

Para que essa prática seja efetiva e traga resultados significativos para as companhias, essa relação precisa ser de mão dupla e todos os envolvidos devem se ajudar.

Nesse caso, os investidores têm que estar dispostos a, de fato, reservar horas da sua agenda para esta atividade e os empreendedores dispostos a assimilar todo o conhecimento adquirido e aplicá-lo da melhor maneira possível.

Por isso, que é tão importante criar planos reais, para que realmente nesse processo, o “Smart” se destaque muito mais do que o “Money”.

Outro ponto de atenção é que os founders devem levar em consideração é que nesse processo o que vai agregar valor de fato para o negócio é o conhecimento e todo ensinamento que ele receberá com o apoio desses investidores e que o dinheiro aportado será consequência.

Eles vão desenvolver projetos mais estruturados para o mercado, resolver e antecipar problemas que não conseguiriam sozinhos e criar produtos e serviços inovadores.

Concluo que diante da importância que eles possuem nos negócios, os CEO´s devem buscar pessoas que estejam imersas em seus mercados de atuação e que tenham conhecimentos aprofundados sobre os assuntos que envolvem a sua área.

Portanto eles também precisam estar com a mente aberta para escutar e aprender tudo o que eles têm a oferecer. Caso contrário, todo o trabalho será em vão.

* Denis Ferrari é CEO da Azys, primeira aceleradora de inovação independente do Brasil.

Para mais informações sobre Smart Money clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Piar Comunicação



Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho


O suposto golpe. É preciso provas…

Somos contrários a toda e qualquer solução de força, especialmente ao rompimento da ordem constitucional e dos parâmetros da democracia.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Oportunidade de marketing ou marketing oportunista?

No carnaval de 2024, foi postada a notícia sobre o "Brahma Phone" onde serão distribuídas 800 unidades de celulares antigos para os participantes das festas de carnaval.

Autor: Patricia Punder