Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Tributação sobre a folha de pagamentos

Tributação sobre a folha de pagamentos

28/12/2020 Alexandre Freire

O Brasil é o único país no mundo que paga impostos sobre a folha de pagamento, ou seja, as empresas têm que contribuir com o governo para poder gerar emprego.

Não é novidade para ninguém o abuso de impostos federais, estaduais e municipais que são cobrados das pessoas físicas ou jurídicas.

Para se ter uma ideia, a contribuição paga ao INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) que já é bem alta, não é revertida integralmente para o bolso do trabalhador.

Como se não bastasse essa inconsequência, o presidente da República, encaminhou ao Supremo Tribunal Federal (STF), na Ação Direta de Inconstitucionalidade 6.632, com pedido de liminar, onde a Advocacia-Geral da União (AGU) questiona a validade do artigo 33 da Lei 14.020/2020, que adiou por um ano a desoneração, que se encerraria no final do ano, solicitando que suspenda a prorrogação da desoneração da folha de pagamento de dezessete setores da economia.

A prorrogação da desoneração da folha de pagamento, por intermédio do Congresso vai acalentar diversos setores do mercado como por exemplo: transporte coletivo urbano rodoviário e metroviário, construção civil, empresa de comunicação, setor têxtil, call center, dentre outros.

Segundo especialistas, a suspensão do veto vai ajudar a manter mais de 6 milhões de postos de trabalho e ainda possibilitar a criação de novos empregos por conta do desconto de contratação.

Fazendo uma retrospectiva, a desoneração em folha criada em 2012, no governo Dilma Rousseff, foi para incentivar a competição entre empresas e aumentar o índice de emprego, justamente quando um dólar estava cotado a R$ 1,56, prejudicando o poder de exportação por parte das indústrias. Essa ação do governo chegou a beneficiar, na época, 56 setores.

Vale ressaltar que a desoneração da folha de pagamento, é uma forma importante para manter e apoiar o incentivo fiscal ao empresário, que é responsável pela geração de milhares de empregos.

O desenvolvimento da economia sem a produção de empregos é temporário e ainda desorganiza toda a estrutura da empresa.

De acordo com a pesquisa de dezembro do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o desemprego no país aumentou 27,6% em quatro meses de pandemia.

No início da Pnad Covid, criada pelo IBGE para apurar as consequências da pandemia no mercado de trabalho, há quatro meses, a população desempregada era de 10,1 milhões.

O governo Federal constantemente vai aumentar a receita por meio de leis, decretos e medidas e a consequência dessa atitude insana é que o trabalhador não recebe, e alguém sempre paga a conta.

Fato é que, em plena derrubada da economia global por conta da pandemia do novo coronavírus, o governo deseja acabar com a desoneração sob o argumento de déficit nos cofres públicos, o que nos parece haver outros meios mais razoáveis e pujantes.

* Alexandre Freire é advogado e sócio do escritório Bastos Freire Advocacia.

Fonte: Naves Coelho Comunicação



A tragédia já foi. E agora?

Impossível não se sensibilizar e chocar com a situação do Rio Grande do Sul, atingido por chuvas sem precedentes que causaram inundações em grande parte do estado, da capital ao interior.

Autor: Janguiê Diniz


O preconceito que condena

O programa Fantástico da Rede Globo trouxe mais uma história de injustiça cometida pelo Poder Judiciário brasileiro contra um jovem preto e periférico.

Autor: Marcelo Aith


O risco de politização da tragédia no RS

O Brasil todo tem assistido, consternado, ao desastre ambiental que se abateu sobre o Rio Grande do Sul nos últimos dias.

Autor: Wilson Pedroso


Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O final de Abril e o começo de Maio foram marcados pelo pior desastre ecológico da história do Rio Grande do Sul, com inundações, mortes e milhares de desabrigados e de pessoas ilhadas.

Autor: Marco Antonio Spinelli

Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O fim da reeleição de governantes

Está tramitando pelo Congresso Nacional mais um projeto que revoga a reeleição de Presidente da República, Governador de Estado e Prefeito Municipal.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


PEC das drogas

O que esperar com a sua aprovação?

Autor: Marcelo Aith


PEC do Quinquênio simboliza a metástase dos privilégios no Brasil

Aprovar a PEC significará premiar, sem justificativa plausível, uma determinada categoria.

Autor: Samuel Hanan


O jovem e o voto

Encerrou-se no dia 8 de maio o prazo para que jovens de 16 e 17 anos pudessem se habilitar como eleitores para as eleições municipais deste ano.

Autor: Daniel Medeiros


Um mundo fragmentado

Em fevereiro deste ano completaram-se dois anos desde a invasão russa à Ucrânia.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Leitores em extinção

Ontem, finalmente, tive um dia inteiro de atendimento on-line, na minha casa.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Solidariedade: a Luz de uma tragédia

Todos nós, ou melhor dizendo, a grande maioria de nós, está muito sensibilizado com o que está sendo vivido pela população do Rio Grande do Sul.

Autor: Renata Nascimento


Os fios da liberdade e o resistir da vida

A inferioridade do racismo é observada até nos comentários sobre os cabelos.

Autor: Livia Marques