Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A Humanização da Indústria 4.0: é preciso engajar para inovar

A Humanização da Indústria 4.0: é preciso engajar para inovar

02/11/2019 Sidney Leite

Quando se fala em indústria 4.0 e o futuro da tecnologia aplicada em processos produtivos, é fundamental deixar claro que estamos falando, na verdade, do presente.

O futuro já chegou há certo tempo. E essa realidade é deparada por estruturas fabris de diversos segmentos, afinal, as transformações já estão em curso.

Como consequência, a companhias precisam responder rapidamente a esse estímulo para que mantenham os ritmos de crescimento planejados.

Os produtos têm validade, como roupas que caem em desuso devido à mudança da estação ou pela chegada de novas tendências, assim como os processos adotados pelas empresas são temporários, sendo substituídos por recursos melhores, mais eficientes e produtivos.

Especificamente do ponto de vista de tecnologia, quando falamos em manufatura, instrumentação, softwares, automação e robótica, anualmente, é necessário fazer o update de algum sistema que já se tornou obsoleto nas organizações.

A tecnologia é um facilitador da inovação, inerente ao processo de transformação, mas para que a estratégia de evolução alcance patamares elevados é preciso garantir que as pessoas entendam o posicionamento estratégico da organização e o papel que têm dentro dessa estrutura, sentindo-se valorizadas.

Só assim é possível obter a alta performance, que não pode ser alcançada com a mera compra de um software, maquinário ou novas tecnologias. 

Quando falamos em desempenho, é basicamente o resultado no fim do dia. Já a alta performance é aquilo que encanta. É o show de uma orquestra, que emociona, estimulando que a plateia se levante para aplaudir com entusiasmo.

É uma entrega diferente, em que todos os instrumentos musicais estão extremamente afinados. Remetendo à operação industrial, é necessário se perguntar: a empresa apresenta desempenho ou alta performance?

A diferença é clara. A alta performance é muito mais do que seguir normas, especificações e padrões, como a ISO 9000, de gestão da qualidade, 14000, de diretrizes ambientais, ou a OHSAS 18000, voltada para a segurança do trabalho.

Também não significa apenas a prática de métodos, como a Seis Sigma, Lean ou TPM. Para atingir esse patamar, é fundamental aplicar a gestão adequada da mudança dos processos, ou seja, como as pessoas vão se adaptar à mudança e se sentir verdadeiramente valorizadas?

A M. Dias Branco, por exemplo, é uma empresa que cresceu organicamente e a partir de aquisições. O primeiro passo na busca pela alta performance foi a formação de uma área corporativa com profissionais competentes, com vivência em chão de fábrica, para não ser necessária a tradução do dia a dia.

Assim, falando a mesma língua, a transformação foi acontecendo a partir da cultura do aprendizado. Nessa estratégia, que chamamos de Gestão Classe Mundial (GCM), as pessoas receberam claramente os indicadores de onde a companhia está e onde pretende chegar.

Não há uma receita pronta, mas seguimos na M. Dias Branco a diretriz da inovação, conhecendo a perenidade que há no lançamento de novos produtos, de maneira que inovar para nós é muito mais do que isso.

É mudar processos, ao mesmo tempo em que nos preocupamos com a sustentabilidade. Os padrões são mantidos lado a lado das metodologias de melhoria contínua dos processos, o que garante que todas as nossas 15 fábricas sigam o mesmo modelo bem-sucedido alcançado.

O fato é que não é possível inovar se não se partir da máxima de engajar para mudar. Se não houver o envolvimento das pessoas, junto à organização, a mudança não é bem estruturada e se torna um verdadeiro castelo de areia, que não pode ser sustentado.

E dessa forma, sobretudo na indústria 4.0, as pessoas são fundamentais no processo e precisamos desenvolver a equipe em todos os níveis. O segredo do crescimento é humanizar a estratégia.

O nosso desafio constante vai além da integração homem e máquina. É integrar também homem e produto; homem e processo; homem e tecnologia; homem e conhecimento

 É preciso ter um ciclo virtuoso em que a pessoa é preponderante, acima de qualquer máquina.

* Sidney Leite é Diretor Técnico e de Operações da M. Dias Branco.

Fonte: Press à Porter



Intenção de consumo das famílias sobe em fevereiro

Intenção de consumo das famílias alcança maior nível desde abril de 2015, diz CNC.

Intenção de consumo das famílias sobe em fevereiro

Não perca tempo com problemas que não existem

É muito comum num grupo, numa reunião ou na empresa inteira, pessoas discutirem possíveis problemas em meio a um trabalho.

Não perca tempo com problemas que não existem

10 dicas para melhorar a gestão do conhecimento no contact center

O grande desafio enfrentado pelos contact centers é atender o cliente de forma rápida, objetiva e solucionar todas as demandas.


Inadimplência tem a segunda menor variação em janeiro em uma década

Brasil tem 61,3 milhões de consumidores com restrição ao crédito, mostram CNDL/SPC Brasil.

Inadimplência tem a segunda menor variação em janeiro em uma década

Bancos leiloam 300 imóveis com descontos de até 73%

Há unidades em diferentes estados disponíveis no site da Sold Leilões e no Superbid Marketplace.

Bancos leiloam 300 imóveis com descontos de até 73%

O que está em jogo com o jogo no Brasil?

Escrevi um artigo há uns três anos sobre o jogo no Brasil intitulado “O jogo no Brasil e o sofá do corno”.


Inovação no mercado de comunicação

Dois nomes deste mercado se uniram em um empreendimento comum.


CNC reduz para 5,3% estimativa de crescimento do varejo em 2020

Setor fechou 2019 com terceira alta anual consecutiva, impulsionada por inflação e juros baixos.

CNC reduz para 5,3% estimativa de crescimento do varejo em 2020

Fundos imobiliários e as expectativas para 2020

2019 foi um ano de muitas oportunidades na indústria de fundos imobiliários no Brasil.


A indústria puxará o crescimento

A política industrial que nos convém se reduz a umas poucas regras de bom senso.

A indústria puxará o crescimento

Inflação do aluguel é de 6,86% em 12 meses

Índice não teve variação no início de fevereiro, diz FGV.

Inflação do aluguel é de 6,86% em 12 meses

Meu funcionário voltou da China. E agora?

Além de problemas no atraso ligados à entrega de mercadorias e possível redução de vendas, há outros impactos do coronavírus trazidos às empresas que mantêm relações comerciais diretas com a China.

Meu funcionário voltou da China. E agora?