Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Confusão patrimonial: como evitar esse tipo de dor de cabeça

Confusão patrimonial: como evitar esse tipo de dor de cabeça

22/09/2021 Diogo Montalvão

Embora não seja proibido misturar o caixa da empresa com o pessoal, há conseqüências que podem ser graves ao proprietário ou aos sócios do negócio.

Confusão patrimonial: como evitar esse tipo de dor de cabeça

Não é muito difícil encontrar casos de empresários que utilizam as receitas da empresa para pagar contas pessoais, tais como luz, água, fatura de cartão de crédito, financiamento do carro ou mesmo uma despesa com lazer. Esse tipo de prática, que costuma ser um perigo para a saúde financeira da empresa, configura o que a Lei 13.874/2019 classifica como “confusão patrimonial”.

A lei, por sinal, entrou em vigor há dois anos exatamente com o objetivo de dar maior clareza ao entendimento jurídico em torno do tema. Embora não seja proibido misturar o caixa da empresa com o pessoal, há conseqüências que podem ser graves ao proprietário ou aos sócios do negócio.

A lei não veda as práticas que levam à confusão patrimonial, mas as desestimula. No Código Tributário isso vem sendo tratado como abuso de personalidade, quando não há distinção entre o que é físico e o que é jurídico. Por isso, é importante que o sócio ou proprietário que aparece no contrato social entenda que, assim como o capital da pessoa jurídica serve para ajudar a solucionar os problemas financeiros da pessoa física, também serve para atrapalhar.

O principal problema da confusão patrimonial, segundo ele, ocorre quando há alguma ação judicial contra a empresa ou em caso de fechamento. Se for comprovado que houve confusão patrimonial através da movimentação financeira, o juiz pode incorporar ao patrimônio da empresa os bens particulares, como imóveis, carros e investimentos.

É uma simbiose que vem ganhando respaldo em jurisprudências amparadas no próprio Código, em particular no artigo 124, que trata da responsabilidade tributária solidária, e agora também na nova lei. Numa ação em que a pessoa jurídica seja ré, a confusão patrimonial pode fazer expandir os bens da empresa, considerando também os bens particulares dos sócios. Basta um requerimento da parte envolvida na ação ou do Ministério Público.

Uma sugestão é a adoção de alguns hábitos que podem ser saudáveis para as finanças da empresa, ao mesmo tempo em que impedem a confusão patrimonial. Isso porque o sucesso de uma empresa, qualquer que seja o porte, passa por uma administração contábil que não se restringe à sua receita. O controle das despesas também é fundamental, até para certificar-se de que ela está operando no azul.

A primeira medida é reservar uma parcela das receitas para cobrir os custos do negócio. Uma boa maneira de se fazer isso é ter uma conta bancária exclusiva para essa reserva. Para cada entrada de recurso, é feita uma transferência, que pode ser proporcional, para essa conta. A reserva precisa ser usada apenas para pagar as despesas.

Com o dinheiro separado para os custos do negócio, os sócios enfim determinam os valores ou o percentual da receita que será para se pagarem. A auto-remuneração é a parte com que todo empreendedor sonha, mas quem é proprietário ou sócio sabe que ele deve ser o último a receber. Neste momento, é preciso transferir o montante de cada um para uma conta pessoal, garantindo a separação das responsabilidades e o controle do caixa da empresa. Empresa é uma coisa, pessoa física é outra.

* Diogo Montalvão, advogado e sócio do escritório BLJ Direito e Negócios.

Para mais informações sobre Patrimônio clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Estratégias de desenvolvimento interno de equipes de alta performance

Apostar na formação de funcionários é a melhor saída para driblar a escassez de talentos especializados no mercado de trabalho.

Autor: Divulgação

Estratégias de desenvolvimento interno de equipes de alta performance

A estratégia de folha de pagamento na prática

Se os funcionários são o coração pulsante de uma organização, então a folha de pagamento é, de muitas maneiras, o sangue que a percorre.

Autor: Jeff Phipps

A estratégia de folha de pagamento na prática

União da Contabilidade e Marketing voltados para o ESG

O termo ESG surgiu há alguns anos e já tem se tornado prioridade no mundo dos negócios por estar embasado nas práticas ambientais, sociais e de administração de uma empresa.

Autor: Priscilla Helena Afonso Ejzenbaum

União da Contabilidade e Marketing voltados para o ESG

Como calcular o potencial de faturamento do seu negócio?

Conhecer o preço ideal da hora trabalhada em seu escritório ajuda a decidir quanto cobrar e qual pode ser a margem de lucro.

Autor: Beatriz Machnick

Como calcular o potencial de faturamento do seu negócio?

Como um ERP pode aumentar a eficiência de uma empresa?

Em meio a um cenário empresarial dinâmico e em evolução constante, a adoção de um sistema de gestão torna-se imprescindível para garantir a eficiência operacional.

Autor: Júlio Baruchi e Rodrigo Franco

Como um ERP pode aumentar a eficiência de uma empresa?

Felicidade nas empresas: ambientes resilientes e produtivos

Desde que o mundo é mundo, a felicidade sempre foi o tema da existência humana.

Autor: Nancy Quintela e Walderez Fogarolli

Felicidade nas empresas: ambientes resilientes e produtivos

Você sabe a importância do marketing e do branding para um bom líder?

Há duas ferramentas que são essenciais para um bom líder utilizar e ajudar a criar uma imagem positiva e forte da sua marca e negócio: o marketing e o branding.

Autor: Leonardo Chucrute

Você sabe a importância do marketing e do branding para um bom líder?

Quais os principais erros cometidos na hora de investir em cibersegurança?

Se as empresas estão engajadas na temática de segurança, por que continuamos vendo casos de ciberataques?

Autor: Renata Barros e Tailan Oliveira

Quais os principais erros cometidos na hora de investir em cibersegurança?

5 desafios de trade marketing

Como as empresas devem se preparar para 2024.

Autor: Kleber Astolfi

5 desafios de trade marketing

Empreender sem funcionários? Dicas para administrar o próprio negócio

Como alternativa para começar o próprio negócio, investir em empresas sem colaboradores é uma opção para ter autonomia com o trabalho.

Autor: Divulgação

Empreender sem funcionários? Dicas para administrar o próprio negócio

Por que abandonar o ‘marketês’ nas relações com clientes

Em novo livro, Carolina Fernandes incentiva pequenos e grandes empresários a abrasileirarem a comunicação para reforçar proximidade com todos os públicos.

Autor: Divulgação


“Contrato de gaveta” pode trazer instabilidade jurídica à sua empresa?

Contratos sem registro legal podem ser mais rápidos, mas trazem insegurança jurídica para a empresa.

Autor: Divulgação

“Contrato de gaveta” pode trazer instabilidade jurídica à sua empresa?