Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Marketing na área da saúde

Marketing na área da saúde

05/10/2019 Bruno Alencar

Não é segredo para ninguém que uma boa estratégia de marketing pode alavancar um negócio.

Toda empresa precisa ser vista e lembrada, para alcançar novos clientes e fidelizar aqueles que já acompanham o trabalho.

No entanto, alguns empreendimentos precisam tomar bastante cuidado, pois podem cair em armadilhas pelo caminho. Esse é o caso dos negócios da área da saúde.

Apesar de serem como quaisquer outras empresas do segmento de serviços, os empreendimentos deste setor podem e devem acrescentar o marketing como uma parte importante do planejamento estratégico da empresa, porém é preciso cuidado, já que o Conselho Federal de Medicina (CFM) possui normas que precisam ser seguidas.

Observo que os empreendimentos da área da saúde sofrem com a grande falta de profissionais que saibam gerir ou fazer o marketing de suas empresas, por isso a importância de abordar o assunto.

Diferente de outros cursos, os da área da saúde não costumam discutir matérias sobre essas temáticas, o que faz com que as pessoas do âmbito médico passem por certas dificuldades.

Antes de tudo é preciso deixar claro o que o CFM não permite. O Conselho possui a preocupação de não deixar a saúde como um balcão de negócios, onde o cliente/paciente busca escolher mediante preços mais baixos ou promessas de resultados garantidos.

Por isso, é proibida a divulgação de preços ou formas de pagamento nas campanhas publicitárias. Ao proibir a publicação das chamadas fotos “antes e depois”, a instituição reafirma que não há garantia de resultados nos tratamentos médicos, como também busca proteger os médicos contra os futuros processos civis.

A prática de tirar foto com pacientes também é condenada pelo CFM, pois, além de expor o paciente de forma desnecessária, muitas vezes estes pacientes são pessoas famosas ou influenciadores digitais, e isso não pode ser usado como fator determinante na hora de escolher o seu médico.

Vejo que os erros mais comuns acontecem devido ao desconhecimento da resolução do CRM e da inexperiência de empresas de marketing na área médica.

Publicação de fotos “antes e depois”; com pacientes; e de especialidades que não são oficialmente registradas no Conselho ou de médicos não possuem o Registro de Qualificação de Especialista (RQE) são os casos mais recorrentes.

Se bem usado, o marketing pode ser de grande valia para um negócio. O Conselho Federal de Medicina emitiu a resolução 1974/2011 que trata exatamente de como deve ser feita a publicidade na área médica, em que se preza exclusivamente pela ética.

É permitido, por exemplo, anúncios médicos que visam expor informações de interesse público, como as dicas de saúde e informações científicas acerca de doenças e tratamentos, sempre com um caráter didático e informativo, em busca da boa prática médica.

Para isso, a melhor forma de aplicar o marketing na área continua sendo a produção de conteúdo educativo para a sociedade.

Além de contribuir para a instrução e conscientização da população, fornecendo informações valiosas à saúde, esse tipo de iniciativa aos poucos posiciona o profissional como referência na área médica, algo que é de desejo da maioria dos médicos.

É imprescindível que os profissionais se façam presentes no meio digital por meio da elaboração de um site, pois hoje ele representa o antigo cartão de visita, mas agora se configura como se fosse um cartão digital.

Através do site, os possíveis futuros pacientes poderão conhecer mais sobre o trabalho e biografia do médico, avaliando a sua formação profissional e competências adquiridas.

* Bruno Alencar é cardiologista, membro da Sociedade Brasileira de Cardiologia e sócio da Inmedic Brasil.

Fonte: Naves Coelho Comunicações



Contratação de temporários para o Natal será a maior em seis anos

CNC projeta criação de 91 mil postos de trabalho

Contratação de temporários para o Natal será a maior em seis anos

Atividade econômica cresce 0,07% em agosto no Brasil

Índice incorpora informações sobre o nível de atividade da indústria, comércio e serviços e agropecuária.


Gestão empresarial para a área da saúde

O êxito de um empreendimento voltado ao atendimento médico não depende somente da composição de um bom corpo clínico.


Como atrair e reter a geração Z?

O mercado de trabalho está começando a receber uma nova geração de profissionais, a chamada geração Z, que são os nascidos entre 1995 e 2010.


No mundo corporativo, “como vai?” deve ser uma pergunta sincera

Há alguns anos, quando passava por uma fase bastante difícil em minha vida, encontrei um vizinho no elevador, que me perguntou como eu ia.


Inadimplência do consumidor cresce ao menor ritmo em quase dois anos

53% dos brasileiros têm dívidas que não ultrapassam R$ 1 mil, mostra indicador CNDL/SPC Brasil.

Inadimplência do consumidor cresce ao menor ritmo em quase dois anos

Dólar em alta, empresas baratas?

Não é de hoje que a alta do dólar é música aos ouvidos de grandes exportadores, afinal, moeda desvalorizada possibilita vantagem competitiva mundo afora.


Atividade do varejo perde fôlego e cresce 1,41% em setembro

Alta é pouco menor do que a constatada em setembro do ano passado, apontam CNDL/SPC Brasil.

Atividade do varejo perde fôlego e cresce 1,41% em setembro

Enfrentando a tempestade digital

Os líderes empresariais assumem seus postos depois de muito empenho.


Sem essa habilidade, seu futuro profissional está comprometido

Ser um fluente digital tem muito mais a ver com uma nova lógica de entender o mundo e trabalhar nele.

Sem essa habilidade, seu futuro profissional está comprometido

A isenção de impostos e o viés positivo do setor de saúde

O Governo Federal está tomando algumas medidas que sinalizam que um bom viés para o setor de saúde.


CNC projeta maior alta de vendas para o Dia das Crianças em seis anos

Roupas infantis, tênis, chocolates, bicicletas e brinquedos estão com preços mais baixos.