Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Marketing na área da saúde

Marketing na área da saúde

05/10/2019 Bruno Alencar

Não é segredo para ninguém que uma boa estratégia de marketing pode alavancar um negócio.

Toda empresa precisa ser vista e lembrada, para alcançar novos clientes e fidelizar aqueles que já acompanham o trabalho.

No entanto, alguns empreendimentos precisam tomar bastante cuidado, pois podem cair em armadilhas pelo caminho. Esse é o caso dos negócios da área da saúde.

Apesar de serem como quaisquer outras empresas do segmento de serviços, os empreendimentos deste setor podem e devem acrescentar o marketing como uma parte importante do planejamento estratégico da empresa, porém é preciso cuidado, já que o Conselho Federal de Medicina (CFM) possui normas que precisam ser seguidas.

Observo que os empreendimentos da área da saúde sofrem com a grande falta de profissionais que saibam gerir ou fazer o marketing de suas empresas, por isso a importância de abordar o assunto.

Diferente de outros cursos, os da área da saúde não costumam discutir matérias sobre essas temáticas, o que faz com que as pessoas do âmbito médico passem por certas dificuldades.

Antes de tudo é preciso deixar claro o que o CFM não permite. O Conselho possui a preocupação de não deixar a saúde como um balcão de negócios, onde o cliente/paciente busca escolher mediante preços mais baixos ou promessas de resultados garantidos.

Por isso, é proibida a divulgação de preços ou formas de pagamento nas campanhas publicitárias. Ao proibir a publicação das chamadas fotos “antes e depois”, a instituição reafirma que não há garantia de resultados nos tratamentos médicos, como também busca proteger os médicos contra os futuros processos civis.

A prática de tirar foto com pacientes também é condenada pelo CFM, pois, além de expor o paciente de forma desnecessária, muitas vezes estes pacientes são pessoas famosas ou influenciadores digitais, e isso não pode ser usado como fator determinante na hora de escolher o seu médico.

Vejo que os erros mais comuns acontecem devido ao desconhecimento da resolução do CRM e da inexperiência de empresas de marketing na área médica.

Publicação de fotos “antes e depois”; com pacientes; e de especialidades que não são oficialmente registradas no Conselho ou de médicos não possuem o Registro de Qualificação de Especialista (RQE) são os casos mais recorrentes.

Se bem usado, o marketing pode ser de grande valia para um negócio. O Conselho Federal de Medicina emitiu a resolução 1974/2011 que trata exatamente de como deve ser feita a publicidade na área médica, em que se preza exclusivamente pela ética.

É permitido, por exemplo, anúncios médicos que visam expor informações de interesse público, como as dicas de saúde e informações científicas acerca de doenças e tratamentos, sempre com um caráter didático e informativo, em busca da boa prática médica.

Para isso, a melhor forma de aplicar o marketing na área continua sendo a produção de conteúdo educativo para a sociedade.

Além de contribuir para a instrução e conscientização da população, fornecendo informações valiosas à saúde, esse tipo de iniciativa aos poucos posiciona o profissional como referência na área médica, algo que é de desejo da maioria dos médicos.

É imprescindível que os profissionais se façam presentes no meio digital por meio da elaboração de um site, pois hoje ele representa o antigo cartão de visita, mas agora se configura como se fosse um cartão digital.

Através do site, os possíveis futuros pacientes poderão conhecer mais sobre o trabalho e biografia do médico, avaliando a sua formação profissional e competências adquiridas.

* Bruno Alencar é cardiologista, membro da Sociedade Brasileira de Cardiologia e sócio da Inmedic Brasil.

Fonte: Naves Coelho Comunicações



Perspectivas positivas para a indústria em 2022

É preciso deixar de lado todo discurso derrotista e voltado apenas para desafios e privilegiar a obtenção de resultados.

Perspectivas positivas para a indústria em 2022

Nível de endividamento das famílias brasileiras em 2021 foi o maior em 11 anos

Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) foi divulgada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo.

Nível de endividamento das famílias brasileiras em 2021 foi o maior em 11 anos

Sebrae mostra impacto da pandemia sobre empreendedores negros

Pesquisa revela dificuldades na retomada dos negócios.

Sebrae mostra impacto da pandemia sobre empreendedores negros

Uso de cheques no Brasil cai 93% desde 1995

No ano passado, volume de compensações caiu 23%.

Uso de cheques no Brasil cai 93% desde 1995

6 tendências de comunicação e marketing para 2022

Para 64% dos jovens entre 16 e 24 anos, a publicidade tradicional não impacta mais.

6 tendências de comunicação e marketing para 2022

Contribuição mensal de microempreendedores individuais será reajustada

Com o aumento do salário-mínimo, Documento de Arrecadação Simplificada de MEI (DAS) passa a ter novos valores.

Contribuição mensal de microempreendedores individuais será reajustada

Inflação oficial fecha 2021 com alta de 10,06%, diz IBGE

Poupança tem terceira maior retirada líquida da história em 2021

Retirada líquida no ano passado foi de R$ 35,5 bilhões.

Poupança tem terceira maior retirada líquida da história em 2021

Cerca de 40% dos pequenos negócios realizaram investimentos em 2021

De acordo com Sondagem Trimestral, realizada pelo Sebrae em parceria com a FGV, a Indústria é a que mais investiu.

Cerca de 40% dos pequenos negócios realizaram investimentos em 2021

Mercado financeiro prevê que economia vai crescer 0,36% em 2022

Estimativa anterior de crescimento do PIB era de 0.42%.


Capacitação no atendimento é diferencial para fidelizar clientes

Quando você chega a um restaurante, o que mais espera além de uma boa comida?

Capacitação no atendimento é diferencial para fidelizar clientes

Pesquisa mostra que mais de 90% dos brasileiros estão infelizes no trabalho

Entre as promessas para o ano novo, ser promovido no trabalho e aumentar o salário estão entre as mais almejadas.

Pesquisa mostra que mais de 90% dos brasileiros estão infelizes no trabalho