Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Os desafios da indústria de hortifrutis no mercado mundial

Os desafios da indústria de hortifrutis no mercado mundial

24/08/2019 Cathy Burns

A discussão hoje é como a tecnologia está reformulando a indústria global de produtos agrícolas frescos.

Sem dúvida a inovação tecnológica e os investimentos levam ao crescimento do setor, com o aumento da robótica em todos os setores da indústria – do varejo a serviços da indústria alimentícia até entrega de comida em casa, que é uma força inovadora em toda a cadeia de suprimentos.

No ano passado, os níveis de financiamento da tecnologia agroalimentar atingiram um recorde de US$ 16,9 bilhões, em comparação à cifra de US$ 10,1 bilhões do ano de 2017.

Interessante notar que houve aumento de US$ 3 bilhões em investimentos nos setores de varejo, serviços da indústria alimentícia e e-commerce em comparação ao valor investido no lado produtivo da cadeia de suprimentos.

No lado produtivo houve investimentos de US$ 6,9 bilhões em tecnologias na unidade agrícola, que aumentam a eficiência e os rendimentos e administram os desafios de recursos.

No Brasil, a tecnologia e a sustentabilidade da agricultura foram combinadas no Mercado Verde, no qual os agricultores podem oferecer colheitas sustentáveis aos compradores em quatro categorias ambientais.

E o futuro já chegou com o desenvolvimento em tecnologia de alimentos à base de plantas que produziu mudanças em empresas agrícolas tradicionais.

Em todo o mundo, alimentos substitutos da proteína animal registraram um faturamento de US$ 19,5 bilhões no ano passado, em um cenário em que um em cada quatro consumidores no mundo busca reduzir o consumo de carne.

A Impossible Foods – um dos líderes de mercado – produz atualmente meio milhão de libras de seu substituto de carne à base de plantas todo mês para 3.000 restaurantes, incluindo o Burger King.

No mercado brasileiro, novos produtos da Fazenda Futuro e seus hambúrgueres feitos de ervilhas, proteína de soja e grãos-de-bico, além dos planos da Seara de lançar um hambúrguer à base de plantas, estão atendendo às demandas dos consumidores por alternativas saudáveis. E agora o anúncio da entrada da Mafrig nesse mercado.

Segundo dados da Plant Based Foods Association e da Nielsen, o faturamento em dólares da categoria de alimentos à base de plantas cresceu 20% em 2018, com vendas que atingiram US$3,3 bilhões, em comparação a um crescimento de apenas 8% no ano de 2017.

Os consumidores, em especial os millennials e da geração X, estão tomando decisões alimentares e de compra com base em preocupações de sustentabilidade no que diz respeito à saúde do planeta e do meio ambiente.

Os mesmos consumidores também tendem a demonstrar maior preocupação com os alimentos que ingerem e estão dispostos a gastar mais por essas escolhas.

Aqui, mesmo tradições culturais no que diz respeito ao consumo de carne estão mudando. O que achei muito interessante é que cerca de 30 milhões de brasileiros se consideram vegetarianos.

Dessas pessoas, 7 milhões se autodeclaram veganas, renunciando também a produtos de origem animal, como queijo, leite e ovos.

No Brasil, aqueles que procuram reduzir o consumo de carne contam agora com diversas opções nas gôndolas dos supermercados, de salsichas vegetais e cachorros-quentes veganos a “filés de peito de frango” à base de ervilha.

As oportunidades de consumo estão nos nichos – como consumidores orgânicos e nas compras online. Segundo dados da Forrester Research, há previsão de que o faturamento do mercado global de compras de gêneros alimentícios on-line dobre de US$ 150 bilhões em 2017 para US$ 334 bilhões até 2022.

Um estudo global constatou que, até o ano de 2020, 35% dos compradores gastarão de 26% a 40% de seu orçamento de supermercado em compras online.

Já o crescimento dos alimentos orgânicos, tanto nos EUA quanto no Brasil, apresenta mais oportunidades para frutas e verduras frescas.

Em 2018, o faturamento de alimentos orgânicos nos EUA totalizou um recorde de US$ 47,9 bilhões. Frutas e verduras orgânicas representaram 36,3% de todo o faturamento de alimentos orgânicos no ano passado, compreendendo 14,6% de todos os produtos frescos vendidos nos EUA e representando vendas de US$ 17,4 bilhões.

Quanto à indústria de produtos agrícolas frescos, devemos ser ousados e não permitir que a proteína defina o produto. Ainda que produtos à base de plantas certamente possam incluir frutas e verduras, eles não são capazes de substituí-las nas dietas e hábitos alimentares dos consumidores.

Esta é a maior ameaça que enfrentamos. Nosso trabalho continua sendo o de ajudar o mundo a entender que a única coisa mais simples a fazer para atingir uma vida plena e intensa é consumir mais frutas e verduras.

A PMA – Produce Marketing Association – concluiu uma pesquisa de mercado que enfocou os consumidores brasileiros e as razões por que eles consomem – ou não consomem – frutas e verduras.

Constatamos que os consumidores brasileiros tendem a comer frutas e verduras frescas por razões específicas ou em refeições específicas.

Com maior frequência, os brasileiros consomem frutas na forma de sucos, o que também desencoraja o seu consumo de outras maneiras, como ingredientes em um prato ou o fruto inteiro.

Já os legumes são frequentemente usados como ingredientes complementares à carne, quer seja como um acompanhamento, quer seja como um ingrediente em um guisado, limitando sua capacidade de ser apresentado sozinho e ser o destaque de uma refeição.

Como varejo, existe a oportunidade de educar os consumidores como podem incluir mais frutas e verduras em refeições durante todo o dia.

Como indústria, devemos trazer mais inovação na forma como demonstramos o pleno potencial de sabor de frutas e verduras através de abordagens estratégicas de marketing que combinam merchandising, publicidade e conteúdo on-line envolvente.

O desafio da indústria é assegurar que o resto do mundo saiba que a única coisa mais simples que podemos fazer para atingir uma vida plena e intensa é fazer com que as pessoas consumam mais frutas e verduras. Construir um mundo mais saudável.

* Cathy Burns é CEO do PMA – Produce Marketing Association.

Fonte: Vera Moreira Comunicação



Brasil tem 4,5 milhões de empresas, número em queda desde 2014

Pesquisa foi realizada pelo IBGE em todo o país.

Brasil tem 4,5 milhões de empresas, número em queda desde 2014

A arte de fazer pão no mundo da tecnologia

E as novas tendências de consumo!


Brasileiros ainda têm dificuldades em adotar práticas de consumo consciente

Preço de produtos orgânicos e separação do lixo para reciclagem são principais barreiras apontadas, revelam CNDL/SPC Brasil.

Brasileiros ainda têm dificuldades em adotar práticas de consumo consciente

O valor do cooperativismo no mundo hiperconectado

Um dos modelos de negócio mais revolucionários do mundo não nasceu no Vale do Silício e não é uma startup.


Prêmio Empreendedor Social abre votação para a categoria ‘Escolha do Leitor’

Categoria com recorde de engajamento no ano passado, Escolha do Leitor - que integra o 15º Prêmio Empreendedor Social - está com a votação aberta até 1º de novembro.


Gestão Ativa do caixa

Como rentabilizar o capital de sua empresa?


Segurança no trabalho

Diferencial para o êxito das organizações.


Contratação de temporários para o Natal será a maior em seis anos

CNC projeta criação de 91 mil postos de trabalho

Contratação de temporários para o Natal será a maior em seis anos

Atividade econômica cresce 0,07% em agosto no Brasil

Índice incorpora informações sobre o nível de atividade da indústria, comércio e serviços e agropecuária.


Gestão empresarial para a área da saúde

O êxito de um empreendimento voltado ao atendimento médico não depende somente da composição de um bom corpo clínico.


Como atrair e reter a geração Z?

O mercado de trabalho está começando a receber uma nova geração de profissionais, a chamada geração Z, que são os nascidos entre 1995 e 2010.


No mundo corporativo, “como vai?” deve ser uma pergunta sincera

Há alguns anos, quando passava por uma fase bastante difícil em minha vida, encontrei um vizinho no elevador, que me perguntou como eu ia.