Portal O Debate
Grupo WhatsApp

PEC 186 – Oportunidade para corrigir distorções

PEC 186 – Oportunidade para corrigir distorções

17/05/2021 Roberto Matarazzo Braun

O ano de 2021 começou com uma perspectiva um pouco mais otimista.

PEC 186 – Oportunidade para corrigir distorções

Mas, logo, vimos a crise de saúde provocada pela pandemia se tornar ainda mais severa nesses últimos meses. A economia, muito afetada no ano anterior, está sendo novamente desafiada pelas medidas de restrição, a fim de preservar a saúde das pessoas e conter a propagação do vírus. Não menos importante, o cenário político também é palco de importantes debates e ações que interessam à toda sociedade – inclusive com temas mais acalorados pelo calendário eleitoral que se aproxima, como, por exemplo, a corrida pela vacinação.

Apesar dos infortúnios, recentemente foi aprovada pelo Congresso Nacional a PEC 186, conhecida como PEC Emergencial. A maioria das pessoas entendeu que a medida tinha como único propósito a aprovação da extensão do auxílio emergencial, que custará R$ 44 bilhões aos cofres públicos, quando, na verdade, ela vai muito além disso.

A PEC 186 estabelece um compromisso de redução de gastos tributários, que são isenções e benefícios concedidos a determinados setores, mas que implicam custo extra a todos. Em oito anos, esses incentivos terão de passar de 4,2% para 2% do PIB, o que vai contribuir muito com o equilíbrio fiscal que o País tanto precisa. O presidente da República deverá apresentar, em até seis meses após a promulgação da emenda constitucional, um plano de redução gradual desses benefícios.

São feitas exceções a programas como o Simples, os subsídios à Zona Franca de Manaus, o apoio a entidades sem fins lucrativos ligadas a partidos políticos e a produtos da cesta básica, que, de acordo com nota técnica da Consultoria de Orçamento da Câmara dos Deputados, correspondem a 1,9% do PIB. Com o limite de gastos tributários fixado em 2% do PIB, não sobrará praticamente nenhum espaço para manter outros gastos tributários.

Entre os gastos que deverão ser extintos, estão os incentivos regionais concedidos a empresas automotivas. Trata-se de uma oportunidade única para corrigir uma das maiores distorções da indústria automotiva no País, que prejudica as condições de competitividade e previsibilidade para as demais empresas do setor.

Não, não somos contra incentivos, mas eles precisam ser limitados a um tempo específico, sem prorrogações. Quando eles passam a ser incorporados como “regra do jogo”, deixam de atender aos interesses do país e passam a responder por privilégios específicos a poucos players do mercado. Nesse caso, provocam distorções, em vez de colaborar com o desenvolvimento da indústria como um todo.

Passo a passo, o Brasil vai ajustando o seu rumo. A próxima e esperada etapa é a aprovação das reformas tributária e administrativa, que vão contribuir significativamente para melhorar o ambiente de negócios do país e, consequentemente, as condições de competitividade da indústria, permitindo assim a atração de novos investimentos, geração de emprego e renda. Torcemos pelo sucesso das reformas, para um futuro melhor a todos os brasileiros.

* Roberto Matarazzo Braun é diretor de Assuntos Regulatórios e Governamentais da Toyota Brasil.

Para mais informações sobre Economia clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: RPMA Comunicação



Híbrido e Inteligente: o que esperar do varejo no futuro

Nada do que foi será, de novo, do jeito que já foi um dia.

Híbrido e Inteligente: o que esperar do varejo no futuro

Produtos com Indicação Geográfica são conhecidos por 60% dos pequenos negócios

Pesquisa feita pelo Sebrae mostra que até mesmo os negócios que não sabem o que é uma IG gostariam de vender produtos típicos regionais.

Produtos com Indicação Geográfica são conhecidos por 60% dos pequenos negócios

Confusão patrimonial: como evitar esse tipo de dor de cabeça

Embora não seja proibido misturar o caixa da empresa com o pessoal, há conseqüências que podem ser graves ao proprietário ou aos sócios do negócio.

Confusão patrimonial: como evitar esse tipo de dor de cabeça

Nota conjunta Firjan e FIEMG sobre a crise energética

Federações apresentam suas sugestões para contribuir com o combate à crise energética.

Nota conjunta Firjan e FIEMG sobre a crise energética

Confiança dos pequenos negócios segue em crescimento pelo quarto mês consecutivo

Indústria lidera o ranking entre os setores e microempreendedores influenciam positivamente o resultado geral do Iscon em agosto.

Confiança dos pequenos negócios segue em crescimento pelo quarto mês consecutivo

Mesmo na crise econômica e sanitária, bancos aumentam as tarifas

Estudo do Idec aponta que, em meio à pandemia de covid-19, qualidade de serviços piorou e houve alta migração de consumidores para bancos digitais.

Mesmo na crise econômica e sanitária, bancos aumentam as tarifas

Comércio cresce 1,2% em julho e atinge patamar recorde

Trata-se da quarta alta consecutiva do indicador.

Comércio cresce 1,2% em julho e atinge patamar recorde

Pets em condomínios comerciais

Muitas pessoas já descobriam que ter um animal é ter um companheiro de verdade, além ser um excelente meio de afastar a solidão.

Pets em condomínios comerciais

Poupança tem retirada líquida de R$ 5,467 bilhões em agosto

Em 2021, a poupança acumula retirada líquida de R$ 15,629 bilhões.

Poupança tem retirada líquida de R$ 5,467 bilhões em agosto

Fusões & Aquisições batem recorde de negócios no Brasil

Especialista analisa o bom momento do setor. Confira a entrevista!

Fusões & Aquisições batem recorde de negócios no Brasil

Microfranquias são oportunidades para crescimento do país

Quantas vezes, na escola, se estudou sobre finanças, administração ou marketing?

Microfranquias são oportunidades para crescimento do país

Docol anuncia construção de nova fábrica em MG

No seu aniversário de 65 anos, a empresa catarinense, anuncia plano de expansão de R$ 500 milhões em louças e metais sanitários.