Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Mercado de startups é mar azul para investidores

Mercado de startups é mar azul para investidores

19/10/2021 Sofía Gancedo

Mercado de startups é mar azul para investidores.

Mercado de startups é mar azul para investidores

Os efeitos da pandemia da Covid-19 ainda refletem na economia global, mas um setor ainda brilha aos olhos dos investidores. Seja em nível nacional ou global, as startups continuaram divulgando captações recordes no acumulado dos primeiros seis meses de 2021 e deixam o mercado com os olhos voltados à tecnologia.

De acordo com o relatório Inside Venture Capital, divulgado pela Distrito, US$ 5,2 bilhões foram investidos em startups brasileiras apenas no primeiro semestre. O montante representa um recorde histórico, já com crescimento de 45% em comparação ao ano de 2020. Na comparação isolada dos primeiros seis meses do ano passado, a alta soma 299%.

E neste mar azul, um destaque especial são as fintechs, que despontaram como líderes em número de operações – segundo o relatório, foram 24, movimentando US$ 249 milhões, número esse que abarca também as proptechs.

Nos últimos anos, o crescimento das fintechs vinculadas ao mercado imobiliário deu origem ao termo “proptech”, impulsionado pela pandemia. Para se ter uma ideia do crescimento exponencial desse segmento, de acordo com a quinta edição do Mapa das Construtechs e Proptechs, lançado pela Terracotta Ventures, em abril de 2021, o número de startups de tecnologias voltadas aos setores de construção e mercado imobiliário cresceu 19,5% em relação a 2020 e 235% se comparado ao primeiro mapeamento, em 2017.

Essa maré de inovação aponta uma aposta no setor imobiliário, que se mostra consistente e seguro. As proptechs atuam em todas as etapas do ciclo de vida deste setor, seja em produtos ou nos serviços, inclusive oferecendo oportunidades de investimento imobiliário no exterior – com rendimentos que chegam a 9% ao ano.

É o caso da Bricksave, plataforma de crowdfunding imobiliário mundial, que já conta com mais de 100 imóveis distribuídos em cidades como Miami, Chicago, Detroit, Viena, Barcelona e Lisboa. Após um ano de início das operações no Brasil, o foco está na venda de imóveis individuais a serem adquiridos por compradores e, em breve, a partir da obtenção das autorizações regulatórias necessárias, expandir localmente seu modelo de negócios para o crowdfunding.

Em 2021, a proptech ultrapassou 100 imóveis e US$ 10 milhões sob gestão, uma grande meta alcançada para recompensar a confiança do investidor. Este crescimento sustentado responde à automatização e transparência dos processos, que incluem atendimento personalizado e serviços-chave na mão de profissionais com experiência em empresas como JP Morgan e Citibank. Com mais de 6 mil usuários registrados de 19 nacionalidades diferentes, a plataforma registra taxa de reinvestimento em torno de 70%.

Os bons números demonstram que a democratização do mercado imobiliário é uma realidade, onde as proptechs são o caminho para um investimento acessível, descomplicado e transparente.

* Sofía Gancedo é COO da Bricksave e licenciada em Administração de Empresas pela Universidade de San Andrés e mestre em Economia pela Eseade.

Para mais informações sobre Investidores clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Bricksave



Startups de energia, “enertechs” levam inovação e inclusão ao setor de renováveis

Em 2021, o Brasil foi o quarto país com maior crescimento em energia solar.

Startups de energia, “enertechs” levam inovação e inclusão ao setor de renováveis

Startup de educação cresce 157% e oferece vagas de trabalho em diversas áreas

SWA, do Paraná, desenvolve softwares acadêmicos e ampliará a equipe em 25%.

Startup de educação cresce 157% e oferece vagas de trabalho em diversas áreas

Qual o papel dos investidores na hora de avançar o negócio para outro país?

Discussões sobre a importância de internacionalizar startups têm se tornado assunto frequente nos últimos anos.

Qual o papel dos investidores na hora de avançar o negócio para outro país?

Dez startups mineiras seguem para a etapa de mentorias do Capital Empreendedor

Empresas vão receber orientações personalizadas para melhorias e adequações no modelo de negócios e outros processos.


15 startups japonesas buscam oportunidades para emplacar negócios e parceiros no Brasil

Selecionadas pelo ScaleUp in Brazil, startups são das áreas de energia, tecnologia limpa, agritech, fintech, healtech.

15 startups japonesas buscam oportunidades para emplacar negócios e parceiros no Brasil

Startups trazem inovação e transformam o setor automotivo

De acordo com o Google, mais de 90% das pessoas iniciam a sua busca pelo seu novo automóvel a partir de pesquisas na internet.

Startups trazem inovação e transformam o setor automotivo

Como a chegada do 5G deve impactar startups no Brasil

A expectativa é que a tecnologia ofereça velocidade de conexão até 10 vezes mais rápida que a 4G.

Como a chegada do 5G deve impactar startups no Brasil

Demissões em startups: vale a pena buscar um emprego nessas empresas?

Startup mineira Price Survey anuncia expansão para sete países

Especializada em pesquisa de mercado, empresa quebra fronteira e atuará no segmento de bebidas em nove cidades internacionais.

Startup mineira Price Survey anuncia expansão para sete países

Startup lança solução para criação de anúncios com filtro de realidade aumentada

Com a nova ferramenta, marcas como a Hyundai tem acesso a inteligência, design e desempenho de publicidade em AR.

Startup lança solução para criação de anúncios com filtro de realidade aumentada

Startup lança selo de impacto social que reconhece profissionais e empresas tech

Selo premiará os profissionais e empresas que mais investiram em educação e contratação de talentos de tecnologia.

Startup lança selo de impacto social que reconhece profissionais e empresas tech

App de alimentação para centros universitários é criado no CEUB

Para eliminar filas, estudantes criam sistema digital de "encomenda" de refeições para o intervalo das aulas

App de alimentação para centros universitários é criado no CEUB