Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Os modelos de negócios inovadores

Os modelos de negócios inovadores

30/01/2020 Marília Cardoso

O que a queda das empresas de patinete nos ensina sobre modelos de negócios inovadores?

A Grow Mobility, empresa de aluguel de bicicletas e patinetes elétricos resultado da fusão entre a Yellow e a Grin, anunciou o encerramento de suas operações em 14 cidades brasileiras.

Capitais como Belo Horizonte, Brasília, Florianópolis, Goiânia, Porto Alegre e Vitória, além de grandes cidades, como Guarapari e Vila Velha, no Espírito Santo, e Campinas, São Vicente, Santos e São José dos Campos, em São Paulo, não terão mais esses meios de transporte espalhados por suas ruas.

O anúncio aconteceu apenas duas semanas após a concorrente Lime declarar que deixaria de atuar na América Latina, interrompendo a operação em 12 cidades que não davam lucro. Entre as brasileiras, estão São Paulo e Rio de Janeiro.

Segundo o site Tecnoblog, empresas como Bird, Scoot e Lyft, que não atuam no Brasil, também deixaram de operar em alguns mercados pelo mundo e demitiram funcionários. 

Na Grow, a justificativa é a de um processo de reestruturação e ajuste operacional. A meta para 2020 é aperfeiçoar a oferta de seus serviços nas cidades em que atua e expandir suas operações com responsabilidade.

De acordo com informações da empresa ao Mobile Time, “a eficiência econômica é um dos desafios da empresa”, que tem atuação em sete países na América Latina e chegou a 20 milhões de corridas em novembro de 2019.

Segundo o jornal O Estado de São Paulo, a empresa - que queria se tornar um unicórnio - sofreu nos últimos meses com falta de capital, disputas de poder, questões regulatórias e o alto custo das viagens em patinetes, de R$ 8 para cada dez minutos.

Ainda segundo o jornal, havia expectativa de uma nova rodada de aportes. Em abril, a startup negociava investimentos de US$ 150 milhões liderados pelo grupo japonês SoftBank, mas a negociação não foi adiante e a Grow teria ficado com o caixa prejudicado.

O caso nos leva a refletir sobre o sucesso repentino e apoteótico de alguns modelos de negócios inovadores.

Embora o movimento de startups milionárias ainda seja um feito novo, casos como o da Grow, Uber e WeWork demonstram que a farra de empresas baseadas em uma única ideia, pautada em tecnologia e financiada quase que exclusivamente por aportes financeiros, pode já estar chegando ao fim.

De boas ideias o mundo está cheio. O que precisamos de verdade é de ideias que causem impacto dentro de modelos de negócios auto sustentáveis.

Já prevendo a euforia exacerbada em torno das startups, a ISO - Organização Internacional de Normalização, instituição sem fins lucrativos sediada na Suíça, vem estudando os rumos da inovação desde 2008.

Após 11 anos de uma verdadeira imersão nesse universo de profundas e rápidas transformações advindas das tecnologias exponenciais, a instituição lançou uma norma de gestão da inovação, a ISO 56.002, que foi publicada no exterior em julho de 2019 e tem previsão de publicação no Brasil para março de 2020.

A norma é de diretrizes e não de requisitos, ou seja, ela aponta caminhos, mas entende que não há uma receita única para todas as empresas.

Baseada em oito pilares - abordagem por processos, liderança com foco no futuro, gestão de insights, direção estratégica, resiliência e adaptabilidade, geração de valor, cultura adaptativa e gestão das incertezas - a ISO 56.002 defende que uma inovação pode ser um produto, serviço, processo, modelo, método ou a combinação de qualquer uma delas.

Contudo, o conceito de inovação é caracterizado por novidade e valor. Em suma, isso significa que “idéias sem a manifestação de valor não são inovações e sim invenções”.

Olhando para os aspectos da norma, a Grow falhou ao lançar um novo modelo de negócio, disruptivo, mas com baixa capacidade de crescimento sustentado e viabilidade econômica.

E, ela não é a única. Vários casos de empresas que ocuparam boa parte das capas de revistas começam a dar sinais de problemas operacionais e processuais.

É preciso inovar sempre, mas levando em consideração que uma empresa de sucesso demanda um casamento perfeito entre propósito e lucro.

Afinal, investidores não vão sustentar empresas ineficientes por muito tempo. Inovação nada mais é do que a criatividade emitindo nota fiscal!

* Marília Cardoso é sócia-fundadora da PALAS.

Fonte: InformaMídia



Sebrae aproxima startups e empresas inovadoras de investidores

Programa Capital Empreendedor 2022 está com inscrições abertas até o dia 15 de maio


Fintech especializada em cashback agora passa oferecer conta digital

Startup que atuava apenas como aplicativo de recompensas em cashback investe no desenvolvimento de novos recursos para realizar transações financeiras na plataforma.

Fintech especializada em cashback agora passa oferecer conta digital

Startup mineira discute tendências tecnológicas do mercado de comércio conversacional

Evento de Take Blip acontece no dia 18 de maio, em São Paulo, e contará com painéis da META, Nestlé, Mercado Pago, Riachuelo e outras grandes empresas.


Startup leva a educação do futuro para as escolas

Programa idealizado pela StarHire365 leva as competências e habilidades fundamentais do século XXI para a grade curricular do ensino fundamental

Startup leva a educação do futuro para as escolas

Startup gera economia de mais de R$ 2 milhões na conta de energia dos mineiros em 2021

Evolua Energia contribuiu diretamente para a preservação de mais de 20 mil litros de água, 840 kg de madeira, redução de 140 toneladas de emissão de carbono e 140 kg de lixo.

Startup gera economia de mais de R$ 2 milhões na conta de energia dos mineiros em 2021


Startup cria tecnologia que ajuda a driblar alta de preços nos combustíveis

Ferramenta conduz melhor a gestão de frotas, tornando-a mais eficiente - e mais barata.

Startup cria tecnologia que ajuda a driblar alta de preços nos combustíveis

Yamaha Motor lidera rodada de investimento na startup ARPAC

ARPAC desenvolve e opera drones para monitoramento de sanidade de lavouras.

Yamaha Motor lidera rodada de investimento na startup ARPAC

Startup do agronegócio desenvolve diagnósticos biológicos do solo usando IA

A empresa está em busca do seu primeiro investimento depois de passar por programa de aceleração da Bluefields.


3 Startups que estão revolucionando o marketing

Seja qual for a área de atuação de uma empresa, o marketing é extremamente importante para garantir o seu sucesso e crescimento.


Startup cresce 75% com tecnologia para seleção e recrutamento

Com velocidade de startup, curitibana Selecty lança versão 4.0, pivota modelo de negócios e já colhe bons resultados.

Startup cresce 75% com tecnologia para seleção e recrutamento

Startup CertifiCafé conecta produtores com o mercado para atrair investidores

Única startup brasileira que faz parte do Sustainable Coffee Challenge, Certificafé é destaque no portfólio da NovoAgro Ventures.