Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A mobilidade urbana no Brasil pós-pandemia

A mobilidade urbana no Brasil pós-pandemia

03/06/2020 Marcelo Nunes

Ainda é difícil prever quando a sociedade vai retornar ao estado de normalidade pré-pandemia de Covid-19.

A mobilidade urbana no Brasil pós-pandemia

Aliás, é impossível prever qual será esse "novo normal", depois de todas as mudanças a que fomos obrigados a nos adaptar nesse período de pandemia. Aprendemos novas possibilidades de trabalho, de consumo, de cuidados, de interação e relacionamento. Fomos forçados a ampliar conhecimentos, adquirir novas habilidades, usar criatividade e aplicar o senso de urgência.

Apontada como um dos maiores gargalos de grandes e médios centros, a falta de mobilidade urbana é um dos aspectos que pode (e precisa) ser repensada para o Brasil pós-pandemia. A imobilidade atrasa o desenvolvimento do País e "rouba" cerca de 127 minutos diários do brasileiro - tempo médio que é gasto com os deslocamentos do dia a dia, segundo pesquisa divulgada em 2019 pela Ipsos e a 99.

Um dos caminhos para equacionar a questão da mobilidade passa pela reorganização do fluxo de pessoas nas metrópoles e megalópoles e, consequentemente, por mudanças nas relações de trabalho. E isso tem relação direta no modo com que as pessoas vão se comportar depois da crise.

A pandemia acabou acelerando um processo que caminhava a passos ainda lentos no universo corporativo: o trabalho remoto. Muitas empresas se viram obrigadas a realizar verdadeiras operações de guerra para adequar parte das atividades ao modelo de home office. Este movimento precisou ser rápido e nem está sendo fácil, mas está acontecendo, apesar de ainda precisarmos de melhorias na infraestrutura de internet e de conseguirmos disciplina para execução do trabalho em casa.

Isso está acontecendo, e precisará continuar depois da pandemia - ou corremos o risco de quebrar recordes de engarrafamento nas cidades. Afinal, é razoável pensar que após uma pandemia com as características de contágio da Covid-19 haja maior adesão aos meios individuais de transporte em detrimento de modais coletivos, como ônibus, metrô e trem, entre outros. Inúmeros estudos já apontam essa tendência.

Isso não significa que a adoção do home office será a panaceia para a mobilidade e nem vai se transformar em regra no mundo corporativo, mas, com certeza, esse modelo de trabalho terá de ser uma opção utilizada em maior escala. E isso deve acontecer, segundo aponta uma pesquisa da Fundação Dom Cabral, que apurou que mais de 70% das empresas de todos os setores da economia pretendem continuar adotando o trabalho remoto total ou parcialmente após a crise. A produtividade será reavaliada, considerando deslocamentos e viagens.

E essa discussão sobre o home office não se aplica apenas à iniciativa privada. Na esfera pública já existe uma maior mobilização em torno deste tema. No Judiciário, por exemplo, a adoção do trabalho remoto já é discutida como uma opção para aumentar a produtividade e diminuir custos operacionais. O próprio STF mostrou que isso é possível ao realizar sua primeira sessão plenária por videoconferência.

O meio termo em relação à implementação do home office pode ser o chamado expediente em rodízio, em que pequenos grupos de funcionários vão se alternando entre trabalho remoto e presença no escritório, evitando qualquer tipo de aglomerações de pessoas num mesmo local, evitando a lotação do transporte público e contribuindo de forma proativa para diminuir os índices diários de congestionamento.

Nos casos das atividades em que o trabalho remoto não se aplica, como comércio físico ou entregas de produtos, por exemplo, o funcionamento em horários flexíveis pode ser uma das alternativas para descomplicar a circulação de pessoas e veículos. 

Mudanças de paradigma desse porte são ousadas, mas precisam estar nos planos de retomada das atividades tanto na iniciativa privada como no setor público. O rompimento com modelos antigos é nossa chance de transformar positivamente a questão da mobilidade urbana e, por extensão, a vida das pessoas nas grandes e médias cidades.

Passar por crises é obrigatoriamente transformador. Deixamos de lado travas, inseguranças, arriscamos e inovamos mais. Isso nos move. É preciso repensar os negócios. Depende de análise, adaptação e atuação rápidas. Fazer melhor, pelos nossos clientes, pelas pessoas e pela sociedade.

* Marcelo Nunes, CEO do Grupo PareBem

Fonte: FleishmanHillard



O atual cenário do setor de transportes na logística

Nos últimos anos, as empresas de transportes estão enfrentando turbulências provocadas por instabilidades econômicas, sociais ou até mesmo políticas.

O atual cenário do setor de transportes na logística

Home office alivia o peso do preço do combustível

As empresas e os trabalhadores aprenderam nos últimos anos como tornar o home office eficaz e funciona.

Home office alivia o peso do preço do combustível

Começou ruim, mas com boas perspectivas para melhorar

Esse primeiro semestre de 2022 foi de causar arrepios em toda cadeia automotiva.

Começou ruim, mas com boas perspectivas para melhorar

Produção de motocicletas aumenta 18% no primeiro semestre de 2022

Segundo a Abraciclo, a categoria mais vendida foi a de uso em cidades.

Produção de motocicletas aumenta 18% no primeiro semestre de 2022

Vendas de veículos caem 4,8% em junho, diz Anfavea

Produção recua 1,1% e exportação cresce 2,7%.

Vendas de veículos caem 4,8% em junho, diz Anfavea

Comprar ou alugar carro: o que vale mais a pena?

Especialista ajuda a decidir qual a melhor opção no atual momento da economia brasileira.

Comprar ou alugar carro: o que vale mais a pena?

Frota própria, transportadora e/ou primarização logística?

Era uma vez, um fazendeiro que vivia no litoral e tinha dificuldades de encontrar empregados.

Frota própria, transportadora e/ou primarização logística?

Nova pesquisa: escassez de motoristas aumenta, devendo saltar até 40% em 2022

A escassez crônica de motoristas comerciais está piorando, com milhões de vagas ainda não preenchidas


Por que as baterias trabalham mais no inverno?

As baterias são mais exigidas em temperaturas baixas.

Por que as baterias trabalham mais no inverno?

BB reduz taxa para financiamento de carro híbrido e elétrico

Medida pretende incentivar a compra de carros sustentáveis.

BB reduz taxa para financiamento de carro híbrido e elétrico

Emplacamento de veículos sobe 25,09% em maio, diz Fenabrave

Automóveis e comerciais leves têm alta de 27,15% e são destaque.

Emplacamento de veículos sobe 25,09% em maio, diz Fenabrave

Cartilha dá dicas para turistas em viagens de carro

Publicação também aborda direitos do consumidor durante a viagem.

Cartilha dá dicas para turistas em viagens de carro