Portal O Debate
Grupo WhatsApp

É preciso melhorar o transporte da informação e da reflexão

É preciso melhorar o transporte da informação e da reflexão

23/04/2020 Marcos Villela Hochreiter

Uma licença para falar de comunicação em tempo de pandemia, que tem a ver com o transporte das palavras, das ideias e da reflexão.

É preciso melhorar o transporte da informação e da reflexão

Saber comunicação pode ser dom, competência ou qualquer definição que queira dar. Vamos nos focar aos resultados dela.

Sabemos que a boa comunicação com honestidade gera bons resultados a curto e longo prazo. A boa comunicação sem honestidade gera bons resultados no curto prazo e um desastre a médio e longo prazo. Já a má comunicação não gera resultado nenhum, independentemente do seu conteúdo. O resultado é como um navio ou um trem desgovernado, a sorte e a conduta dos que deveriam ser os receptores da informação vão ditar o resultado.

As falhas de comunicação de vários governantes brasileiros, com algumas exceções, têm feito a população não entender as oportunidades que existem na quarentena. O egoísmo, autoritarismo e politização têm predominado. Só escutamos dos políticos, de qualquer ideologia, duas preocupações: saturação do sistema de saúde, pois está frágil há anos, e o desemprego que poderá ter um custo eleitoral em 2022 e, ambos personagens, em lados opostos.

Exemplo de onde comunicação e seriedade fluem

A quarentena é muito mais do que isso, porém, faltam políticos, como a Ângela Merkel, chanceler da Alemanha, que tem comunicação direta, objetivo e com boas intenções e administra um país  que, além de ter um sistema de saúde estruturado, governo e oposição trabalham para um objetivo comum, a saúde de seus cidadãos. Até às 6h55 do dia 22 de abril, a Alemanha contabilizava 148.453 contaminados e 104.486 casos fechados, sendo 99.400 pessoas recuperadas (95%) e 5.086 mortas (5%).

Os dados da Alemanha, segundo o maior site de dados do mundo sobre populações, o Worldometer, mostram que o país testa seus cidadãos desde o início da pandemia e hoje a média de teste é de 20.629 cidadãos por 1 milhão de habitantes. Um índice de morte de 59 mortes por um milhão de habitantes. Para se ter ideia, na Espanha são 455; Itália, 408; e países com grandes populações, como Estados Unidos (há maior diluição do número), são 132; e Brasil, são “apenas” 12, mas o número por outras doenças, como insuficiência respiratória, pneumonia, cardíacas, entre outras, quintuplicaram. Um país que, até o momento, até o momento, testa 1.373 habitantes por 1 milhão (até uma semana atrás era 296), ainda não tem dados para serem analisados, portanto, só chutes e adivinhações, e resultado da nossa baixa capacidade de testar. Isto é resultado do baixo investimento do Brasil em pesquisas. Segundo dados da última pesquisa de Indicadores Nacionais de Ciência, Tecnologia e Inovação, de 2018, o Brasil investiu 1,26% do PIB em pesquisa e desenvolvimento (P&D) em 2017. O valor fica bem abaixo de países que lideram a corrida tecnológica – como Coreia do Sul (4,55%), Japão (3,21%), Alemanha (3%), Estados Unidos (2,79%) e China (2,15%).

Segundo a Associação de Hospitais da Alemanha (DKG na sigla alemã), o país já tinha o maior número de leitos per capita do mundo. Em fevereiro, tinha 28 mil leitos de UTI e hoje tem mais de 40 mil leitos de UTI com ventiladores, estando 10 mil ainda vazios. E, ao contrário do título de uma matéria veiculada pelo jornal “Estado de S. Paulo” no dia 19 de abril — “Na Alemanha, sobram leitos e faltam pacientes” —, a chanceler Ângela Merkel disse que não, “já temos pacientes e mortes demais, só estamos preparados para atender nossos cidadãos, porque sabemos que a pandemia ainda não está controlada. Na melhor todas hipóteses, se uma melhor solução não aparecer antes, é que todos os leitos estarão ocupados em outubro”.

Hora de ter estratégia

A quarentena não será possível por muitos meses, mas é um tempo estratégico. Mas o quanto antes a população entender qual a importância do aprendizado e das mudanças de comportamento para vencer esta guerra, mais curto o período poderá ser. E mais seguro será o retorno às atividades profissionais.

Este período é importante para reduzir o índice de contaminados e, consequentemente, de doentes, saturação do sistema de saúde e mortalidade. E para os trabalhadores, como os caminhoneiros, médicos, enfermeiros e muitos outros trabalharem com mais segurança. Neste ponto, pela falha de comunicação e, consequentemente a capacidade de conscientizar a população, corremos o risco de perder a guerra contra o novo coronavírus. Se não você individualmente, alguém próximo a você já teve ter perdido esta guerra ou perderá nos próximos dias. 

A quarentena está sendo um período de reflexão, aquisição de conhecimento, tempo para cientistas darem dicas de como nos comportar, até de aprender a lavar as mãos, um hábito que não era generalizado. É o tempo de aprender a usar uma máscara, de saber o que é prioridade, de aprender ser solidário. Tempo é o que mais precisamos agora antes de continuarmos uma vida desregrada.

Tire o melhor proveito da quarentena

Quem sabe escolher suas fontes de informação está aprendendo qual a importância e como melhorar a imunidade e o conhecimento. É um período de muita tristeza pelas perdas, mas também de muito aprendizado. Vamos mudar com este aprendizado?

A história mostra que pandemias existem há séculos, graves como atual se repete a cada 100 anos. Por que ignoramos o que quiseram nos ensinar entre 1918 e 1919? Recomendo muito a leitura da crônica do escritor Nelson Rodrigues sobre a Gripe Espanhola de 1918 e o Carnaval de 1919 publicada originalmente no jornal “Correio da Manhã” em 1967. É possível encontrá-la nos buscadores da internet.

O que mais me entristece nesta pandemia é ver que a maioria das pessoas, principalmente aquelas com poder de decisões nas políticas públicas, não terem aprendido com o passado. Os alertas de uma possível pandemia vêm sendo dados por diversos cientistas. Até empresários mais humanitários entre outras pessoas espiritualistas já falavam da possibilidade dela há alguns anos.  

Agora é torcer para a sorte estar do nosso lado, que os empresários do bem não desistam, que os amigos estejam próximos e, que alguns políticos, tenham luz para melhorar a condução do futuro desta Nação. E, se o sistema de saúde que já estava em quase colapso e agora está em colapso em algumas cidades, terá companhia do sistema jurídico que já não ia muito bem e pode ser sobrecarregado de ações judiciais. Ele entrará em colapso se as pessoas forem brigar por qualquer coisa. Fé e esperança continuam valendo!



Pedágio sem cancela: “freeflow” de Minas Gerais já está em operação

Sistema permite identificar a placa e as características do veículo sem que o motorista precise parar.

Autor: Divulgação

Pedágio sem cancela: “freeflow” de Minas Gerais já está em operação

BYD apresenta nova tecnologia para veículos híbridos que fazem 34,5 km/l

A evolução dos veículos elétricos está acontecendo de maneira surpreendentemente rápida, superando até mesmo o ritmo de inovação dos smartphones.

Autor: Marcos Villela Hochreiter

BYD apresenta nova tecnologia para veículos híbridos que fazem 34,5 km/l

Acidentes de trânsito, um problema de saúde pública

Além do impacto emocional devastador para as famílias afetadas, os acidentes de trânsito representam um ônus econômico gigantesco.

Autor: Thiago Cassi Bobato

Acidentes de trânsito, um problema de saúde pública

Marcopolo Rail apresenta a nova solução para mobilidade pública: Prosper VLT Hybrid

A fabricante gaúcha apresenta o Prosper VLT Hybrid, uma solução sustentável para transporte urbano e intercidades. No Seminário VLT em São Paulo, destacando eficiência e versatilidade com motores diesel e elétrico.

Autor: Marcos Villela Hochreiter

Marcopolo Rail apresenta a nova solução para mobilidade pública: Prosper VLT Hybrid

Desafios do gerenciamento de riscos logísticos no Brasil

O Brasil, um gigante econômico e territorial, enfrenta desafios significativos no gerenciamento eficaz do transporte de cargas.

Autor: Marcio Lira


Da crise do álcool ao boom dos veículos elétricos: uma jornada automotiva brasileira

Só quem tem a minha idade sabe o que foi viver sem energia para a mobilidade.

Autor: Marcos Villela Hochreiter

Da crise do álcool ao boom dos veículos elétricos: uma jornada automotiva brasileira

A Iveco Brasil versus Iveco Bus Europa: entenda as razões para tantas diferenças

Um dos ensinamentos em comunicação: se você não se explica, você dá asas para a imaginação, e pior, para os concorrentes.

Autor: Marcos Villela Hochreiter

A Iveco Brasil versus Iveco Bus Europa: entenda as razões para tantas diferenças

Critérios para escolher o reparador de tanques do seu veículo

Na área de manutenção de veículos e equipamentos industriais, os tanques de combustível frequentemente enfrentam desgaste, vazamentos e corrosão.

Autor: Divulgação

Critérios para escolher o reparador de tanques do seu veículo

Automóveis elétricos: desafios e perspectivas para as locadoras

O cenário atual da mobilidade elétrica no Brasil apresenta um paradoxo intrigante.

Autor: Marcos Villela Hochreiter

Automóveis elétricos: desafios e perspectivas para as locadoras

Combustíveis, a nova Meca dos investidores

Um dos setores mais rentáveis é o de energia e combustíveis, que movimenta trilhões de dólares em todo mundo.

Autor: Cleiton Santos Santana

Combustíveis, a nova Meca dos investidores

Identificação correta dos amortecedores evita erro de aplicação

Existem amortecedores que são semelhantes na parte externa, no entanto, bem diferentes internamente e exige atenção na hora de aplicar a peça no veículo.

Autor: Divulgação

Identificação correta dos amortecedores evita erro de aplicação

Como funcionam as pastilhas de freio: causas do desgaste prematuro

Desgaste natural do material de atrito da pastilha varia de intensidade se o condutor costuma frear de forma brusca ou leve.

Autor: Divulgação

Como funcionam as pastilhas de freio: causas do desgaste prematuro