Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Novos rumos para os aeroportos

Novos rumos para os aeroportos

11/11/2019 Shailon Ian

Os investimentos em infraestrutura são fundamentais para o desenvolvimento econômico brasileiro nos próximos anos.

Novos rumos para os aeroportos

O setor aeroportuário também precisa de pesados investimentos para continuar sua expansão. O cenário da indústria aeronáutica projeta forte crescimento nas próximas décadas e os atuais aeroportos precisam ampliar sua capacidade de atendimento para atender um novo panorama que se vislumbra no futuro e evitar gargalos que já enfrentamos no passado.

Em 2018, o mercado aéreo brasileiro retomou a expansão do número de decolagens, que estava em queda desde 2013. Os indicadores positivos mostram que os mercados doméstico e internacional responderam por 967 voos regulares e não regulares, uma alta de 2,8% com relação a 2017, segundo dados da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil). No ano passado, 117,6 milhões de passageiros passaram pelos aeroportos brasileiros para embarcar nos voos domésticos e internacionais, sendo essa a segunda maior marca da série.

Estudo elaborado pela Iata (Associação Internacional de Transporte Aéreo) revela que a indústria aérea deverá duplicar de tamanho dentro de 20 anos, contribuindo com US$ 38,7 bilhões para o PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro até 2037 e criando 1,4 milhão de empregos. Para se ter uma comparação, em 2017, o setor empregava 838,7 mil trabalhadores e contribuiu com US$ 18,8 bilhões para o PIB. Um potencial que não podemos deixar de aproveitar.

O mercado brasileiro de aviação civil é o terceiro do mundo, superado apenas pelos gigantescos movimentos dos EUA e China. A chegada das companhias aéreas low cost devem acelerar a oferta de passagens aéreas tanto para viagens nacionais quanto para as internacionais. Elas trazem para o nosso mercado uma tendência mundial, fazendo do modal aéreo uma opção atrativa para a grande maioria dos passageiros.

O Ministério da Infraestrutura prevê fazer concessões dos aeroportos brasileiros até 2022. A modalidade permitirá aos terminais brasileiros receber investimentos na ordem de R$ 10,3 bilhões das empresas privadas, que ficarão responsáveis por obras e prestação de serviços dessas unidades. A entrada dessas corporações vem atender a uma demanda que o governo tem dificuldades de responder diante da atual situação econômica.

Assim, o país avança um passo importante para resolver os gargalos que dificultam a expansão de um dos mais importantes serviços para a população brasileira. A entrada da iniciativa privada nesse setor – seja pela modalidade da PPP (Parceria Público Privada), concessão, ou outro instrumento – vai contribuir para a estruturação de um mercado saudável e com infraestrutura com modernas tecnologias, trazendo para o país avanços já alcançados em aeroportos internacionais.

O fortalecimento da aviação comercial brasileira tem potencial para criar milhares de empregos em todas as regiões do país. Com o crescimento da oferta de voos, promovemos a expansão do turismo, ampliamos as possibilidades de negócios e aumentamos a oferta de um transporte reconhecido por reduzir o tempo das viagens. A indústria da aviação comercial é ferramenta essencial para um país tão continental como o Brasil. É um novo rumo para novos avanços com grande potencial econômico.

* Shailon Ian é engenheiro, CEO da Vinci Aeronáutica e fundador do Centro de Treinamento Online em Aviação Civil Vinci Ideas.

Ex-Libris Comunicação Integrada



Air Europa assina acordo de codeshare com GOL

Air Europa voará de São Paulo, Recife, Salvador e Fortaleza para outras 20 cidades do Brasil, com base na aliança efetivada com a companhia aérea brasileira.

Air Europa assina acordo de codeshare com GOL

Para fazer certo na primeira vez

O País não terá fabricação significativa de carros elétricos ou autônomos em breve.

Para fazer certo na primeira vez

Primeiras entregas de medicamentos usando drones acontecem nos EUA

Órgão regulador dos Estados Unidos aprovou as primeiras entregas através de voos automáticos.

Primeiras entregas de medicamentos usando drones acontecem nos EUA

A oportunidade Rota 2030

O Rota 2030 impulsionará a indústria brasileira, que está intimamente ligada à tecnologia de materiais.

A oportunidade Rota 2030

Volvo inicia vendas de caminhões elétricos para transporte urbano na Europa

As vendas iniciarão na Suécia, Noruega, Alemanha, Suíça, França e Países Baixos.

Volvo inicia vendas de caminhões elétricos para transporte urbano na Europa

Produção de veículos cresce 16,6% em outubro, divulga Anfavea

Nos primeiros dez meses do ano, foram produzidos 2,55 milhões de veículos, um aumento de 3,6% em relação ao mesmo preiodo do ano passado.

Produção de veículos cresce 16,6% em outubro, divulga Anfavea

Carros autônomos serão aliados na administração das cidades

Tecnologias desenvolvidas para criar carros autônomos podem coletar dados de grande utilidade para a implantação de políticas públicas de mobilidade e até zeladoria urbana.

Carros autônomos serão aliados na administração das cidades

Bombas de combustíveis terão certificação digital a partir de dezembro

Tesla ultrapassa GM como montadora mais valiosa dos EUA

Aconteceu. Nesta semana, a Tesla, montadora de carros elétricos criada em 2003, ultrapassou a centenária General Motors em valor de mercado.

Tesla ultrapassa GM como montadora mais valiosa dos EUA

Rota 2030, híbridos e novos motores

A Toyota lança o primeiro veículo híbrido com motor flex do mundo.


Falta de concorrência prejudica qualidade do asfalto no país, diz CNT

Estudo mostra os impactos da qualidade do asfalto sobre o transporte rodoviário.

Falta de concorrência prejudica qualidade do asfalto no país, diz CNT

Número de pontos críticos nas rodovias aumenta em 75,6%

Pesquisa da CNT analisa mais de 108 mil km de rodovias em todo país.

Número de pontos críticos nas rodovias aumenta em 75,6%