Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O Programa BR do Mar

O Programa BR do Mar

11/11/2021 Najla Buhatem Maluf

A infraestrutura, o transporte e a logística são imprescindíveis para o desenvolvimento de qualquer país e seu comércio exterior.

O Programa BR do Mar

No entanto, há a necessidade de integração entre todos os modais: marítimo, ferroviário, terrestre e aeroviário.

O Brasil com sua dimensão continental e, aproximadamente 8 mil km de costa, tem como primordial o modal marítimo, com 95% do comércio exterior passando pelos portos.

No entanto, apenas 11% da carga total de transporte dentro do território brasileiro é feito por meio da cabotagem, que é o transporte de cargas por meio marítimo de um porto a outro no mesmo país. Os outros 89% são feitos por transportes ferroviários e terrestres.

Encontra-se em trâmite no Senado Federal, o Projeto de Lei (PL) 4.199/2020, que estimula e amplia a cabotagem, também conhecido como o programa BR do Mar, que tem por um de seus objetivos, equilibrar a matriz de transportes.

Além disso, o texto promete reduzir o ICMS do bunker (combustível dos navios da cabotagem) e também aumentar a concorrência com maior oferta de embarcações, minimizando os custos, tempo de trânsito e riscos existentes no modal rodoviário.

A importância do transporte marítimo para o país é enorme, pois além de 95% do comércio exterior ser feito por via marítima, vale notar que 80% das cargas movimentadas mundialmente é por este modal.

Merece atenção também, investimentos no transporte hidroviário, que no Brasil não é dado a devida importância. São 44 mil km de vias navegáveis, dos quais menos de 30% da malha é utilizada, mesmo apresentando capacidade para transportar mais volumes e ter custos menores em relação a outros modais.

As regiões produtoras incluindo o Centro-Oeste, terão a ganhar com uma matriz mais equilibrada, considerando a expansão do agronegócio, que é também um dos pilares do BR do Mar.

Além disso, o programa contempla outros benefícios como a possibilidade de docagem em estaleiros brasileiros, para reparos e proporcionar o aumento da vida útil das embarcações.

O PL, apresenta alguns pontos controversos para as empresas que operam na cabotagem quando indica a possibilidade de serem constituidas EBNs (empresas brasileiras de navegação) sem que tenham embarcação própria, conforme é exigido na Lei 9.432/1997.

Outro item é a obrigatoriedade do emprego de mão de obra em navios estrangeiros. Há proposta de que seja aplicado ao texto a composição de um terço da tripulação por brasileiros e não, de dois terços como previsto inicialmente, seguindo as regras trabalhistas do país. 

Está previsto também o afretamento de navios a Tempo ou a Casco Nu. A Tempo são os navios já equipados e em condições e a casco nu, aqueles em que não há tripulação. Ambos por tempo determinado.

No entanto, um estudo de 2019, realizado pelo Tribunal de Contas da União (TCU), aponta que é preciso melhorar a infraestrutura as políticas públicas e também, eliminar os gargalos para o desenvolvimento da cabotagem nacional como o excesso de burocracia, alta carga tributária, previsibilidade e regularidade nos transportes, vinculação na indústria de cabotagem e previsibilidade regulatória a longo prazo.

Considerando esses aspectos, o projeto de lei do programa BR do Mar visa a ampliação de ofertas de navios brasileiros e estrangeiros na cabotagem, o incentivo e a competitividade para serviços no modal marítimo. Além de maior equilíbrio na matriz de transportes, melhor distribuição de carga e custo.

O projeto de lei deverá ainda ser encaminhado para a Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ), pela Comissão de Agricultura e pela Comissão de Infraestrutura e Transportes e após isso será encaminhado para votação no plenário.

* Najla Buhatem Maluf é especialista em direito marítimo e comércio exterior, professora da Maritime Law Academy (MLaw) e sócia do Rachid Maluf Advs.

Para mais informações sobre comércio exterior clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Partners Comunicação



Aeroporto Regional do Vale do Aço retoma operações de voos comerciais

A volta das operações foi autorizada pela Anac após a conclusão das obras na pista de pouso e decolagem.

Aeroporto Regional do Vale do Aço retoma operações de voos comerciais

Lei que incentiva combustível sustentável na aviação é publicada

Objetivo é estimular pesquisa e produção de bioquerosene.

Lei que incentiva combustível sustentável na aviação é publicada

Fábrica de motos elétricas dobra número de postos de trabalho em Minas Gerais

A mobilidade elétrica não é mais o futuro das cidades. Ela já é o presente.

Fábrica de motos elétricas dobra número de postos de trabalho em Minas Gerais

Embarcadores apostam no caminhão a gás e Amazon compra 1.064 Iveco S-Way GNC

No Brasil há fabricantes de caminhões que não acreditam no gás como alternativa menos poluente em relação ao diesel.

Embarcadores apostam no caminhão a gás e Amazon compra 1.064 Iveco S-Way GNC

Setor automotivo tenta minimizar danos relacionados à escassez de matéria-prima

A indústria no Brasil está sofrendo com a falta de matérias-primas em diversos setores.

Setor automotivo tenta minimizar danos relacionados à escassez de matéria-prima

Engenheiro lança e-book sobre “Peças do Carro e Economia de Combustível”

Neste e-book, o motorista (iniciante ou não), vai encontrar informações valiosas.


Venda de veículos novos cai 17% em outubro, informa Fenabrave

Estoques estão baixos, e espera por alguns modelos pode demorar.

Venda de veículos novos cai 17% em outubro, informa Fenabrave

Derrapada irresponsável do Senado no marco das ferrovias

Foi um duro golpe para quem defende o resgate do sistema ferroviário nacional.

Derrapada irresponsável do Senado no marco das ferrovias

Infraestrutura de transporte pode receber R$23,5 bi de investimentos

Com o investimento privado, será possível reduzir em até 35% o valor do pedágio.

Infraestrutura de transporte pode receber R$23,5 bi de investimentos

Cinco mil quilômetros de ferrovias que dependem do Senado

A ferrovia foi grande indutora do desenvolvimento brasileiro que, na primeira metade do século passado, se deu nas regiões mais próximas ao litoral.

Cinco mil quilômetros de ferrovias que dependem do Senado

Infraero entrega Aeroporto de Uberlândia modernizado

Foram investidos R$ 29,75 milhões, com recursos oriundos do Fundo Nacional de Aviação Civil (Fnac).

Infraero entrega Aeroporto de Uberlândia modernizado

Mais competitividade para a aviação

No momento da retomada, ANP amplia escopo do querosene de aviação no país; para especialista, medida era um pleito do setor e trará melhores condições ao mercado.