Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O mistério da dor e da esperança de Maria

O mistério da dor e da esperança de Maria

16/09/2021 Padre Wagner Ferreira da Silva

Quem não se impressiona com a manifestação do amor dedicado de uma mãe ao cuidar de um filho doente, acamado, necessitado de consolo e amparo?

O mistério da dor e da esperança de Maria

Mesmo que a mãe, pela medicina, possa fazer muito pouco para a recuperação da saúde física do filho, ela se coloca ao lado dele sem medir esforços na tentativa de vê-lo recuperado, totalmente são e salvo. Em muitos casos, parece que, quanto mais grave for a doença do filho, mais a mãe se torna solícita em atenções de afeto, de presença, sem se preocupar consigo mesma, com o próprio descanso, a própria saúde. Sem dúvida, uma chama de esperança a encoraja, tornando-a crédula na cura do filho.

Sabemos que a esperança não decepciona, de modo que, entre lágrimas e preces a Deus, em determinado momento, chega a feliz notícia de que o filho se recuperou, pois, aquela grave doença foi superada. No entanto, em outros casos, aquela apreensão de não poder fazer muita coisa para curar o filho dá lugar à tristeza da perda. O quadro clínico do filho era bem grave e, inesperadamente, a mãe recebe a dilacerante notícia: “Fizemos de tudo, mamãe, mas seu filho, sua filha, não resistiu”.

Fatos assim dolorosos e outros alegremente confortantes me levaram a contemplar o mistério da dor e, ao mesmo tempo, da esperança da Virgem Maria, por ocasião da morte de seu filho Jesus, mistério este que a Igreja também celebra anualmente no dia 15 de setembro, na memória de Nossa Senhora das Dores, um dia após a celebração da festa da Exaltação da Santa Cruz. Como vice-reitor do Santuário do Pai das Misericórdias, cultivo a devoção à Virgem das Dores através da imagem de Nossa Senhora da Pietà, que fica ao lado do presbitério do Santuário. Uma imagem que representa o gesto materno da Virgem Maria, que acolhe em seus braços Jesus morto, em estreita comunhão com o mistério redentor de Cristo.

O texto do Evangelho, que a memória litúrgica de Nossa Senhora das Dores nos oferece, narra o momento no qual Jesus já está crucificado (cf. João 19,25-27). Por sua vez, Maria estava de pé, perto da cruz de Jesus com outras mulheres e o discípulo amado. Apesar de sua dilacerante dor por causa do sofrimento de Jesus, Maria ali estava, certamente, motivada pela fé na ressurreição do Senhor, que por algumas vezes o próprio Jesus havia anunciado. Eis o segredo da Mãe Dolorosa: fé na ressurreição de Cristo; e dessa graça decorre uma força que sustenta Maria naquele momento de sofrimento, onde “uma espada traspassou sua alma” (cf. Lucas 2, 34-35).

Na cruz, Jesus oferta o discípulo amado à Maria: “Este é o teu filho”; por sua vez, ele também oferta Maria ao discípulo amado: “Esta é a tua mãe”. Nesse mútuo e divino ofertório, Maria recebe a missão de expandir o dom de sua maternidade espiritual a todos aqueles que, pela fé, são discípulos de Cristo, principalmente, os sofredores. Ninguém escapa à solicitude da Mãe do Senhor, pois, em sua materna intercessão, temos a certeza que junto aos crucificados do mundo, aos sofredores e necessitados, sempre encontraremos a Virgem Maria, firme na fé, encorajando-nos à esperança, pois ela se manteve firme na fé e sabe muito bem que para Deus nada é impossível.

Aprendamos com a Mãe das Dores a enfrentar os sofrimentos da vida, a partir de gestos concretos de misericórdia com os que sofrem, e assim o bálsamo do amor de Deus despertará nos corações a esperança na vitória da vida sobre a morte.

* Padre Wagner Ferreira da Silva é missionário da Comunidade Canção Nova e vice-reitor do Santuário do Pai das Misericórdias.

Para mais informações sobre o Evangelho clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Fundação João Paulo II / Canção Nova



Mãe: Florescer é não se esquecer de viver!

Tenho experimentado que o “traço de mãe”, plantado por Deus no coração de cada mulher que Ele criou, vai além da capacidade de gerar filhos, biologicamente.

Mãe: Florescer é não se esquecer de viver!

Bullying: da vítima ao espectador

O bullying é um tipo particular de violência, caracterizado por agressões sistemáticas, repetitivas e intencionais, contra um ou mais indivíduos que se encontram em desigualdade de poder, gerando sofrimento para as vítimas, agressores e comunidade.


Minas mobiliza população para receber proteção contra sarampo e gripe

Ações para estimular a vacinação ocorrem em todo o estado, pois coberturas contra o sarampo e a gripe continuam baixas.

Minas mobiliza população para receber proteção contra sarampo e gripe

A esperança é o combustível da vida

A esperança corresponde à aspiração de felicidade existente no coração de cada pessoa.

A esperança é o combustível da vida

Amar a si mesmo como próximo

No documentário “Heal” (em Português, “Cura”), disponível no Amazon Prime, há um depoimento lancinante de Anita Moorjani, que, em Fevereiro de 2006 chegou ao final de uma luta de quatro anos contra o câncer.


O peso da improbidade no destino das pessoas

O homem já em tempos pré-históricos se reunia em volta das fogueiras onde foi aperfeiçoada a linguagem humana.


Terapia de estimulação cerebral profunda pode reduzir até 80% dos tremores causados pelo Parkinson

A cirurgia é um recurso muito importante e deve ser considerada para alguns pacientes.

Terapia de estimulação cerebral profunda pode reduzir até 80% dos tremores causados pelo Parkinson

A educação é o caminho da liberdade

O atendimento socioeducativo ao adolescente em conflito com a lei é um desafio e necessita de um olhar resiliente e reflexivo, visto que é considerado um momento oportuno de mudanças.


O Influenza também está no nosso foco

Falar em vacinação nos dias de hoje nos tende a remeter quase que exclusivamente ao combate à Covid-19.

O Influenza também está no nosso foco

A nova era da Telemedicina no Brasil

Alguns números atestam que as consultas virtuais estão sendo utilizadas cada vez mais no país.

A nova era da Telemedicina no Brasil

Para onde foram os nutrientes que estavam aqui?

A maioria das culturas vegetais são produzidas com a ajuda de solos fertilizados. O alto uso de fertilizantes nitrogenados tende a reduzir o teor de vitamina C em muitas frutas e hortaliças.


Transtornos psiquiátricos catalisados pelo luto de vítimas de COVID-19

Médico psiquiatra comenta a situação exclusiva de pessoas que perderam parentes queridos durante a pandemia. A ansiedade e o transtorno de humor são os mais prevalentes nesses casos.

Transtornos psiquiátricos catalisados pelo luto de vítimas de COVID-19