Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Calvície já teve lá seu glamour, mas hoje só afeta a autoestima

Calvície já teve lá seu glamour, mas hoje só afeta a autoestima

09/06/2024 ‌Melina Oliveira

Talvez você não saiba, mas já houve um tempo em que ser calvo não apenas era algo dissociado de uma doença capilar como ainda era sinônimo de status.

Calvície já teve lá seu glamour, mas hoje só afeta a autoestima

Em períodos remotos, como na Idade Média, a alopecia androgenética era sinônimo de divindade. Em comunidades como a dos eugenistas ao longo do século XIX, os indivíduos calvos eram quase que automaticamente identificados como pessoas dotadas de uma inteligência ímpar. Eram tratados como sábios intelectuais.

Entretanto, a escassez de uma base científica evidenciou que as crenças em torno da calvície não passavam de estigmas culturais. Hoje, o olhar sobre os calvos não é mais da forma romantizada de séculos atrás, como também não é demonizada como já fizeram ao longo das últimas décadas. O olhar, agora, é de preocupação científica. Paralelamente à resolução do problema da calvície, há um cuidado também em dar às pessoas calvas uma autoestima de que talvez elas nem se lembram que já tiveram.

E isto serve tanto para homens quanto para mulheres. Principalmente no que tange à quantidade de indivíduos que hoje convivem com a alopecia. Em 2022, a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) estimava que o país possuía uma população aproximada de 42 milhões de pessoas com a doença capilar, com um crescimento considerável entre jovens de 20 a 25 anos de idade. Já um levantamento da Sociedade Internacional de Cirurgia de Restauração Capilar (ISHRS), realizado também em 2022, aponta que as mulheres já correspondem a 40% dos pacientes em todo o mundo.

Ou seja: há um número cada vez maior de pessoas com calvície, e, surpreendentemente, com um crescimento elevado das estatísticas entre grupos considerados minoritários, para não dizer improváveis. Isso ajuda a explicar em parte o aumento de 152% no número de transplantes capilares em todo o mundo, somente entre 2010 e 2021. Mas também existe um fator importante para além da comunidade de pessoas com alopecia androgenética. Os tratamentos hoje são indiscutivelmente mais eficazes do que há 10 anos. Que dirá se comparado a 20, 30, 50 anos!

O que se havia antes eram tratamentos meramente paliativos, que apresentavam resultados bastante contestáveis, simplesmente porque eram absolutamente visíveis mesmo após o fim do procedimento. Os métodos que se adotam hoje nas grandes clínicas especializadas se aproximam bastante da densidade de raízes capilares que não sofrem de alopecia, tornando praticamente impossível distinguir um indivíduo que passou pelo transplante em relação aos demais que não necessitam desses cuidados.

É importante compreender, portanto, que o transplante proporciona efeitos que vão além da cultura de fios saudáveis de forma homogênea em toda a extensão do couro cabeludo. O indivíduo alcança um nível de aparência natural mediante o transplante, o que lhe confere rejuvenescimento, redução dos estigmas sociais a que é submetido, aumento da confiança nas relações interpessoais, auto aceitação e transformações muitas vezes profundas na saúde mental, para não citar outras consequências.

Razões de sobra para que qualquer pessoa com calvície considere as possibilidades conferidas pela própria ciência nos últimos anos. Vale a pena recorrer ao implante!

* Melina Oliveira é médica e especialista em cirurgia de transplante capilar.

Para mais informações sobre calvície clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Todos os nossos textos são publicados também no X

Quem somos

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Como as comparações me fizeram prisioneira da Síndrome do Impostor

Comecei a perceber que algo não estava certo na minha vida quando, mesmo sendo bem-sucedida, me sentia constantemente inferior.

Autor: Thereza Cristina Moraes

Como as comparações me fizeram prisioneira da Síndrome do Impostor

“Canal Livre” discute o uso exagerado de celular e internet por crianças e adolescentes

O programa aborda os impactos que esse hábito traz para a vida escolar, os prejuízos psicossociais e a interferência na socialização da nova geração.

Autor: Divulgação


Cidadãos podem solicitar segunda via de certidões pelo celular

Solicitante não precisa se deslocar até uma unidade presencial para pedir o documento, podendo recebê-lo em casa ou no cartório de sua escolha.

Autor: Divulgação

Cidadãos podem solicitar segunda via de certidões pelo celular

Fazendo as escolhas certas: guia para selecionar imóveis para investimento em São Paulo

Investir em imóveis certos é garantia de retorno rápido e seguro se feito com base na valorização, localização, demanda e segurança. Uma incorporadora de confiança te ajuda a realizar seu sonho!

Autor: 5 estrelas

Fazendo as escolhas certas: guia para selecionar imóveis para investimento em São Paulo

Bares e restaurantes seguram preços por medo de perder clientes

Inflação em bares e restaurantes é mais baixa que os índices de alimentação no domicílio e também dos insumos, aponta IPCA.

Autor: Divulgação

Bares e restaurantes seguram preços por medo de perder clientes

Idoso de 100 anos ganha ensaio fotográfico de pré-casamento

Nilza e Paraná convivem há quase 18 anos na unidade da Fhemig em Betim (MG).

Autor: Divulgação

Idoso de 100 anos ganha ensaio fotográfico de pré-casamento

Aloísio Teixeira Garcia, ex-deputado estadual, morre aos 80 anos

Cultura, política e educação perderam com o falecimento no domingo passado do ex-deputado estadual e ex-membro da Academia Mineira de Letras, Aloísio Teixeira Garcia.

Autor: Divulgação


O que a pandemia nos ensinou que podemos usar no enfrentamento à dengue?

A palavra pandemia sempre nos transporta a lembranças de dias difíceis.

Autor: Jarbas da Silva Motta Junior


Catástrofe do RS exige união de esforços e não combate a Fake News

A catástrofe do Rio Grande Sul tem comovido o país inteiro.

Autor: Bady Curi Neto

Catástrofe do RS exige união de esforços e não combate a Fake News

O poder sedutor do dinheiro

Dinheiro e Poder, que dupla!

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra

O poder sedutor do dinheiro

Relacionamentos: sabemos realmente o que necessitamos?

Interessante observar que o casamento, por exemplo, não cai de moda, todas as gerações ainda migram para esse modelo.

Autor: Viviane Gago

Relacionamentos: sabemos realmente o que necessitamos?

O peso dos idosos na balança eleitoral

Dados consolidados pelo Tribunal Superior Eleitoral, referentes a abril de 2024, mostram que o Brasil possui 33,7 milhões de eleitores com mais de 60 anos.

Autor: Wilson Pedroso

O peso dos idosos na balança eleitoral