Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Qual a responsabilidade do lixo eletrônico no aquecimento global?

Qual a responsabilidade do lixo eletrônico no aquecimento global?

24/07/2023 Alex Pereira

A fabricação de dispositivos eletrônicos requer a extração de recursos naturais, tais como metais preciosos e minerais raros.

Qual a responsabilidade do lixo eletrônico no aquecimento global?

Equipamentos elétricos e eletrônicos descartados (como furadeiras, parafusadeiras, telefones, laptops, geladeiras, TVs etc.) são chamados de lixo eletrônico ou Resíduos de Equipamentos Elétricos e Eletrônicos (REEE) e continuam a aumentar em todo o mundo. Muitos desses equipamentos estão presentes no nosso dia a dia e são regularmente utilizados.

Conforme o braço das Nações Unidas responsável pelas telecomunicações globais, o ambiente regulatório global para lixo eletrônico é bastante fraco, revelando que atualmente, apenas 78 de 193 (40 por cento dos países) são cobertos por uma política de lixo eletrônico, legislação ou regulamento.

Por várias razões, o lixo eletrônico tem um papel significativo no aquecimento global. Vou destacar algumas delas:

Descarte inadequado: Muitas pessoas descartam seus dispositivos eletrônicos de maneira incorreta, tais como jogá-los no lixo comum ou nos conhecidos pontos viciados que encontramos em nossas cidades ou em aterros sanitários. Quando esses eletrônicos são depositados em aterros não controlados, eles podem liberar substâncias tóxicas, como chumbo, mercúrio e cádmio, que contaminam o solo e a água. Essas substâncias, por sua vez, podem contribuir para a emissão de gases de efeito estufa, além de representarem riscos para a saúde humana.

Produção e extração de materiais: A fabricação de dispositivos eletrônicos requer a extração de recursos naturais, tais como metais preciosos e minerais raros. A extração desses recursos muitas vezes envolve processos que emitem gases de efeito estufa, contribuindo para o aquecimento global. Além disso, a produção em si consome uma quantidade significativa de energia, grande parte proveniente de fontes não renováveis, como os combustíveis fósseis.

Consumo de energia: Dispositivos eletrônicos consomem energia durante seu uso. Quanto mais eletrônicos são produzidos e utilizados, maior é a demanda por eletricidade, que em alguns locais é gerada por meio de combustíveis fósseis. A queima de combustíveis fósseis para geração de energia elétrica libera grandes quantidades de gases de efeito estufa, como dióxido de carbono (CO2), contribuindo para o aquecimento global.

Falta de reciclagem adequada: Muitos países não possuem sistemas eficientes de reciclagem de lixo eletrônico. Como resultado, uma quantidade significativa de eletrônicos acaba em aterros ou é exportada para países em desenvolvimento, onde o descarte pode ser realizado de forma inadequada, inclusive com exploração de mão de obra infantil. A reciclagem adequada de eletrônicos reduz a necessidade de extração de recursos naturais, economiza energia e evita a emissão de gases de efeito estufa, além de gerar trabalho digno e renda.

É importante destacar que o lixo eletrônico é apenas um dos muitos fatores que contribuem para o aquecimento global. No entanto, abordar o problema do lixo eletrônico por meio da reciclagem adequada, do prolongamento da vida útil dos dispositivos e da redução do consumo desnecessário pode ajudar a mitigar seus impactos negativos no clima e no meio ambiente.

* Alex Pereira, presidente da Coopermiti.

Para mais informações sobre lixo eletrônico clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Tropico Comunicação



Rio Grande do Sul: a reconstrução passa pela recuperação da vegetação nativa

A nova realidade criada pela tragédia exige igualmente novas respostas da gestão pública, incluindo um olhar prioritário para a questão ambiental.

Autor: Divulgação

Rio Grande do Sul: a reconstrução passa pela recuperação da vegetação nativa

Investir em saneamento traz retorno para a saúde

A aprovação do Novo Marco Legal do Saneamento, em julho de 2020, trouxe novas e importantes perspectivas para o avanço da infraestrutura do setor.

Autor: Elzio Mistrelo

Investir em saneamento traz retorno para a saúde

Descoberta de Luzia, um dos esqueletos mais antigos das Américas, completa 50 anos

Arqueólogos encontraram os primeiros ossos em 1974, na área do Monumento Estadual Lapa Vermelha, em Pedro Leopoldo

Autor: Divulgação

Descoberta de Luzia, um dos esqueletos mais antigos das Américas, completa 50 anos

Governo de Minas e Ibama reabilitam onça parda atropelada e a devolvem à natureza

Animal havia sido atingido em rodovia, próximo a Campos Altos, e foi submetido a cirurgia; espécie é a segunda maior espécie de felino das Américas e está ameaçada de extinção.

Autor: Divulgação

Governo de Minas e Ibama reabilitam onça parda atropelada e a devolvem à natureza

Qual produto é mais recomendado para manutenção de fossa séptica?

A manutenção ideal de uma fossa séptica é crucial para manter um sistema de saneamento confiável e saudável.

Autor: Divulgação


A revolução das soluções baseadas na natureza

De acordo com um estudo liderado pela UFRJ, 48 mil pessoas morreram por ondas de calor entre 2000 e 2018 no Brasil.

Autor: Danilo Roberti Alves de Almeida

A revolução das soluções baseadas na natureza

Municípios têm oportunidades com o saneamento

O saneamento básico galgou um novo patamar no interesse de investidores e especialistas.

Autor: Maurício Vizeu de Castro

Municípios têm oportunidades com o saneamento

As bactérias do bem que salvam as águas

Pode soar surpreendente, mas são os microrganismos os agentes mais capacitados para tratar da água de forma natural.

Autor: Monique Zorzim

As bactérias do bem que salvam as águas

Cuidar da água para não faltar

“O Brasil, que se ergueu à beira do mar e em volta dos rios, também escreveu histórias de sede, de muita sede”, já apontava Graciliano Ramos, em 1938, na sua obra “Vidas Secas”.

Autor: Luiz Pladevall

Cuidar da água para não faltar

Dia das Florestas: vale a pena derrubar árvores?

Era de amor a relação dos indígenas com a mata, principalmente antes da invasão portuguesa.

Autor: Víktor Waewell

Dia das Florestas: vale a pena derrubar árvores?

Shopping distribui adubo oriundo da compostagem dos resíduos orgânicos

O adubo é utilizado no paisagismo do próprio shopping, doado para os colaboradores e agora está indo para a casa dos frequentadores.

Autor: Divulgação

Shopping distribui adubo oriundo da compostagem dos resíduos orgânicos

Cada passo importa para um futuro sustentável

O ano de 2023 foi confirmado como o mais quente da história, de acordo com o observatório Copernicus Climate Change Service, da União Europeia.

Autor: Artur Grynbaum

Cada passo importa para um futuro sustentável