Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A correta decisão do STF sobre o foro privilegiado

A correta decisão do STF sobre o foro privilegiado

25/05/2018 Edison Carlos Fernandes

Muitos advogados e jornalistas têm discordado dessa decisão.

A recente decisão do Supremo Tribunal Federal – STF sobre o chamado foro privilegiado é mais um assunto jurídico que está sendo absorvido pela sociedade, o que se percebe pela inclusão desse tema na conversa cotidiana das brasileiras e dos brasileiros.

Não houve divergência de entendimento entre os ministros da Corte Suprema, porém, muitos advogados e jornalistas têm discordado dessa unanimidade, destacando pontos que seriam "erros" na interpretação dos juízes do STF.

Sem fazer remissão direta aos votos que compõem o acórdão do STF, gostaria de apresentar visão, de acordo com a posição finalmente adotada. Três pontos merecem destaque, a saber: (i) competência do STF para delimitar o foro por prerrogativa de função (conhecido como foro privilegiado); (ii) a delimitação em si determinada pelo STF; e (iii) abrangência restrita da decisão aos senadores e aos deputados federais.

(i) Competência do STF para delimitar o foro privilegiado

A primeira crítica que se faz à decisão do STF diz respeito à competência sobre o assunto: advogados e jornalistas insistem que caberia ao Congresso Nacional, por meio de Proposta de Emenda à Constituição – PEC, restringir o foro privilegiado, e não o STF por meio de uma decisão judicial.

Conquanto esse seja um argumento, ele não é o único e não me parece o mais acertado. Compete ao Supremo Tribunal Federal – STF, precipuamente, a guarda da Constituição (artigo 102 da Constituição Federal de 1988). Nessa sua atribuição, os ministros do STF devem aplicar a Constituição Federal no seu conjunto, não podendo limitar sua análise de maneira particular a um dispositivo único.

Se é certo que o texto constitucional estabelece que "[o]s Deputados e Senadores, desde a expedição do diploma, serão submetidos a julgamento perante o Supremo Tribunal Federal" (artigo 53 § 1°), também é certo que esse dispositivo deve ser interpretado de maneira integrada a todo o restante do texto. Esse (e cada) dispositivo faz parte de um todo e assim deve ser lido.

Nesse sentido, ressalte-se que o Brasil é uma república (artigo 1° da Constituição Federal), motivo pelo qual prevalece a igualdade entre todos, homens e mulheres, perante a lei (artigo 5°), não se admitindo qualquer privilégio, saldo decorrente da função desenvolvida por cidadãos específicos.

Aplicando o princípio republicando ao caso do foro privilegiado, nada justifica que seja concedido um amplo privilégio aos senadores e aos deputados federais, salvo no desenvolvimento da sua função parlamentar. Daí a correção a decisão do STF.

(ii) A delimitação do foro privilegiado determinada pelo STF

Portanto, se algum tratamento diferenciado é permitido aos senadores e aos deputados federais, tal discriminação decorre da função, também republicana, por eles exercida. Porém, o tratamento diferenciado deve ficar restrito a essa função. Os senadores e deputados federais, se acusados de condutas ilícitas que decorrem da sua função[1], serão processados perante o STF. Fora isso, os processos deverão tramitar perante as varas comuns do Poder Judiciário.

(iii) Abrangência restrita da decisão aos senadores e aos deputados federais

Outra crítica feita à decisão do STF sobre o foro privilegiado é que ela ficou restrita aos senadores e aos deputados federais, quando, deveria ser para todos. Incluem-se nesse "todos" também os membros do Poder Judiciário e do Poder Executivo, abarcando o Ministério Público.

Contra essa crítica, dois argumentos sustentam a decisão do STF: em primeiro lugar, o que estava em discussão, ou seja, o objeto da medida judicial, era justamente o artigo 53, § 1° da Constituição Federal, que trata somente dos parlamentares federais.

Nessa ação judicial específica, não seria possível estender se alcance a qualquer funcionário público, concursado ou eleito. Em segundo lugar, o conceito foi estabelecido: em um Estado Republicado como o brasileiro, qualquer benefício de foro depende da função exercida.

Como conceito, essa decisão orienta qualquer outra demanda judicial que se apresente perante o STF referente ao foro privilegiado. Portanto, é muito provável que o STF, quando tiver oportunidade, estenderá essa interpretação do foro privilegiado aos demais funcionários públicos.

[1] Por exemplo, peculato (apropriar-se o funcionário público de dinheiro, valor ou qualquer outro bem móvel, público ou particular, de que tem a posse em razão do cargo, ou desviá-lo, em proveito próprio ou alheio), concussão (exigir, para si ou para outrem, direta ou indiretamente, ainda que fora da função ou antes de assumi-la, mas em razão dela, vantagem indevida), prevaricação (retardar ou deixar de praticar, indevidamente, ato de ofício, ou praticá-lo contra disposição expressa de lei, para satisfazer interesse ou sentimento pessoal) e corrupção passiva durante o mandato (solicitar ou receber, para si ou para outrem, direta ou indiretamente, ainda que fora da função ou antes de assumi-la, mas em razão dela, vantagem indevida, ou aceitar promessa de tal vantagem).

* Edison Carlos Fernandes é especialista em Direito Constitucional e professor do CEU Law School.

Fonte: ML&A Comunicações



Honorários advocatícios não podem ser compensados, e rateados, podem?

Embora o Código de Processo Civil (20150) tenha trazido avanços consideráveis acerca dos honorários advocatícios, um dispositivo em especial me chama a atenção.


Como a Lei Geral de Proteção de Dados se aplica ao setor de “food service”

A atividade está entre as que mais se utilizam das informações dos clientes; contar com sistemas de gestão adequados facilita o cumprimento da lei.


A responsabilidade civil dos influenciadores digitais

Influenciar é o ato de exercer uma ação psicológica ou uma ascendência sobre algo ou alguém.


Os vícios insanáveis e a flexibilização da Lei da Inelegibilidade

O Senado Federal aprovou no último dia 14 de setembro o projeto que flexibiliza a Lei de Inelegibilidade e garante que os políticos possam se candidatar mesmo quando tiverem as contas julgadas irregulares, desde que tenham sido punidos apenas com multa, sem imputação de débitos.


O caso do jogador Dudu do Palmeiras: por que o divórcio deixou a ex-mulher sem nada?

O caso da separação do jogador Dudu, do Palmeiras, deixa um alerta para quem pretende estabelecer um casamento ou uma união estável.


Demissão por WhatsApp não é ilegal

Entendimento da Justiça tem sido de verificar, independente do meio, postura digna e comunicação clara nos desligamentos de trabalhadores.


Caso Daniel Alves, a Lei Pelé e a cultura de atraso de salários no futebol brasileiro

Na última semana fomos surpreendidos pela atitude corajosa do lateral Daniel Alves que decidiu não atuar mais pelo São Paulo Futebol Clube, por conta de atrasos de salários.


As expectativas advindas do Marco Legal das Startups

É verdade que a sensação da comunidade empresarial, quando da eminência da publicação de um novo diploma legal a fim de regular determinada atividade, volta-se naturalmente aos entraves burocráticos capazes de frear e obstar a chancela de negócios.


As fraudes financeiras com bitcoins e a necessidade da punição exemplar

A ampla cobertura da mídia sobre as operações das autoridades brasileiras contra fraudes financeiras utilizando a rentabilidade das criptomoedas como forma de atrair investidores deu visibilidade à uma prática que vem crescendo exponencialmente no Brasil.


Polêmica da Anvisa: atuação do órgão no jogo entre Brasil e Argentina

Na tarde do último domingo (5 de setembro), a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) paralisou a partida de futebol entre Brasil e Argentina, que jogavam pelas Eliminatórias da Copa do Mundo.


As virtudes e desvirtuamentos do Novo Código Eleitoral

Tramita no Congresso Nacional o projeto do Novo Código Eleitoral com mais de novecentos artigos.


Principais impactos da LGPD nas relações de trabalho

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD - Lei nº13.709/2018) prevê regras e princípios que devem ser observados quando da utilização de dados pessoais pelas empresas privadas e públicas.