Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A greve dos correios e outras greves: sociedade refém

A greve dos correios e outras greves: sociedade refém

14/10/2019 Bruno Milano Centa

Destaca-se ainda o fato de que, tal qual ocorre em algumas outras categorias.

No último dia 17, assembleias de funcionários dos Correios decidiram suspender a paralisação que já se arrastava há uma semana, aceitando proposição do Tribunal Superior do Trabalho em aguardar julgamento do dissídio da categoria previsto para 2 de outubro. Em contrapartida, a empresa comprometeu-se a manter os termos do Acordo Coletivo de Trabalho que vigorava até então, bem como a política de plano de saúde.

Chama a atenção que, dentre outras pautas econômicas e sociais, o movimento paredista inclui posições que transcendem as condições de trabalho e avançam contra a reforma da previdência e o óbice à privatização da combalida estatal. Destaca-se ainda o fato de que, tal qual ocorre em algumas outras categorias, as pautas trabalhistas e políticas se misturam a justificar paralisações que ocorrem de forma sistemática e praticamente com periodicidade anual.

O Tribunal Superior do Trabalho já avançou na análise do comportamento das entidades sindicais e das bandeiras por estas defendidas, julgando abusivas greves que não tivessem relação direta com condições próprias de trabalho ou de normas de saúde, higiene e segurança dos trabalhadores. A despeito do entendimento da corte, em precedentes que remontam a divulgação do Informativo n. 85, de 2014, posições de política partidária continuam sendo elemento indissociável de alguns movimentos sindicais.

A banalização de tal prerrogativa, consagrada no artigo 9º da Constituição Federal, ocorre em grande parte pelos conceitos subjetivos e omissões da Lei responsável pela sua regulamentação (Lei 7.783/1989), majoritariamente quando se trata de serviços essenciais, como é o caso das telecomunicações e, consequentemente, dos Correios.

A disposição da lei em obrigar a categoria em manter serviços indispensáveis ao atendimento das necessidades da comunidade sem, de fato, identificá-los e quantificá-los, acaba dando margem a interpretações que, via de regra, desaguam no Poder Judiciário e, por este, terão de ser saneadas pelo ativismo, vez que a legislação não traz soluções e regras claras para tais movimentos.

O dilema entre garantir o direito à cruzada de braços e resguardar valores fundamentais à sociedade – como a vida, as comunicações, o abastecimento, a segurança, dentre outros – repetiu-se de forma contínua nos últimos tempos, o que demonstra esgotamento do marco regulatório vigente. As políticas de desenvolvimento se mostram inócuas e distantes quando trabalhadores em hospitais, forças de segurança, caminhões e serviços de comunicação e distribuição de mercadorias, dentre outros, param sem critério ou limite.

No momento em que o Poder Executivo avança em novas proposições sobre a regulação trabalhista e sindical, parece oportuno discutir com os representantes da sociedade novos balizadores para movimentos paredistas, evitando que esta mesma sociedade seja refém da incerteza convertida em abuso de direito. Tais respostas já têm sido fornecidas em parte pela Jurisprudência, mas devem ser reforçadas no regramento a estabelecer rito adequado de negociações e, especialmente, em critérios de quantificação, de modo a garantir os protestos sem a imposição de insegurança jurídica e afronta aos direitos, também fundamentais dos cidadãos.

 *Bruno Milano Centa, advogado, é mestre em Direito e professor da Pós-Graduação em Direito e Processo do Trabalho da Universidade Positivo.

Fonte: Central Press



Todos os dados tratados pela LGPD precisam de consentimento?

Entenda quais são e quais não são os dados que podem ser utilizados mesmo sem o consentimento do usuário.


Covid-19: Planejamento patrimonial pode ajudar empresas familiares

Estima-se que, hoje, no mundo, cerca de 80% das empresas sejam familiares.


O diferencial de alíquota do ICMS e as empresas no regime do Simples Nacional

O diferencial de alíquota (DIFAL) é o resultado positivo da subtração da alíquota interestadual pela interna, que obriga o contribuinte (Simples Nacional) nas operações com outros Estados recolher tal diferença na entrada do produto na unidade federativa, destinatária para fins de comercialização (art. 115, XV-A, “a”, do RICMS/2000).


Mulher que fez test-drive terá que indenizar concessionária

Motor do carro foi danificado quando motorista passou em córrego.


A mediação de conflitos nos condomínios em tempos de pandemia da Covid-19

Com a decretação do estado de pandemia global, o isolamento social passou a ser recomendado como uma das principais medidas de profilaxia, com o fito de evitar a propagação da covid-19, doença causada pelo novo coronavírus.


Entenda como funciona a LGPD na relação de emprego

A LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados) determina regras e critérios sobre coleta, armazenamento e tratamento de dados pessoais.


Reforma Tributária e seus impactos no setor da saúde

Em 21 de julho de 2020 foi encaminhada ao Congresso Nacional a primeira proposta de Reforma Tributária, feita pelo ministro da economia Paulo Guedes.


Depoimento de presidentes da República – Tratamentos distintos

O ministro Celso de Melo, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou, de forma inusitada, na sexta-feira (11), que o presidente da República prestasse depoimento de forma presencial, e não por escrito, à autoridade policial no inquérito que apura se houve interferência na Polícia Federal, segundo declarações do ex-ministro Sergio Moro.


O exercício da telemedicina antes e depois da pandemia

Com a necessidade do isolamento social decorrente da pandemia de Covid-19, a telemedicina, prática que fomenta o exercício da medicina à distância, utilizando-se de meios tecnológicos para tanto, ganhou notoriedade.


Holding familiar é uma boa alternativa

Devido a pandemia do novo coronavírus e suas consequências negativas, o brasileiro passou a refletir mais sobre planejamento sucessório, ocasionando um aumento de 134% de testamentos em cartórios.


Como aumentar a eficiência da Justiça brasileira?

A sobrecarga do Judiciário é um antigo problema no Brasil.


5 pontos sobre Direito Ambiental que a sua empresa precisa saber

O mau uso do meio ambiente por parte das empresas é algo já não mais aceito diante do mercado.