Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A greve dos correios e outras greves: sociedade refém

A greve dos correios e outras greves: sociedade refém

14/10/2019 Bruno Milano Centa

Destaca-se ainda o fato de que, tal qual ocorre em algumas outras categorias.

No último dia 17, assembleias de funcionários dos Correios decidiram suspender a paralisação que já se arrastava há uma semana, aceitando proposição do Tribunal Superior do Trabalho em aguardar julgamento do dissídio da categoria previsto para 2 de outubro. Em contrapartida, a empresa comprometeu-se a manter os termos do Acordo Coletivo de Trabalho que vigorava até então, bem como a política de plano de saúde.

Chama a atenção que, dentre outras pautas econômicas e sociais, o movimento paredista inclui posições que transcendem as condições de trabalho e avançam contra a reforma da previdência e o óbice à privatização da combalida estatal. Destaca-se ainda o fato de que, tal qual ocorre em algumas outras categorias, as pautas trabalhistas e políticas se misturam a justificar paralisações que ocorrem de forma sistemática e praticamente com periodicidade anual.

O Tribunal Superior do Trabalho já avançou na análise do comportamento das entidades sindicais e das bandeiras por estas defendidas, julgando abusivas greves que não tivessem relação direta com condições próprias de trabalho ou de normas de saúde, higiene e segurança dos trabalhadores. A despeito do entendimento da corte, em precedentes que remontam a divulgação do Informativo n. 85, de 2014, posições de política partidária continuam sendo elemento indissociável de alguns movimentos sindicais.

A banalização de tal prerrogativa, consagrada no artigo 9º da Constituição Federal, ocorre em grande parte pelos conceitos subjetivos e omissões da Lei responsável pela sua regulamentação (Lei 7.783/1989), majoritariamente quando se trata de serviços essenciais, como é o caso das telecomunicações e, consequentemente, dos Correios.

A disposição da lei em obrigar a categoria em manter serviços indispensáveis ao atendimento das necessidades da comunidade sem, de fato, identificá-los e quantificá-los, acaba dando margem a interpretações que, via de regra, desaguam no Poder Judiciário e, por este, terão de ser saneadas pelo ativismo, vez que a legislação não traz soluções e regras claras para tais movimentos.

O dilema entre garantir o direito à cruzada de braços e resguardar valores fundamentais à sociedade – como a vida, as comunicações, o abastecimento, a segurança, dentre outros – repetiu-se de forma contínua nos últimos tempos, o que demonstra esgotamento do marco regulatório vigente. As políticas de desenvolvimento se mostram inócuas e distantes quando trabalhadores em hospitais, forças de segurança, caminhões e serviços de comunicação e distribuição de mercadorias, dentre outros, param sem critério ou limite.

No momento em que o Poder Executivo avança em novas proposições sobre a regulação trabalhista e sindical, parece oportuno discutir com os representantes da sociedade novos balizadores para movimentos paredistas, evitando que esta mesma sociedade seja refém da incerteza convertida em abuso de direito. Tais respostas já têm sido fornecidas em parte pela Jurisprudência, mas devem ser reforçadas no regramento a estabelecer rito adequado de negociações e, especialmente, em critérios de quantificação, de modo a garantir os protestos sem a imposição de insegurança jurídica e afronta aos direitos, também fundamentais dos cidadãos.

 *Bruno Milano Centa, advogado, é mestre em Direito e professor da Pós-Graduação em Direito e Processo do Trabalho da Universidade Positivo.

Fonte: Central Press



Os planos de saúde e os obstáculos ao bem-estar dos pacientes

No contexto do direito à saúde no Brasil, os planos de saúde privados são regulados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que estabelece normas e diretrizes para garantir a cobertura assistencial aos consumidores.

Autor: Natália Soriani


R$ 200 mil não apaga a dor, mas paga a conta

Um caso de erro médico do interior de São Paulo chamou atenção de todo Brasil por conta de dois fatores.

Autor: Thayan Fernando Ferreira


Precisamos mesmo de tantas leis?

O Direito surgiu como uma forma de organizar melhor as sociedades, uma vez que já havia algumas tradições reproduzidas a partir de exemplos ou de determinações orais que alguns grupos, especialmente os familiares, seguiam.

Autor: Marco Túlio Elias Alves


Proibição do chatbot na campanha eleitoral afeta políticos com menos recursos

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) atualizou normas relacionadas ao uso da inteligência artificial nas campanhas para as eleições municipais de 2024. A alteração é vista como pequena e mal discutida por especialistas da área.

Autor: Divulgação


Digitalização da saúde e os desafios na relação plano e consumidor

A digitalização da saúde, que compreende o uso de recursos tecnológicos e de Tecnologia da Informação (TI) para fins médicos, é um fenômeno que a cada ano se consolida e expande em todo o país.

Autor: Natália Soriani


Os equívocos do caso Robinho

A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ), no uso de competência constitucional e regimental, analisou e, por maioria de votos, homologou o pedido de execução da sentença penal condenatória proferida pela Justiça Italiana contra o ex-jogador Robinho.

Autor: Marcelo Aith


A nova lei de licitações: o que deve mudar daqui para frente?

O sucesso dessa legislação dependerá do compromisso de todas as partes envolvidas em trabalhar juntas.

Autor: Matheus Teodoro


Exclusão de dependentes maiores de 25 anos de planos de saúde

Os magistrados têm reconhecido a existência de uma expectativa de direito por parte dos consumidores.

Autor: José Santana Junior


TikTok e a multa milionária por captura ilegal de dados biométricos no Brasil

Por utilizar métodos que ferem a Lei Geral de Proteção de Dados e o Marco Civil da Internet, o TikTok, rede social famosa por vídeos de curta duração, foi multado em R$ 23 milhões pela Justiça.

Autor: Renato Falchet Guaracho


Como tornar o mundo jurídico descomplicado

A comunicação no mundo jurídico é uma das mais complicadas do mercado. Termos técnicos demais e palavras em latim, por exemplo, criam grandes obstáculos.

Autor: Gabriella Ibrahim


Por que a Meta deverá, obrigatoriamente, mudar de nome no Brasil?

A Meta, empresa dona dos aplicativos Facebook, Instagram e WhatsApp não poderá usar este nome no Brasil.

Autor: Renato Falchet Guaracho


Planejamento sucessório garante futuro do agronegócio

Especialista alerta para os desafios da sucessão familiar no campo e destaca a importância de um plano bem estruturado para a perpetuação do negócio.

Autor: Divulgação