Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A justiça e a injustiça são antagônicas, não se misturam?

A justiça e a injustiça são antagônicas, não se misturam?

26/09/2019 Bady Curi Neto

“Há mais coragem em ser justo, parecendo ser injusto, do que injusto para salvaguardar as aparências da Justiça”.

O Poder Judiciário e as Instituições da República responsáveis pela persecução criminal (Ministério Público e Polícia Investigativa), para exercerem seu mister, devem agir, indubitavelmente, de acordo com a legislação posta.

Devem primar pela estrita observância dos princípios constitucionais que norteiam todo o arcabouço normativo, sob pena de, não o fazendo, estarem vilipendiando a Lei, a misturar justiça com injustiça, água e óleo, cuja a amálgama resultará no famigerado justiçamento.

Piero Calamandrei, processualista italiano apregoou: “Há mais coragem em ser justo, parecendo ser injusto, do que injusto para salvaguardar as aparências da Justiça”.

O Ministro Marco Aurélio, por diversas vezes, disse que em Direito, o meio justifica os fins e não o inverso, ou seja, mesmo na apuração de um crime de corrupção ou quaisquer outros tipos penais, deve o Estado se ater às normais legais, para que, no intuito de apuração de conduta delitiva de terceiros, não cometa, ele próprio, outro crime.

A partir da celebrada e festejada operação Lava Jato, que sem sombra de dúvidas colocou uma pá de cal em um vergonhoso esquema de corrupção que envolvia os maiores empreiteiros do país, políticos do alto escalão da república, inclusive um ex-presidente da República, começou-se a verificar alguns exageros.

Vazamentos de operações sigilosas foram realizados de forma, com a devida vênia, criminosa. Apresentações de Power Point antes de o Estado Juiz sequer ter recebido a denúncia contra o réu.

Membros do Ministério Público utilizando-se das redes sociais como meio de crítica ou pressão contra posicionamentos judiciais de instâncias superiores contrárias a seu entendimento, extrapolando a liberdade de expressão.

Exageros de prisões preventivas, como se fossem antecipações da pena, com o escopo de forçar delações premiadas, ou apenas de dar respostas à sociedade.

Digo isto porque, apesar de ser um defensor da operação Lava Jato e do então Juiz Sergio Moro, nunca deixei de me posicionar quanto aos exageros apontados, inclusive escrevendo artigos a respeito.

No auge da operação Lava Jato, chegaram a propor ao congresso 10 medidas contra a corrupção, entre elas a absurda restrição ao Habeas Corpus e, ainda, a possibilidade de se admitir que a prova obtida de forma ilícita, mas conseguida de boa-fé, pudesse ser utilizada no processo penal.

Ferir de morte direitos e garantias conquistadas a duras penas, no calor das emoções, com fins persecutórios ou com objetivo de colher os aplausos da plateia, vilipendia o Estado Democrático de Direito, colocando em risco toda a sociedade. Não se legisla no afogadilho.

Hoje, os entusiastas do aproveitamento das provas ilícitas para fins de persecução criminal tiveram seus telefones grampeados, de forma criminosa, por hackers, e revelados pelo site Intercept de boa-fé, já que adquiridos de forma lícita.

Aqueles antigos entusiastas da validação da prova ilícita se valem, agora, da regra tradicional, a saber, a da teoria da árvore de frutos envenenados, para negarem o teor das conversas, obtidas ilicitamente.

Termino o artigo dizendo que a Justiça e a Injustiça não podem ser lados de uma mesma moeda, cunhada pelo Poder Estatal.

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG).

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Os planos de saúde e os obstáculos ao bem-estar dos pacientes

No contexto do direito à saúde no Brasil, os planos de saúde privados são regulados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que estabelece normas e diretrizes para garantir a cobertura assistencial aos consumidores.

Autor: Natália Soriani


R$ 200 mil não apaga a dor, mas paga a conta

Um caso de erro médico do interior de São Paulo chamou atenção de todo Brasil por conta de dois fatores.

Autor: Thayan Fernando Ferreira


Precisamos mesmo de tantas leis?

O Direito surgiu como uma forma de organizar melhor as sociedades, uma vez que já havia algumas tradições reproduzidas a partir de exemplos ou de determinações orais que alguns grupos, especialmente os familiares, seguiam.

Autor: Marco Túlio Elias Alves


Proibição do chatbot na campanha eleitoral afeta políticos com menos recursos

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) atualizou normas relacionadas ao uso da inteligência artificial nas campanhas para as eleições municipais de 2024. A alteração é vista como pequena e mal discutida por especialistas da área.

Autor: Divulgação


Digitalização da saúde e os desafios na relação plano e consumidor

A digitalização da saúde, que compreende o uso de recursos tecnológicos e de Tecnologia da Informação (TI) para fins médicos, é um fenômeno que a cada ano se consolida e expande em todo o país.

Autor: Natália Soriani


Os equívocos do caso Robinho

A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ), no uso de competência constitucional e regimental, analisou e, por maioria de votos, homologou o pedido de execução da sentença penal condenatória proferida pela Justiça Italiana contra o ex-jogador Robinho.

Autor: Marcelo Aith


A nova lei de licitações: o que deve mudar daqui para frente?

O sucesso dessa legislação dependerá do compromisso de todas as partes envolvidas em trabalhar juntas.

Autor: Matheus Teodoro


Exclusão de dependentes maiores de 25 anos de planos de saúde

Os magistrados têm reconhecido a existência de uma expectativa de direito por parte dos consumidores.

Autor: José Santana Junior


TikTok e a multa milionária por captura ilegal de dados biométricos no Brasil

Por utilizar métodos que ferem a Lei Geral de Proteção de Dados e o Marco Civil da Internet, o TikTok, rede social famosa por vídeos de curta duração, foi multado em R$ 23 milhões pela Justiça.

Autor: Renato Falchet Guaracho


Como tornar o mundo jurídico descomplicado

A comunicação no mundo jurídico é uma das mais complicadas do mercado. Termos técnicos demais e palavras em latim, por exemplo, criam grandes obstáculos.

Autor: Gabriella Ibrahim


Por que a Meta deverá, obrigatoriamente, mudar de nome no Brasil?

A Meta, empresa dona dos aplicativos Facebook, Instagram e WhatsApp não poderá usar este nome no Brasil.

Autor: Renato Falchet Guaracho


Planejamento sucessório garante futuro do agronegócio

Especialista alerta para os desafios da sucessão familiar no campo e destaca a importância de um plano bem estruturado para a perpetuação do negócio.

Autor: Divulgação