Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A mercantilização da advocacia e a função indispensável do advogado

A mercantilização da advocacia e a função indispensável do advogado

31/01/2020 Maria Inês Vasconcelos

Parece que o ensino do Direito se mercantilizou no Brasil.

Há uma enorme proliferação de faculdades que não se atentam em preparar bem os futuros advogados.

Essas escolas estão mais preocupadas com os lucros econômicos do que com a qualidade do ensino, fazendo com que os estudantes passem a ser tratados como clientes, e não como alunos.

Nessas circunstâncias, o professor vive acuado perante o aluno, sem a menor autonomia para aplicar até mesmo poderes disciplinares, com receio de que qualquer ato que não agrade o “cliente” possa representar a perda de um aluno, que paga e gera receitas para a faculdade. Ser professor em escola de Direito é um desafio.

Contudo, há muitas exceções e grandes escolas de Direito que formam advogados extraordinários. É importante ainda salientar que o advogado pode se auto educar, adquirindo o gosto pela leitura, o conhecimento de mundo e a interação com outras pessoas, afinal ele é, antes de tudo, um profissional que lida com seres humanos.

A carreira de advogado é magistral e não há como deixar de exaltar seu papel fundamental e essencial à administração da Justiça.

Nada retira essa importância assegurada e dignificada no texto constitucional, que, no artigo 133, deixa claro que o “advogado é indispensável à administração da justiça, sendo inviolável por seus atos e manifestações no exercício da profissão, nos limites da lei”.

A advocacia também é essencial na formação do Poder Judiciário, contribuindo para a preservação do Estado Democrático de Direito. Além disso, não se pode olvidar o papel fundamental, que é a luta na defesa da liberdade.

Entretanto, a carreira é árdua, eis que as dificuldades para exercer a profissão com independência e sem receio são crescentes e a quebra de prerrogativas uma constante.

Aliás, há um conflito neste campo que quase confunde o advogado com a parte, o cliente que defende. Mas há aqui um corte absoluto, advogados não são titulares de direito algum, são apenas operadores do direito.

A carreira é linda e frutuosa, mas a batalha é grande porque há uma crise cujo pano de fundo é uma gincana ideológica no sentido de que os advogados são responsáveis pela atuação dos clientes - um grande nonsense.

A crise na Justiça é generalizada e não são só os advogados que sofrem na pele com a visão errática que diminui sua importância como pilar do Estado Democrático de Direito. A magistratura e o Ministério Público também agonizam e cada um se salva como pode.

É preciso que a memória institucional e o papel social sejam reconstruídos diariamente, sendo relevante a união da classe e a atuação da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

O processo de desjudicialização no país, a restrição de acesso à Justiça, a exigência de mediação antes do processo, ou, no caso da justiça do trabalho, a tentativa de acordo obrigatório nas comissões de conciliação, bem como a dificuldade de se subir um recurso para Tribunais Superiores; são alguns dos grandes desafios. O resultado disso pode ser uma Justiça mais rápida, mas nem sempre justa.

Força e coragem são essenciais. Não há como esquecer de Ruy Barbosa, considerado o patrono da advocacia brasileira, que, de acordo com o ex-presidente da OAB da Bahia, Luiz Viana Queiroz, foi “o maior de todos a exercer a advocacia junto à Suprema Corte brasileira” e que “nunca ninguém o excedeu como combatente da legalidade e defensor das liberdades”.

Sim, há incontáveis feitos inspiradores da carreira inimitável de Ruy Barbosa no Direito brasileiro e na política, sobretudo sua participação na Segunda Conferência da Paz, em Haia, na Holanda, quando recebeu a alcunha de águia.

É preciso que os advogados, cujo trabalho é indispensável para o exercício de uma democracia efetiva, tornem-se águias em seu grau e atributos. Afinal são representantes da justiça, cidadania e, sobretudo, da liberdade.

* Maria Inês Vasconcelos é advogada trabalhista, palestrante, pesquisadora e escritora.

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


Oito dicas para advogados usarem melhor suas redes sociais

Especialista em marketing digital jurídico indica o que e como fazer para advogados se destacarem no universo online e atrair potenciais clientes.

Oito dicas para advogados usarem melhor suas redes sociais

Conheça cinco vantagens do Pix para empresas

MEIs e PMEs podem economizar cerca de R$ 2.000 em serviços e produtos bancários por ano.

Conheça cinco vantagens do Pix para empresas

Advogados abordarão o impacto de conflitos éticos e estatais na relação entre países

Começa no dia 13 de abril, a partir das 9h30, o “Fórum Mundial de Litígio”.


Inversões da Justiça e as 15 milhões de vítimas de fraudes financeiras no Brasil

De grande repercussão na mídia nacional e até internacional, o caso da GAS Consultoria chama atenção pelos valores envolvidos, que ultrapassam bilhões de reais e deixam milhares de pessoas na incerteza sobre o paradeiro das suas economias.


Compras efetuadas com cartão furtado geram indenização a cliente

O Brasil é o país campeão em vazamento de cartões. Considerando todos os outros países, a população brasileira é a maior vítima, totalizando 45,4% dos casos do mundo todo.


O Rompimento do Noivado e suas consequências: uma breve análise

Intimamente ligado à noção de família, o instituto do casamento é universal e elemento comum em praticamente todos os ordenamentos jurídicos mundiais modernos.


Banco é condenado a indenizar cliente

O banco Itaú Unibanco foi condenado a indenizar uma cliente em R$ 10 mil, a título de danos morais, por não assegurar proteção e segurança para sua conta bancária.


Casal que foi desalojado de hotel deve ser indenizado

Justiça condena agência online por prejudicar viagem.


O último sobrenome deve sempre ser o do pai?

Na hora de registrar o nascimento dos filhos, é muito comum surgirem algumas dúvidas nos pais.


Proteção de dados pessoais torna direito fundamental após emenda

Desde que a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) entrou em vigor em setembro de 2018, as empresas passaram a ter a obrigação de garantir a segurança dos dados aos quais possuem acesso.