Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A sucessão nos contratos de arrendamento do estabelecimento comercial

A sucessão nos contratos de arrendamento do estabelecimento comercial

21/01/2020 Alceu Machado Neto

Os Tribunais têm adotado posições antagônicas ao decidirem sobre a responsabilidade do arrendatário por débitos anteriores do estabelecimento arrendado.

A inexistência de previsibilidade das decisões judiciais acarreta insegurança aos empreendedores dispostos a arrendar o estabelecimento comercial, já que eles estarão sujeitos a assumir riscos extremos e desconhecidos.

Tal insegurança reflete diretamente no mercado de arrendamento de estabelecimentos comerciais, uma vez que reduzirá o número de interessados e terá influência direta no preço do arrendamento.

A insegurança, portanto, prejudica todas as partes envolvidas com o estabelecimento, uma vez que o proprietário terá dificuldades em arrendar pelo preço justo. O arrendatário estará sujeito a ser responsabilizado pelo passivo de terceiros. E, ainda, os credores sofrerão prejuízos quando:

- o estabelecimento não for arrendado e o seu proprietário não tiver condições de realizar a sua manutenção, acarretando a desvalorização do patrimônio (que é a garantia dos credores);

- a remuneração for estipulada em valor inferior à média do mercado, com o nítido objetivo de compensar os riscos envolvidos na celebração de contratos de arrendamento;

- não houver interessados no arrendamento do estabelecimento, o que geraria receitas que auxiliariam no pagamento do passivo do estabelecimento.

Toda a insegurança sobre o tema foi gerada a partir da vigência do Código Civil de 2002, com base na interpretação do artigo 1.146, o qual dispõe que o adquirente do estabelecimento responde pelo pagamento dos débitos anteriores à transferência, desde que contabilizados. Anteriormente, o Código Civil de 1916 estabelecia que o adquirente não tinha qualquer responsabilidade pelos débitos anteriores do estabelecimento adquirido. 

Mesmo o artigo 1.146 do Código Civil sendo expresso ao responsabilizar apenas o adquirente, os credores do estabelecimento arrendado formularam as suas teses, incentivados pelas decisões proferidas no âmbito da Justiça do Trabalho, visando estender a responsabilidade também ao arrendatário.

Em algumas situações, o mesmo fundamento utilizado para responsabilizar o arrendatário é adotado como fundamento para não responsabilizar – o que demonstra que os Tribunais não têm uma posição uniformizada sobre o tema.

Com base na análise dos fundamentos das decisões judiciais, os interessados em arrendar estabelecimentos comerciais poderão tomar as seguintes cautelas, com o objetivo de minorar os riscos de ser envolvido em eventual discussão sobre a sua responsabilidade por débitos anteriores do estabelecimento arrendado:

- estabelecer no contrato de arrendamento as premissas que balizaram a negociação realizada entre as partes;

- definir o objeto do contrato de arrendamento de forma clara, constando expressamente quais os bens que serão objeto do arrendamento;

- estipular o preço do arrendamento em valor real. Não é rara a estipulação da remuneração do arrendamento em valor inferior ao valor de mercado, em razão da necessidade de investimentos no estabelecimento arrendado;

- evitar a utilização dos funcionários anteriores do estabelecimento arrendado. Caso não seja possível, as partes devem justificar no contrato as razões que recomendam a utilização dos funcionários anteriores do estabelecimento;

- exigir a comprovação de que o proprietário do estabelecimento, objeto do arrendamento, não está insolvente.

As recomendações demonstram que há formas de mitigar os riscos causados pela insegurança das decisões judiciais e permitir que estabelecimento comercial continue sendo objeto de contratos de arrendamento.

* Alceu Machado Neto – advogado, sócio do escritório Alceu Machado, Sperb & Bonat Cordeiro Sociedade de Advogados. Mestre em Direito dos Negócios pela FGV-SP

Fonte: IEME Comunicação/AMSBC Advogados



Trabalhador próximo da aposentadoria pode garantir estabilidade no emprego

A estabilidade pré-aposentadoria é uma garantia de emprego para que o trabalhador que está perto de se aposentar não seja mandado embora sem justa causa.


Purgação de mora na Lei do Inquilinato

Atualmente, sabemos que a Lei do Inquilinato – Lei n°. 8.245/91 – dispõe sobre a locação de imóveis urbanos, ou seja, é a lei que rege tanto os estabelecimentos comerciais quanto os residenciais quando o assunto é locação.


“Quid Iuris”? Qual Direito?

Hoje se vê pessoas que vivem completamente de acordo com as leis. Mas não são solidários e não têm fraternidade.


Não podemos ser avulsos

O modelo eleitoral brasileiro não permite candidaturas avulsas, obrigando que os candidatos tenham filiação partidária para concorrer a todos os cargos públicos.


Os avanços do TSE contra as candidaturas de laranjas

Em ano de eleições municipais, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) intensifica fiscalização com relação as chamadas candidaturas laranjas.


Controle de doenças versus direitos fundamentais

Em tempos de medidas drásticas para se controlar uma possível epidemia do coronavírus e o estudo de normas para regular quarentena no Brasil, chama atenção uma notícia.


Uber e o motorista

Uma relação de emprego à luz da primazia da realidade.


O risco da descaracterização do contrato temporário

O serviço temporário é uma modalidade de emprego cada vez mais comum, mas ainda gera dúvidas a respeito de suas regras e sua respectiva legislação.


Quando o recebimento de propina resulta no crime de lavagem de dinheiro?

Diariamente somos inundados por notícias de denúncias envolvendo a prática de crime de corrupção e lavagem de direito.


Demissão por justa causa em estatais

A inconstitucionalidade da demissão por justa causa em estatais em decorrência da aposentadoria voluntária.


10 fatos que devem agitar o mundo tributário em 2020

Muitas mudanças ocorreram no primeiro ano do novo Governo.


Governo americano impõe novas restrições na imigração para o país

Desde o início do mandato do presidente Donald Trump nos Estados Unidos, a política de imigração para o país tem sido cada vez mais restrita.