Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A tecnoestrutura e os políticos

A tecnoestrutura e os políticos

03/05/2020 Vicente Bagnoli

"Não há nome para todos que participam da tomada de decisões em grupo ou para a organização por eles formada. Proponho chamar essa organização de Tecnoestrutura".

Assim, John Kenneth Galbraith conclui sua análise sobre A Tecnoestrutura, publicada em seu livro O Novo Estado Industrial, de 1967, que continua atual e merece ser revisitado para compreender, sobretudo no contexto de crise, não apenas o universo das empresas, mas também dos políticos.

O indivíduo em nossa cultura, como bem observa Galbraith, tem muito mais destaque do que o grupo.

Pois é do indivíduo que se espera feitos, nutre-se simpatia pelo indivíduo que se destaca dos demais, defende-se esse indivíduo antes de acusá-lo e em muitas vezes só se existirem provas contundentes.

O empresário de sucesso é o indivíduo com visão, ousadia e coragem para empreender e ser exitoso. O indivíduo tem alma, logo, é personificado. Já o grupo é etéreo, indeterminado, desprovido da imagem de um líder.

Mas ao final, quem merece receber os louros da vitória, ou o fardo do fracasso: o indivíduo, isoladamente, que sozinho se destaca com ideias e assumindo riscos, ou é o coletivo, o grupo de indivíduos que reunidos em suas especificidades trabalham para alcançar as grandes conquistas e também arcar com as derrotas?

Diferentemente do indivíduo, e consequentemente da empresa nos moldes ainda do séc. XIX, quando se tratavam de projeções de seus proprietários, que as dirigiam muitas vezes atribuindo à elas seus valores éticos e morais, na grande empresa moderna, na maioria das vezes, os seus dirigentes são desconhecidos e não se confundem com os proprietários das ações, ainda mais desconhecidos.

O poder na empresa moderna não é mais delegado ao indivíduo, mas à organização, e o esforço bem-sucedido da organização possibilita, inclusive, a imortalidade da empresa.

Essa organização de pessoas é o grupo que, reunido, acumula experiência e conhecimento técnico e científico, avalia as contribuições recebidas diante de sua relevância e confiabilidade, para então tomar decisões embasadas nas informações recebidas.

O processo decisório na empresa baseia-se nas informações prestadas por diversos indivíduos que constituem o grupo em razão de três necessidades apontadas por Galbraith.

A primeira diz respeito às exigências tecnológicas, de modo que o desafio é dotar indivíduos comuns com informações detalhadas e profundas e combinar esses conhecimentos com o de outros indivíduos também comuns, mas especializados.

A segunda se refere à combinação de indivíduos com talentos especializados para planejar diante de fatores externos, uma vez que o planejamento exige vasta quantidade de informações.

A terceira é a necessidade de coordenação dos diversos indivíduos especializados, de modo que o talento de cada indivíduo seja disposto para o interesse comum da empresa.

Em suma, como ressalta Galbraith, "… a informação deve ser extraída de vários especialistas, testada quanto à sua confiabilidade e à sua relevância e utilizada para tomar uma decisão".

A decisão na empresa é algo que foi deliberado por um grupo, fazendo com que esta decisão não possa ser reformada por um indivíduo. Para modificá-la, faz-se necessário outras informações apresentadas por um grupo de especialistas.

O indivíduo tem êxito dessa forma, pois sozinho detém apenas parte do conhecimento do todo, por mais preparado e inteligente que seja. "A decisão de grupo, exceto se for afetada por outro grupo, tende a ser absoluta", observa Galbraith.

Outrossim, ao combinar pessoas especializadas para prover as melhores informações para a tomada de decisão, permite que a quem cabe a última palavra na estrutura da empresa esteja protegido quanto à eventuais responsabilizações.

Nesse sentido, pela teoria das red flags, caso a tomada da decisão tenha sido feita a partir das melhores informações disponíveis e nada em contrário fora assinalado, não há que se falar em responsabilidades.

Assim também, pela teoria do rely on others não significa que quem decide simplesmente chancela a informação de terceiros, mas nela pôde confiar para tomar a decisão.

No universo da política, a Tecnoestrutura e as teorias das red flags e rely on others também devem ser observadas.

Toma-se como exemplo o chefe de um poder executivo eleito para desempenhar tal função. Sozinho, apesar do carisma que possa nutrir na população, é apenas um indivíduo que quiçá detém algum conhecimento técnico e científico e, quando muito, detém parte do conhecimento.

Imagine tal indivíduo cuidando dos mais diversos temas, como saúde, economia, trabalho, justiça, segurança, meio ambiente, previdência, dentre tantos outros.

Evidentemente para ser exitoso o indivíduo buscará um grupo de outros indivíduos talentosos, cada qual na sua especialidade, para que de forma organizada consigam entregar à sociedade o que se espera de um bom governante.

Ao decidir com base na melhor informação técnica e científica disponível, a decisão é difusa e, caso não alcance o resultado esperado, era o que no momento da tomada da decisão se apresentava como o certo a fazer.

Por outro lado, caso o governante contrarie aquilo que indicam as informações do grupo e negligencie os alertas, as red flags que lhe são apresentadas, ele passa a ser o único responsável pela decisão tomada.

No universo da empresa, tal decisão poderá representar a demissão e até mesmo a responsabilização do indivíduo empresário.

Já no universo da política pode significar o sucesso ou o fracasso do indivíduo político diante do escrutínio popular.

Como bem escreveu Galbraith, "… não se deve supor que um chefe possa substituir nem sequer retificar a inteligência organizada em decisões essenciais".

* Vicente Bagnoli é Professor da Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie e advogado.

Fonte: Assessoria de Imprensa Universidade Presbiteriana Mackenzie



Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


Oito dicas para advogados usarem melhor suas redes sociais

Especialista em marketing digital jurídico indica o que e como fazer para advogados se destacarem no universo online e atrair potenciais clientes.

Oito dicas para advogados usarem melhor suas redes sociais

Conheça cinco vantagens do Pix para empresas

MEIs e PMEs podem economizar cerca de R$ 2.000 em serviços e produtos bancários por ano.

Conheça cinco vantagens do Pix para empresas

Advogados abordarão o impacto de conflitos éticos e estatais na relação entre países

Começa no dia 13 de abril, a partir das 9h30, o “Fórum Mundial de Litígio”.


Inversões da Justiça e as 15 milhões de vítimas de fraudes financeiras no Brasil

De grande repercussão na mídia nacional e até internacional, o caso da GAS Consultoria chama atenção pelos valores envolvidos, que ultrapassam bilhões de reais e deixam milhares de pessoas na incerteza sobre o paradeiro das suas economias.


Compras efetuadas com cartão furtado geram indenização a cliente

O Brasil é o país campeão em vazamento de cartões. Considerando todos os outros países, a população brasileira é a maior vítima, totalizando 45,4% dos casos do mundo todo.


O Rompimento do Noivado e suas consequências: uma breve análise

Intimamente ligado à noção de família, o instituto do casamento é universal e elemento comum em praticamente todos os ordenamentos jurídicos mundiais modernos.


Banco é condenado a indenizar cliente

O banco Itaú Unibanco foi condenado a indenizar uma cliente em R$ 10 mil, a título de danos morais, por não assegurar proteção e segurança para sua conta bancária.


Casal que foi desalojado de hotel deve ser indenizado

Justiça condena agência online por prejudicar viagem.


O último sobrenome deve sempre ser o do pai?

Na hora de registrar o nascimento dos filhos, é muito comum surgirem algumas dúvidas nos pais.


Proteção de dados pessoais torna direito fundamental após emenda

Desde que a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) entrou em vigor em setembro de 2018, as empresas passaram a ter a obrigação de garantir a segurança dos dados aos quais possuem acesso.