Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A vacinação compulsória e a dispensa por justa causa do empregado

A vacinação compulsória e a dispensa por justa causa do empregado

18/02/2021 Laura Ferreira Diamantino Tostes

A saúde é um direito constitucional de todos, corolário jurídico do direito à vida, conforme os artigos 5º, 6º, 196, da Constituição da República (CR).

Aos trabalhadores, coletivamente considerados, deve ser garantida a higidez do meio ambiente laboral e a redução dos riscos inerentes ao trabalho, por meio de normas de saúde, higiene e segurança, segundo o artigo 7º, XXII da CR.

Incumbe ao empregador respeitar e fazer cumprir as normas de segurança e medicina do trabalho, instruindo os empregados quanto às precauções a tomar a fim de evitar doenças ocupacionais.

Por outro lado, os empregados têm o dever de observar tais normas e colaborar com a empresa – dever de colaboração –, em concordância com os artigos 16 e 19 da Convenção 155 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), e 157 e 158 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

Toda pessoa possui o direito de que sua vida seja respeitada, segundo o artigo 4º da Convenção Americana de Direitos Humanos.

O artigo 10 do Protocolo Adicional à Convenção Americana sobre Direitos Humanos em matéria de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, dispõe que a saúde é bem público, devendo ser garantido às pessoas o direito à total imunização contra as doenças.

Na esteira da lei nº 6437/77, que enquadra como infração sanitária a não execução de medidas imunológicas – determinação exposta no artigo 10 –, a lei nº 13979/20 em seu artigo 3º, autoriza a vacinação compulsória como medida de enfrentamento da emergência de saúde pública decorrente do novo coronavírus.

O Supremo Tribunal Federal (STF), no julgamento das Ações Diretas de Constitucionalidade 6586 e 6587, decidiu pela constitucionalidade da citada norma, repelindo, no entanto, a vacinação forçada.

Para concretizar o direito em questão, o STF autorizou a implementação de medidas indiretas que possam compelir à vacinação, desde que alinhadas ao direito à ampla informação, à dignidade humana e aos critérios da razoabilidade e proporcionalidade.

As medidas indiretas, segundo a citada decisão, poderão ser tomadas pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios e as vacinas deverão ser distribuídas universal e gratuitamente.

De acordo com o artigo 158, parágrafo único, alínea b da CLT, constitui ato faltoso do empregado a recusa injustificada ao uso dos equipamentos de proteção individual fornecidos pela empresa.

Por analogia – artigo 8º da CLT –, a norma em questão pode ser aplicada para justificar a dispensa por justa causa do empregado que, injustificadamente, se recusa à vacinação determinada pelo empregador, ressaltando-se que o direito coletivo à saúde e à vida deve sobrepor-se ao direito individual à liberdade de escolha.

* Laura Ferreira Diamantino Tostes é mestre em Direito, assessora de desembargadora do TRT3 e professora na Faculdade de Direito Milton Campos.

Para adquirir LIVROS clique aqui…

Fonte: Naves Coelho Comunicação



O perigo da pejotização para as startups

Os recentes conflitos envolvendo a Uber e a justiça trabalhista em ações que reivindicam o vínculo de emprego de motoristas junto à empresa ganhou a atenção da sociedade e até do Palácio do Planalto.

Autor: Ricardo Grossi


Uma boa dose de bom senso em favor do trabalhador gaúcho!

O bom senso precisa falar mais alto, de tal maneira que ninguém saia ainda mais prejudicado nesta tragédia.

Autor: Sofia Martins Martorelli


Crise no setor de saúde e a suspensão de venda de planos da Prevent Sênior

A suspensão de venda de planos de saúde familiares e individuais por uma operadora, como no caso da Prevent Senior, geralmente ocorre sob a égide da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que é o órgão regulador do setor.

Autor: Natália Soriani


Recuperação extrajudicial do grupo Casas Bahia

Entenda algumas vantagens desse modelo para reestruturação da sociedade.

Autor: João Pedro Gonçalves de Sousa


Trabalhador pode se opor a pagar contribuições assistenciais feita ao sindicato

“A manifestação coletiva, em assembleia, é a forma e o momento mais adequados para se exprimir a vontade dos empregados”.

Autor: Divulgação


Correção de rumos no STF: pejotização é fraude trabalhista

O Supremo Tribunal Federal (STF) tem recebido nos últimos meses uma quantidade expressiva de reclamações constitucionais para cassar decisões da Justiça do Trabalho relativas a contratos fraudulentos de prestação de serviços.

Autor: Cíntia Fernandes


Novas regras para notificação de inadimplência e exclusão de planos de saúde

O próximo dia 1º de setembro será marcado por uma importante mudança na relação entre consumidores e operadoras de planos de saúde.

Autor: Natália Soriani


O cancelamento unilateral dos planos de saúde é legalmente possível?

Apesar de possível, Jurista do CEUB considera a rescisão unilateral e sem motivo como abusiva, já que configura a potencial violação do princípio constitucional de proteção à vida.

Autor: Divulgação


O embate Twitter Files Brasil: que legado queremos deixar?

Elon Musk está usando sua plataforma X (ex-Twitter) para um duelo digital com o presidente do STF, Alexandre de Moraes.

Autor: Patrícia Peck


Justiça e inclusão: as leis para pessoas com TEA

Por muito tempo, os comportamentos típicos de crianças que tinham Transtorno do Espectro Autista (TEA) foram tratados como “frescura”, “pirraça” ou “falta de surra”.

Autor: Matheus Bessa e Priscila Perdigão


Você conhece a origem dos seus direitos?

Advogado e professor Marco Túlio Elias Alves resgata a história do Direito no Brasil e no mundo em livro que democratiza os saberes jurídicos.

Autor: Divulgação


Os planos de saúde e os obstáculos ao bem-estar dos pacientes

No contexto do direito à saúde no Brasil, os planos de saúde privados são regulados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que estabelece normas e diretrizes para garantir a cobertura assistencial aos consumidores.

Autor: Natália Soriani