Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A verdade sobre o “salário” da magistratura

A verdade sobre o “salário” da magistratura

17/08/2018 Arivaldo Resende de Castro Júnior

O primeiro ponto a ser esclarecido, seria o teto Constitucional, e quais verbas o compõe.

Caros leitores, sinto-me na obrigação de esclarecer alguns pontos, que via de regra não ficam bem claros ao público, quando o assunto é a composição dos salários pagos a magistratura, bem como se tais “salários” são recebidos dentro da legislação vigente.

O primeiro ponto a ser esclarecido, seria o teto Constitucional, e quais verbas o compõe. Pois bem, o teto seria o valor máximo que qualquer Servidor/Funcionário Público, poderia receber a título de remuneração ou aposentadoria por mês, sendo este teto definido no âmbito federal, pelo subsídio dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), atualmente R$ 33.763,00.

Agora, o que compõe este teto? O teto é composto apenas pelas verbas remuneratórias ordinárias, portanto, os valores referentes a abonos, auxílios, diferenças salariais, etc., ficam fora deste cômputo, tanto para os servidores quanto para os magistrados.

O teto mineiro, é composto pelo subsídio dos desembargadores do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), atualmente R$ 30.471,11. Contudo, como vimos acima, várias verbas não incorporam este valor, neste ponto devemos observar que os Desembargadores/Juízes do TJMG, assim como toda a magistratura nacional, recebem além de seu subsídio, verbas de cunho esporádico como abonos, auxílios, diferenças salariais, etc.

Outro ponto importante na carreira dos Servidores Públicos/Magistrados, são as chamadas “Férias Prêmio”, que garante a estes, o direito a 3 meses de férias extras a cada 5 anos de serviços prestados, sendo divididas hoje em 2 categorias, as adquiridas antes e depois de 29/02/2004, pois os períodos de férias adquiridos antes do advento da EC 57/2003, podem ser convertidos em espécie quando da aposentadoria do servidor.

Já as adquiridas em períodos posteriores à citada lei, somente poderiam ser gozadas (em tese). Digo “em tese” pois judicialmente, inclusive já com análise pelo STF, temos conseguido reverter esta situação, onde via processo judicial, os servidores garantem o seu direito de perceber estes valores, contudo, pagos via precatório.

Pois bem, em Minas Gerais, a LC 146/18, permite aos magistrados receberem estas férias em espécie, desde que sejam negadas o seu gozo, por necessidade do serviço público, limitada a 2 períodos por ano. Com esta mudança, a tendência é que os valores pagos aos magistrados, seja desmembrado no decorrer dos anos, com isso os “salários” pagos no ato das aposentadorias, passariam a ser bem menores.

As chamadas “Férias Prêmio”, foram instituídas em Minas Gerais pela lei 869/52, e devidamente chanceladas pelo advento de nossa Constituição Mineira em 1989. Interessante observar que somente damos atenção a estes recebimentos, por terem sido pagos de forma unificada, por isso convido o leitor, a dividir o valor recebido pelo magistrado, a título de férias prêmio, pelo número de meses trabalhados durante toda a sua carreira, onde chegaríamos a um percentual inferior a 3% do valor de seu subsídio, sendo este, o valor real recebido pelo magistrado correspondente ao mês de seu efetivo pagamento.

Quando nos deparamos com um caso em que um magistrado recebeu valores aproximados de R$ 500.000,00, podemos afirmar que somente agora, no ato de sua aposentadoria, este requereu as indenizações de suas “Férias Prêmio” não gozadas, sendo o pagamento de tais valores, feitos de acordo com a legislação vigente. Outra análise a ser feita, é o fato de que o magistrado não ter gozado de suas “Férias Prêmio”, pela necessidade do Serviço Público durante toda sua carreira.

Portanto, com toda clareza e a luz de nossa constituição, concluo ser plenamente possível que um magistrado receba valores em um único mês, que ultrapasse a cifra de R$ 500.000,00, porém, tal valor é composto de seu subsídio, abonos, auxílios, diferenças salariais e de “Férias Prêmio” adquiridas e não gozadas durante toda uma vida profissional.

* Arivaldo Resende de Castro Júnior é advogado, vice-presidente da Comissão de Direito Administrativo da Ordem dos Advogados do Brasil/MG (OAB-MG), fundador e administrador do escritório Resende Castro Adv. e Consultoria.

Fonte: Naves Coelho Assessoria e Marketing



Chegou a vez das falências?

O governo enviou ao Congresso um conjunto de alterações com o objetivo de dar mais protagonismo aos credores no processo de falência.

Autor: Leonardo Ribeiro Dias e João Máximo Rodrigues


Transferir bens em vida é dar poder de escolha ao doador

Planejar a sucessão de bens é um momento importante para qualquer família que tem patrimônio.

Autor: Divulgação


Perícia online para benefícios por incapacidade: vantagens e desvantagens

É importante lembrar que o acesso a benefícios previdenciários é um direito assegurado pela Constituição.

Autor: Carla Benedetti


PL que garante água gratuita em eventos é bem-vindo, mas deveria virar lei

A fatalidade que envolveu Ana Benevides deve se converter numa lei que representa um avanço aos direitos sociais.

Autor: Ianka De Paul


Os efeitos danosos da venda sem receita de medicamentos tarjados em drogarias

Nos últimos meses, alguns medicamentos ficaram “famosos” ao se tornarem extremamente populares no país.

Autor: Claudia de Lucca Mano


Relatório de Transparência Salarial e o prazo de preenchimento para as empresas

Em janeiro, foi anunciado o prazo para as empresas com mais de 100 empregados realizarem o preenchimento ou retificação do Relatório de Transparência Salarial.

Autor: Anna Carolina Gogolla Kalmus 


Eleitores abrem processo contra a cidade devido ao fluxo de imigrantes ilegais

O movimento destaca a necessidade de uma abordagem imigratória que favoreça a população local.

Autor: Divulgação


Cancelamento do plano de saúde por falta de pagamento

Nos últimos anos, tem se tornado cada vez mais comum ouvir relatos de consumidores que tiveram seus planos de saúde cancelados de forma abrupta e sem aviso prévio devido à falta de pagamento.

Autor: José Santana Júnior


Associação das Microcervejarias do Paraná processa CREA/PR e CRQ/PR

Uma ação civil pública da Associação das Microcervejarias do Estado do Paraná (Procerva) contra o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná (CREA/PR) e o Conselho Regional de Química (CRQ/PR) questiona a obrigatoriedade que os órgãos impunham ao setor sobre a necessidade de registro das cervejarias nas entidades, principalmente, sobre o pagamento de taxas e anuidades.

Autor: Divulgação


Lei de Improbidade e a exigência da comprovação do dolo

Não se pode condenar um servidor público, por exemplo, por indícios de improbidade.

Autor: Ana Toledo


Existe prisão em flagrante por homofobia?

Indignação com caso de homofobia ocorrido em padaria gera dúvidas sobre punição prevista para crimes de preconceito.

Autor: Divulgação


Mudanças nas regras sobre nacionalidade brasileira

No âmbito do Direito Constitucional, 2023 ficou marcado por mais uma mudança nas regras que disciplinam a nacionalidade brasileira.

Autor: Michele Hastreiter e Mariane Silverio