Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Abandono de animais é uma triste realidade brasileira

Abandono de animais é uma triste realidade brasileira

15/03/2023 Divulgação

Penalização de cinco anos de prisão não é suficiente para inibir prática.

No aniversário, um cachorrinho ou um gatinho. Na páscoa, ovos de chocolate e um coelhinho de verdade. Esses são presentes muito comuns para crianças, mas que exigem uma análise minuciosa dos adultos antes de oferecê-los aos pequenos.

Afinal, bichinhos de estimação também necessitam de cuidados. Apesar do contato com animais de estimação proporcionar inúmeros benefícios às crianças, como fortalecimento do sistema imune, estímulos cerebrais, desenvolvimento emocional e estímulo a atividades físicas, os pets dão muito trabalho e trazem responsabilidades.

Na contramão dos benefícios e da paixão pelos pets, o Instituto Pet Brasil (IBP) apontou que o país possui cerca de 185 mil animais abandonados ou resgatados após maus-tratos, sob a tutela de organizações não governamentais (ONGs) e grupos de protetores, sendo 60% resgatados após maus-tratos e 40% são frutos de abandonos.

Em pesquisa publicada pela Revista de Educação Continuada em Medicina Veterinária e Zootecnia do CRMV-SP, os principais motivos para abandono de pets são problemas comportamentais dos cães (46,8%); mudanças na disponibilidade de espaço ou nas regras de conduta social do espaço ocupado pelo ser humano (29,1%); o estilo de vida do proprietário do cão (25,4%) e a diferença entre a expectativa ao adquirir o cão e a realidade de cuidados necessários (14,9%).

Quando um animal é abandonado nas ruas, fica exposto a doenças infecciosas, maus tratos e acidentes como atropelamentos.

Segundo a médica veterinária e professora do IBMR, Isabela Morales, além dessa exposição à saúde dos pets, o fato de terem recebido tratamento doméstico, com casa, comida e uma família, sentirão esse momento de abandono sem alimento e sem o carinho ao qual estavam acostumados.

“Precisamos conscientizar os tutores que animais não são descartáveis, devem ser adotados com total ciência de que têm um tempo de vida de no mínimo 10 anos, que são seres que demandam comida, água, idas ao veterinário, vacinas, tempo de qualidade com o tutor e lazer”, explica.

No Brasil, o abandono de animais é crime desde 1998, de acordo com a Lei 9.605/98. Em 2020, com a aprovação da Lei Federal 14.064/20, o tutor identificado pode ter pena de até cinco anos de prisão. Penalidade considerada mínima perto dos traumas desenvolvidos pelos animais abandonados.

A veterinária explica que, quando um animal é resgatado das ruas, ele retorna com muitos traumas e para fazer com que o pet volte a confiar no humano é um processo demorado, que exige carinho e paciência.

“É importante que sejam oferecidas todas aquelas bases fundamentais para o bem-estar desse pet - comida, água, um local de moradia com higiene, cuidados a sua saúde e atenção. Alguns animais podem ter alguns traumas e a melhor indicação é que seja conversado com o clínico veterinário responsável e até mesmo avaliar a necessidade de uma consulta com o médico veterinário comportamental”, orienta.

Para mais informações sobre abandono de animais clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Rede Comunicação



Novas regras de combate ao telemarketing abusivo entram em vigor

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) implementou uma série de novas medidas para combater o telemarketing abusivo, reforçando a proteção dos consumidores brasileiros.

Autor: Divulgação


Licença-maternidade sem carência para as autônomas

Foi uma decisão histórica, e com 25 anos de atraso!

Autor: Nayara Felix


Recorde de queixas contra planos de saúde e a necessidade de mudanças

Nos últimos dez anos, o Brasil testemunha um aumento alarmante nas queixas de consumidores contra planos de saúde.

Autor: Natália Soriani


Conflitos condominiais

Tipos de ações judiciais e maneiras eficientes de resolvê-los.

Autor: Divulgação


Se a doença é rara, o tratamento não pode ser

13 milhões de brasileiros convivem hoje com doenças raras, de acordo com o Ministério da Saúde.

Autor: Thayan Fernando Ferreira


O perigo da pejotização para as startups

Os recentes conflitos envolvendo a Uber e a justiça trabalhista em ações que reivindicam o vínculo de emprego de motoristas junto à empresa ganhou a atenção da sociedade e até do Palácio do Planalto.

Autor: Ricardo Grossi


Uma boa dose de bom senso em favor do trabalhador gaúcho!

O bom senso precisa falar mais alto, de tal maneira que ninguém saia ainda mais prejudicado nesta tragédia.

Autor: Sofia Martins Martorelli


Crise no setor de saúde e a suspensão de venda de planos da Prevent Sênior

A suspensão de venda de planos de saúde familiares e individuais por uma operadora, como no caso da Prevent Senior, geralmente ocorre sob a égide da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que é o órgão regulador do setor.

Autor: Natália Soriani


Recuperação extrajudicial do grupo Casas Bahia

Entenda algumas vantagens desse modelo para reestruturação da sociedade.

Autor: João Pedro Gonçalves de Sousa


Trabalhador pode se opor a pagar contribuições assistenciais feita ao sindicato

“A manifestação coletiva, em assembleia, é a forma e o momento mais adequados para se exprimir a vontade dos empregados”.

Autor: Divulgação


Correção de rumos no STF: pejotização é fraude trabalhista

O Supremo Tribunal Federal (STF) tem recebido nos últimos meses uma quantidade expressiva de reclamações constitucionais para cassar decisões da Justiça do Trabalho relativas a contratos fraudulentos de prestação de serviços.

Autor: Cíntia Fernandes


Novas regras para notificação de inadimplência e exclusão de planos de saúde

O próximo dia 1º de setembro será marcado por uma importante mudança na relação entre consumidores e operadoras de planos de saúde.

Autor: Natália Soriani