Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Advocacia 4.0: o futuro é agora

Advocacia 4.0: o futuro é agora

28/02/2020 Luzia Neves de Azevedo

A primeira revolução industrial mobilizou a mecanização da produção usando água e energia a vapor.

A segunda revolução industrial, então, introduziu a produção em massa com a ajuda da energia elétrica.

A terceira revolução industrial surgiu da mudança de sistemas analógicos e mecânicos para sistemas digitais, resultado direto do enorme desenvolvimento em computadores e tecnologia da informação e comunicação.

O termo “Indústria 4.0” teve origem de um projeto estratégico de alta tecnologia do Governo Alemão, que promove a informatização da manufatura. Indústria 4.0 ou Quarta Revolução Industrial é uma expressão que engloba algumas tecnologias para automação, troca de dados e utiliza conceitos de Sistemas ciber-físicos, Internet das Coisas e Computação em Nuvem.

A quarta revolução está transformando a forma como vivemos, trabalhamos e nos relacionamos com o mundo.

O universo jurídico vem vivenciando mudanças com a vasta tecnologia e todos os dias está rompendo barreiras da era 4.0!

Um marco importante dentro poder judiciário foi à transformação dos processos de papel para os sistemas de processos eletrônicos.

Com a base no sistema informatizado do poder judiciário, a inteligência artificial trouxe aos departamentos jurídicos condições do gerenciamento e gestão mais eficiente dos processos, como exemplo, na coleta e armazenamento de informações, no tratamento de dados, acompanhamento de prazos, audiências, elaboração de relatórios, dentre outras infinidades de possibilidades.

A revolução abrange também recursos mais complexos, como inteligência artificial, jurimetria e big data, inovações que estão sendo estudadas e adotadas pelo mundo jurídico.

Os departamentos jurídicos devem estar preparados, com profissionais capacitados para a tecnologia utilizada. Esta tecnologia deve ser aliada para eliminar trabalhos repetitivos, trazer segurança e qualidade nos serviços prestados.

A revolução 4.0 é um convite inegável para que a advocacia se mantenha reinventando, inovando e oferecendo serviços jurídicos de alta qualidade.

Com relação ao advogado 4.0, ele já está inserido no mundo moderno do direito, vê a tecnologia como uma aliada, conhece e utiliza as ferramentas digitais para dinamizar sua atuação profissional, inserindo-a em seu cotidiano, utilizando diversas plataformas tecnológicas para potencializar seu trabalho.

Remete muitas de suas atividades jurídico/administrativas para os sistemas informatizados, dedicando-se às tarefas estratégicas e intelectuais.

Para manter-se atualizado sobre as inovações, se atualiza e se capacita no Direito Digital, em novas tecnologias e a automação das atividades, utiliza plataformas jurídicas online, realiza assinaturas digitais, contrata correspondentes jurídicos por meio de sites especializados, participa de reuniões via conferência online, entre outras atividades.

Os escritórios e departamentos jurídicos inseridos na revolução 4.0 investem em tecnologia e softwares jurídicos, seus profissionais são dinâmicos e dispostos a desenvolver competências para trabalhar com as inovações.

São modernos, têm facilidade em delegar as máquinas e as tecnologias o que elas podem fazer e concentrar-se nas tarefas estratégicas e na produção de conteúdo que realmente atendam às necessidades dos clientes, direcionando seus esforços a alta qualidade na prestação de serviços.

Nesta revolução, os escritórios e departamentos jurídicos se atentos as novas exigências dos clientes, trabalham com demandas mais elaboradas, se comprometem a realizar atendimentos dinâmicos pelo uso de meios eletrônicos.

Os escritórios e departamento jurídicos que se adequam aos novos tempos digitais estão no rumo correto, assim como os profissionais do direito, que devem aderir à advocacia 4.0, se preparar para as ferramentas e tendências de um novo mercado jurídico.

* Luzia Neves de Azevedo é advogada integrante do escritório Cerveira, Bloch, Goettems, Hansen e Longo Advogados Associados.

Fonte: Ex-Libris Comunicação Integrada



A inadequação da mediação obrigatória pré-judicial

Nos últimos anos, a sobrecarga do sistema judiciário brasileiro tem provocado o debate acerca da obrigatoriedade da tentativa de solução extrajudicial de conflitos antes do ajuizamento de ações judiciais, como uma forma de comprovar o interesse de agir.

Autor: Suzana Cremasco


Novas regras de combate ao telemarketing abusivo entram em vigor

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) implementou uma série de novas medidas para combater o telemarketing abusivo, reforçando a proteção dos consumidores brasileiros.

Autor: Divulgação


Licença-maternidade sem carência para as autônomas

Foi uma decisão histórica, e com 25 anos de atraso!

Autor: Nayara Felix


Recorde de queixas contra planos de saúde e a necessidade de mudanças

Nos últimos dez anos, o Brasil testemunha um aumento alarmante nas queixas de consumidores contra planos de saúde.

Autor: Natália Soriani


Conflitos condominiais

Tipos de ações judiciais e maneiras eficientes de resolvê-los.

Autor: Divulgação


Se a doença é rara, o tratamento não pode ser

13 milhões de brasileiros convivem hoje com doenças raras, de acordo com o Ministério da Saúde.

Autor: Thayan Fernando Ferreira


O perigo da pejotização para as startups

Os recentes conflitos envolvendo a Uber e a justiça trabalhista em ações que reivindicam o vínculo de emprego de motoristas junto à empresa ganhou a atenção da sociedade e até do Palácio do Planalto.

Autor: Ricardo Grossi


Uma boa dose de bom senso em favor do trabalhador gaúcho!

O bom senso precisa falar mais alto, de tal maneira que ninguém saia ainda mais prejudicado nesta tragédia.

Autor: Sofia Martins Martorelli


Crise no setor de saúde e a suspensão de venda de planos da Prevent Sênior

A suspensão de venda de planos de saúde familiares e individuais por uma operadora, como no caso da Prevent Senior, geralmente ocorre sob a égide da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que é o órgão regulador do setor.

Autor: Natália Soriani


Recuperação extrajudicial do grupo Casas Bahia

Entenda algumas vantagens desse modelo para reestruturação da sociedade.

Autor: João Pedro Gonçalves de Sousa


Trabalhador pode se opor a pagar contribuições assistenciais feita ao sindicato

“A manifestação coletiva, em assembleia, é a forma e o momento mais adequados para se exprimir a vontade dos empregados”.

Autor: Divulgação


Correção de rumos no STF: pejotização é fraude trabalhista

O Supremo Tribunal Federal (STF) tem recebido nos últimos meses uma quantidade expressiva de reclamações constitucionais para cassar decisões da Justiça do Trabalho relativas a contratos fraudulentos de prestação de serviços.

Autor: Cíntia Fernandes