Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Advocacia 4.0: o futuro é agora

Advocacia 4.0: o futuro é agora

28/02/2020 Luzia Neves de Azevedo

A primeira revolução industrial mobilizou a mecanização da produção usando água e energia a vapor.

A segunda revolução industrial, então, introduziu a produção em massa com a ajuda da energia elétrica.

A terceira revolução industrial surgiu da mudança de sistemas analógicos e mecânicos para sistemas digitais, resultado direto do enorme desenvolvimento em computadores e tecnologia da informação e comunicação.

O termo “Indústria 4.0” teve origem de um projeto estratégico de alta tecnologia do Governo Alemão, que promove a informatização da manufatura. Indústria 4.0 ou Quarta Revolução Industrial é uma expressão que engloba algumas tecnologias para automação, troca de dados e utiliza conceitos de Sistemas ciber-físicos, Internet das Coisas e Computação em Nuvem.

A quarta revolução está transformando a forma como vivemos, trabalhamos e nos relacionamos com o mundo.

O universo jurídico vem vivenciando mudanças com a vasta tecnologia e todos os dias está rompendo barreiras da era 4.0!

Um marco importante dentro poder judiciário foi à transformação dos processos de papel para os sistemas de processos eletrônicos.

Com a base no sistema informatizado do poder judiciário, a inteligência artificial trouxe aos departamentos jurídicos condições do gerenciamento e gestão mais eficiente dos processos, como exemplo, na coleta e armazenamento de informações, no tratamento de dados, acompanhamento de prazos, audiências, elaboração de relatórios, dentre outras infinidades de possibilidades.

A revolução abrange também recursos mais complexos, como inteligência artificial, jurimetria e big data, inovações que estão sendo estudadas e adotadas pelo mundo jurídico.

Os departamentos jurídicos devem estar preparados, com profissionais capacitados para a tecnologia utilizada. Esta tecnologia deve ser aliada para eliminar trabalhos repetitivos, trazer segurança e qualidade nos serviços prestados.

A revolução 4.0 é um convite inegável para que a advocacia se mantenha reinventando, inovando e oferecendo serviços jurídicos de alta qualidade.

Com relação ao advogado 4.0, ele já está inserido no mundo moderno do direito, vê a tecnologia como uma aliada, conhece e utiliza as ferramentas digitais para dinamizar sua atuação profissional, inserindo-a em seu cotidiano, utilizando diversas plataformas tecnológicas para potencializar seu trabalho.

Remete muitas de suas atividades jurídico/administrativas para os sistemas informatizados, dedicando-se às tarefas estratégicas e intelectuais.

Para manter-se atualizado sobre as inovações, se atualiza e se capacita no Direito Digital, em novas tecnologias e a automação das atividades, utiliza plataformas jurídicas online, realiza assinaturas digitais, contrata correspondentes jurídicos por meio de sites especializados, participa de reuniões via conferência online, entre outras atividades.

Os escritórios e departamentos jurídicos inseridos na revolução 4.0 investem em tecnologia e softwares jurídicos, seus profissionais são dinâmicos e dispostos a desenvolver competências para trabalhar com as inovações.

São modernos, têm facilidade em delegar as máquinas e as tecnologias o que elas podem fazer e concentrar-se nas tarefas estratégicas e na produção de conteúdo que realmente atendam às necessidades dos clientes, direcionando seus esforços a alta qualidade na prestação de serviços.

Nesta revolução, os escritórios e departamentos jurídicos se atentos as novas exigências dos clientes, trabalham com demandas mais elaboradas, se comprometem a realizar atendimentos dinâmicos pelo uso de meios eletrônicos.

Os escritórios e departamento jurídicos que se adequam aos novos tempos digitais estão no rumo correto, assim como os profissionais do direito, que devem aderir à advocacia 4.0, se preparar para as ferramentas e tendências de um novo mercado jurídico.

* Luzia Neves de Azevedo é advogada integrante do escritório Cerveira, Bloch, Goettems, Hansen e Longo Advogados Associados.

Fonte: Ex-Libris Comunicação Integrada



As novas regras e as lacunas do teletrabalho

No último dia 3 de agosto, o Senado Federal aprovou o projeto de lei de conversão da Medida Provisória 1.108/2022, que cria novas regras para o teletrabalho no Brasil.


Pais, quais são os seus direitos?

Embora ainda não haja um direito específico para esse público, há casos em que eles recebem o equivalente ao salário maternidade.


As Eleições de 2022 e o grande desafio da LGPD

A produção e uso de dados de eleitores é um recurso frequentemente utilizado por chapas concorrentes durante o período eleitoral.


A evolução na legislação do teletrabalho no Brasil

As transformações nas relações trabalhistas impostas pela pandemia da Covid-19 foram fundamentais para solidificar algumas flexibilizações previstas na reforma trabalhista.


Decisão do TST traz repercussão ao salário dos aprendizes

Como é de conhecimento da grande maioria dos departamentos de Recursos Humanos, a elaboração do cálculo do salário do aprendiz nunca foi assunto fácil.


Em briga de marido e mulher, o condomínio é obrigado a meter a colher

Está cada vez mais em desuso a frase retrógrada que recomenda: “em briga de marido e mulher, ninguém mete a colher”.


Lei de Improbidade, STF e o futuro das eleições

Nessa próxima semana o Supremo Tribunal Federal poderá alterar os rumos das Eleições de outubro.


A safra futura pode ser considerada bem essencial em caso de recuperação judicial?

A safra futura, na maioria dos casos, serve de fomento para a nova plantação e é responsável pelo giro de capital do produtor rural, sendo imprescindível para as atividades produtivas, principalmente para o empresário rural em crise.


Dúvidas sobre inventário pode gerar custos desnecessários

Quando se perde um ente querido tem-se de lidar com a dor e, ao mesmo tempo, com os processos exigidos por lei para a divisão de bens, o famoso inventário.


Justiça do Espírito Santo reconhece legalidade da Buser

Magistrado destaca que imposição da regra do circuito fechado ao transporte por fretamento fere autonomia e liberdade de locomoção dos consumidores.


Bolsas, exchanges cripto e o funcionamento dos mercados

Esses dias conversava com um jovem investidor de criptomoedas que nunca havia operado em bolsa de valores (sim, eles existem).


União Federal permite a utilização de prejuízo fiscal em transação tributária

Desde 2020, grandes devedores podem regularizar seus débitos tributários por meio da celebração de Acordo de Transação Individual.