Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Anvisa e a queda de braço com e-commerces de farmácias de manipulação

Anvisa e a queda de braço com e-commerces de farmácias de manipulação

17/01/2024 Claudia de Lucca Mano

No início do segundo semestre de 2023, inúmeras farmácias de manipulação receberam, através de e-mail, intimação supostamente vinda da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), para retirada de páginas de oferta de produtos manipulados de seus websites.

As empresas suspeitaram de fraude eletrônica, visto que a própria Anvisa noticiou, em 2021, que não realizava interações por e-mail.

De fato, a Agência mantém um sistema para comunicar-se com o setor regulado, denominado "Solicita", onde são lançados os comunicados oficiais, tais como como autos de infração, exigências e decisões de processos administrativos.

A mensagem determina a imediata derrubada das páginas de oferta de produtos, alegando “possível irregularidade”, sem especificar a natureza e enquadramento. Ou seja, sem dizer em que medida a prática ofende a legislação sanitária vigente.

É verdade que a Anvisa proíbe as farmácias de manipulação de realizarem e-commerce de produtos manipulados, mesmo dos isentos de prescrição médica, criando barreiras para o estoque mínimo e exposição de produtos magistrais com objetivo de propaganda (RDC 67/07 ANVISA, itens 10.1 e 10.2, 5.14).

Em razão disso muitas farmácias ingressaram no Judiciário para obter provimentos judiciais que as liberem para expor produtos que não dependem de prescrição médica - medicamentos de venda livre, suplementos, cosméticos, fitoterápicos - ao público em geral, algo que não é proibido para drogarias (farmácias sem manipulação).

Afinal, a lei de propaganda de medicamentos (9294/96) permite que produtos sem exigência de receituário possam ser divulgados diretamente ao público consumidor.

Já os produtos de prescrição devem focar no profissional de saúde autorizado a prescrever. Neste raciocínio, um regulamento inferior (RDC) não pode criar vedações não previstas em lei.

Pois bem. As notificações através do e-mail focavam em páginas de oferta de produtos manipulados, divulgadas em websites de farmácia. Na ocasião, duas marcas de ativos isentos de prescrição médica apareciam na mira da Anvisa.

Em consulta ao "Fala BR" sobre a procedência das notificações, o órgão confirmou que tem um projeto piloto, que realiza varreduras automáticas de sites para identificar produtos supostamente irregulares, e exigir a derrubada das páginas.

As notificações indicam ser possível esclarecer dúvidas ao responder o próprio e-mail, de modo que, em alguns casos, as empresas atingidas questionaram a procedência das medidas restritivas.

Importante ressaltar que muitas farmácias possuem autorização judicial para e-commerce. No entanto, a Anvisa não dá um retorno as empresas e continua expedindo notificações reiteradas e de modo automático, ignorando os questionamentos, mesmo quando estes apontam para a existência de decisões judiciais favoráveis ao e-commerce de produtos manipulados.

Ninguém aprecia burocracia. Mas o devido processo legal existe para proteger a sociedade de atos arbitrários de autoridades públicas. Não havendo analise das respostas, o direito ao contraditório fica prejudicado.

Ademais, o enquadramento das supostas irregularidades tem sido bastante vago, o que dificulta a análise dos casos para a elaboração de defesas apropriadas a cada caso.

Se por um lado a Anvisa carece de mecanismos efetivos para coibir o comércio ilegal de produtos que afetam a saúde da população por meios virtuais, por outro a agencia não pode atropelar o devido processo legal e ignorar as manifestações das empresas que defendem a regularidade de páginas de ofertas de produtos isentos de prescrição médica.

É preciso equilibrar o interesse público com a esfera de direitos garantidos à iniciativa privada, a fim de que as medidas tomadas pelo poder público possuam suficiente respaldo e legalidade para serem efetivas e sustentáveis, sob o prisma da segurança jurídica.

* Claudia de Lucca Mano é advogada, sócia fundadora da banca De Lucca Mano Consultoria, consultora empresarial atuando desde 1994 na área de vigilância sanitária e assuntos regulatórios.

Para mais informações sobre farmácias de manipulação clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Ex-Libris Comunicação Integrada



Dengue x Covid-19

Demora no tempo de espera por atendimento hospitalar pode tornar caso jurídico.

Autor: Thayan Fernando Ferreira


Chegou a vez das falências?

O governo enviou ao Congresso um conjunto de alterações com o objetivo de dar mais protagonismo aos credores no processo de falência.

Autor: Leonardo Ribeiro Dias e João Máximo Rodrigues


Transferir bens em vida é dar poder de escolha ao doador

Planejar a sucessão de bens é um momento importante para qualquer família que tem patrimônio.

Autor: Divulgação


Perícia online para benefícios por incapacidade: vantagens e desvantagens

É importante lembrar que o acesso a benefícios previdenciários é um direito assegurado pela Constituição.

Autor: Carla Benedetti


PL que garante água gratuita em eventos é bem-vindo, mas deveria virar lei

A fatalidade que envolveu Ana Benevides deve se converter numa lei que representa um avanço aos direitos sociais.

Autor: Ianka De Paul


Os efeitos danosos da venda sem receita de medicamentos tarjados em drogarias

Nos últimos meses, alguns medicamentos ficaram “famosos” ao se tornarem extremamente populares no país.

Autor: Claudia de Lucca Mano


Relatório de Transparência Salarial e o prazo de preenchimento para as empresas

Em janeiro, foi anunciado o prazo para as empresas com mais de 100 empregados realizarem o preenchimento ou retificação do Relatório de Transparência Salarial.

Autor: Anna Carolina Gogolla Kalmus 


Eleitores abrem processo contra a cidade devido ao fluxo de imigrantes ilegais

O movimento destaca a necessidade de uma abordagem imigratória que favoreça a população local.

Autor: Divulgação


Cancelamento do plano de saúde por falta de pagamento

Nos últimos anos, tem se tornado cada vez mais comum ouvir relatos de consumidores que tiveram seus planos de saúde cancelados de forma abrupta e sem aviso prévio devido à falta de pagamento.

Autor: José Santana Júnior


Associação das Microcervejarias do Paraná processa CREA/PR e CRQ/PR

Uma ação civil pública da Associação das Microcervejarias do Estado do Paraná (Procerva) contra o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná (CREA/PR) e o Conselho Regional de Química (CRQ/PR) questiona a obrigatoriedade que os órgãos impunham ao setor sobre a necessidade de registro das cervejarias nas entidades, principalmente, sobre o pagamento de taxas e anuidades.

Autor: Divulgação


Lei de Improbidade e a exigência da comprovação do dolo

Não se pode condenar um servidor público, por exemplo, por indícios de improbidade.

Autor: Ana Toledo


Existe prisão em flagrante por homofobia?

Indignação com caso de homofobia ocorrido em padaria gera dúvidas sobre punição prevista para crimes de preconceito.

Autor: Divulgação