Portal O Debate
Grupo WhatsApp

As consequências da intimidade do Procurador e do Juiz

As consequências da intimidade do Procurador e do Juiz

12/02/2021 Dr. Marcelo Campelo

No início da semana, o Ministro do Supremo Ricardo Lewandowski levantou o sigilo de todas as conversas hackeadas entre o juiz, à época Sérgio Moro e o então Procurador Deltan Dallagnol.

Estes diálogos foram obtidos por meio de hackeamento de seus celulares, cujo teor revela uma relação maior do que a que um juiz e um procurador poderiam ter quando trabalham em um caso.

Antes de analisar propriamente o caso da lava-jato, vamos entender as partes em um processo criminal.

Quando alguém é acusado de um fato criminoso, uma Autoridade Policial ou Delegado de Polícia, investiga e relata o caso para o Promotor de Justiça e Juiz, no caso da Justiça Federal, Procurador da República.

Este, se entender existir um crime, denuncia, e o juiz recebe a denúnica formalmente e pede para um Oficial de Justiça citar o acusado.

Este, por sua vez, terá 10 dias para responder à acusação através de um advogado de defesa. Se não tiver condições de contratar um, o Estado proverá.

Conclui-se, então, que existem três sujeitos num processo criminal, independentes, em posições distintas: o juiz, destinatário das provas, isento, justo; o acusador, o Procurador da esfera federal ou Promotor de Justiça na esfera Estadual, que a partir das provas colhidas pela Autoridade Policial, instruirá o processo para buscar a condenação e, por fim, a defesa, que deve buscar o justo processo, seja uma absolvição ou condenação dentro do quadro probatório.

Imagine a hipótese do advogado de defesa ter uma relação pessoal de amizade com o juiz? Trocar mensagens sobre o processo de seu cliente, qual a melhor prova para absolvê-lo… Com certeza o órgão acusador irá tripudiar, e com razão.

E ao contrário, é permitido ao órgão acusador realizar conversas com o Magistrado sobre os processos? Também não.

O processo criminal, por envolver a liberdade das pessoas, bens que a sociedade decidiu proteger, como patrimônio público no caso da lava-jato, os órgãos de acusação e julgamento jamais poderiam trocar conversas, toda e qualquer conversa deveria estar nos autos do processo, para não colocar todo o trabalho em perigo como está acontecendo.

O juiz, o promotor e o advogado podem ser amigos? Não. Se o grau de amizade estiver num patamar que possa influenciar um processo, estarão impedidos de atuar no mesmo processo.

Conversas por aplicativos de mensagem, por si só, já demonstram existir uma relação maior do que a simples convivência de trabalho, pois você passa seu número particular de telefone para aqueles que são próximos.

Com a declaração de autenticidade das mensagens por parte da perícia realizada pela Polícia Federal, bem como o teor das conversas, infelizmente, todo o trabalho corre o risco de ser anulado e com fundamentação jurídica firme, pois a despeito de membros do Ministério Público trabalharem próximos a juízes, nosso sistema penal delimita muito as funções e as distâncias institucionais.

Para o bem de nosso país, espero que uma solução tranquila seja encontrada, mas o cargo do Procurador pode ser rifado e será uma enxurrada de sentenças anuladas, cujas prescrições, tão temidas, serão aplicadas.

* Dr. Marcelo Campelo é Advogado Especialista em Direito Criminal.

Para adquirir LIVROS clique aqui…

Fonte: Toda Comunicação



Uma boa dose de bom senso em favor do trabalhador gaúcho!

O bom senso precisa falar mais alto, de tal maneira que ninguém saia ainda mais prejudicado nesta tragédia.

Autor: Sofia Martins Martorelli


Crise no setor de saúde e a suspensão de venda de planos da Prevent Sênior

A suspensão de venda de planos de saúde familiares e individuais por uma operadora, como no caso da Prevent Senior, geralmente ocorre sob a égide da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que é o órgão regulador do setor.

Autor: Natália Soriani


Recuperação extrajudicial do grupo Casas Bahia

Entenda algumas vantagens desse modelo para reestruturação da sociedade.

Autor: João Pedro Gonçalves de Sousa


Trabalhador pode se opor a pagar contribuições assistenciais feita ao sindicato

“A manifestação coletiva, em assembleia, é a forma e o momento mais adequados para se exprimir a vontade dos empregados”.

Autor: Divulgação


Correção de rumos no STF: pejotização é fraude trabalhista

O Supremo Tribunal Federal (STF) tem recebido nos últimos meses uma quantidade expressiva de reclamações constitucionais para cassar decisões da Justiça do Trabalho relativas a contratos fraudulentos de prestação de serviços.

Autor: Cíntia Fernandes


Novas regras para notificação de inadimplência e exclusão de planos de saúde

O próximo dia 1º de setembro será marcado por uma importante mudança na relação entre consumidores e operadoras de planos de saúde.

Autor: Natália Soriani


O cancelamento unilateral dos planos de saúde é legalmente possível?

Apesar de possível, Jurista do CEUB considera a rescisão unilateral e sem motivo como abusiva, já que configura a potencial violação do princípio constitucional de proteção à vida.

Autor: Divulgação


O embate Twitter Files Brasil: que legado queremos deixar?

Elon Musk está usando sua plataforma X (ex-Twitter) para um duelo digital com o presidente do STF, Alexandre de Moraes.

Autor: Patrícia Peck


Justiça e inclusão: as leis para pessoas com TEA

Por muito tempo, os comportamentos típicos de crianças que tinham Transtorno do Espectro Autista (TEA) foram tratados como “frescura”, “pirraça” ou “falta de surra”.

Autor: Matheus Bessa e Priscila Perdigão


Você conhece a origem dos seus direitos?

Advogado e professor Marco Túlio Elias Alves resgata a história do Direito no Brasil e no mundo em livro que democratiza os saberes jurídicos.

Autor: Divulgação


Os planos de saúde e os obstáculos ao bem-estar dos pacientes

No contexto do direito à saúde no Brasil, os planos de saúde privados são regulados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que estabelece normas e diretrizes para garantir a cobertura assistencial aos consumidores.

Autor: Natália Soriani


R$ 200 mil não apaga a dor, mas paga a conta

Um caso de erro médico do interior de São Paulo chamou atenção de todo Brasil por conta de dois fatores.

Autor: Thayan Fernando Ferreira