Portal O Debate
Grupo WhatsApp

As indenizações após a extinção do DPVAT

As indenizações após a extinção do DPVAT

27/11/2019 Benigna Teixeira

Em 12 de novembro deste ano, foi publicada a Medida Provisória 904, que prevê a extinção do seguro por Danos Pessoais causados por Veículos Automotores de Via Terrestre (DPVAT).

As indenizações acidentárias são umas das principais questões debatidas após o fim do DPVAT.

O seguro obrigatório DPVAT deve ser pago na primeira parcela do IPVA ou com o pagamento em cota única, assim sendo, todos proprietários de veículos terrestres estão acobertados em caso de acidentes automotivos que causem morte, invalidez ou necessitem de assistência médica e suplementares (Lei 6.194/74, art. 3º).

As indenizações acidentárias são efetuadas pela Seguradora Líder Consórcio DPVAT S.A., que, no último relatório de 2018, indicou que foram pagas 328.142 indenizações para vítimas de acidentes de trânsito e seus beneficiários, sendo 38.281 em caso de morte, 228.102 em caso de invalidez permanente e 61.759 em despesas médicas.

No entanto, a Medida Provisória, determinou a extinção do seguro obrigatório, com o fundamento de existência de fraudes no sistema securitário.

E, por consequência, surgiram questionamentos a respeito das indenizações de acidentes de veículos terrestres. Dessa maneira, indaga-se: após a MP 904/19, as indenizações acidentárias de veículos automotivos continuarão a ser pagas?

De acordo com a MP 904, os sinistros ocorridos até 31 de dezembro de 2019 serão indenizados até 31 de dezembro de 2025 pela Seguradora líder do Consorcio do Seguro DPVAT S.A.

Assim, a extinção do seguro obrigatório ocorrerá a partir do dia 1º de janeiro de 2020 e não alcançará as indenizações dos anos anteriores.

Ressalta-se que a Medida Provisória tem eficácia por 60 dias, podendo ser prorrogada por mais 60 dias. Nesse período, o Congresso Nacional deverá analisar a medida provisória para convertê-la ou não em lei.

Assim, cada uma das casas do Congresso deliberará sobre o mérito da MP que dependerá de juízo prévio de constitucionalidade.

* Benigna Teixeira é mestre, professora universitária e advogada no escritório Bastos Freire.

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Os planos de saúde e os obstáculos ao bem-estar dos pacientes

No contexto do direito à saúde no Brasil, os planos de saúde privados são regulados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que estabelece normas e diretrizes para garantir a cobertura assistencial aos consumidores.

Autor: Natália Soriani


R$ 200 mil não apaga a dor, mas paga a conta

Um caso de erro médico do interior de São Paulo chamou atenção de todo Brasil por conta de dois fatores.

Autor: Thayan Fernando Ferreira


Precisamos mesmo de tantas leis?

O Direito surgiu como uma forma de organizar melhor as sociedades, uma vez que já havia algumas tradições reproduzidas a partir de exemplos ou de determinações orais que alguns grupos, especialmente os familiares, seguiam.

Autor: Marco Túlio Elias Alves


Proibição do chatbot na campanha eleitoral afeta políticos com menos recursos

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) atualizou normas relacionadas ao uso da inteligência artificial nas campanhas para as eleições municipais de 2024. A alteração é vista como pequena e mal discutida por especialistas da área.

Autor: Divulgação


Digitalização da saúde e os desafios na relação plano e consumidor

A digitalização da saúde, que compreende o uso de recursos tecnológicos e de Tecnologia da Informação (TI) para fins médicos, é um fenômeno que a cada ano se consolida e expande em todo o país.

Autor: Natália Soriani


Os equívocos do caso Robinho

A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ), no uso de competência constitucional e regimental, analisou e, por maioria de votos, homologou o pedido de execução da sentença penal condenatória proferida pela Justiça Italiana contra o ex-jogador Robinho.

Autor: Marcelo Aith


A nova lei de licitações: o que deve mudar daqui para frente?

O sucesso dessa legislação dependerá do compromisso de todas as partes envolvidas em trabalhar juntas.

Autor: Matheus Teodoro


Exclusão de dependentes maiores de 25 anos de planos de saúde

Os magistrados têm reconhecido a existência de uma expectativa de direito por parte dos consumidores.

Autor: José Santana Junior


TikTok e a multa milionária por captura ilegal de dados biométricos no Brasil

Por utilizar métodos que ferem a Lei Geral de Proteção de Dados e o Marco Civil da Internet, o TikTok, rede social famosa por vídeos de curta duração, foi multado em R$ 23 milhões pela Justiça.

Autor: Renato Falchet Guaracho


Como tornar o mundo jurídico descomplicado

A comunicação no mundo jurídico é uma das mais complicadas do mercado. Termos técnicos demais e palavras em latim, por exemplo, criam grandes obstáculos.

Autor: Gabriella Ibrahim


Por que a Meta deverá, obrigatoriamente, mudar de nome no Brasil?

A Meta, empresa dona dos aplicativos Facebook, Instagram e WhatsApp não poderá usar este nome no Brasil.

Autor: Renato Falchet Guaracho


Planejamento sucessório garante futuro do agronegócio

Especialista alerta para os desafios da sucessão familiar no campo e destaca a importância de um plano bem estruturado para a perpetuação do negócio.

Autor: Divulgação