Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Audiência de custódia

Audiência de custódia

03/05/2019 João Baptista Herkenhoff

A implementação das audiências de custódia, no sistema judiciário brasileiro, começou a ser efetivada em 2015.

Ainda não chegamos a um tempo em que alguma iniciativa pioneira, levada a efeito em qualquer parte do território nacional, seja reconhecida e proclamada em todo o país.

A implementação das audiências de custódia, no sistema judiciário brasileiro, começou a ser efetivada em 2015, por iniciativa do Conselho Nacional de Justiça, em parceria com o Ministério da Justiça e o Instituto de Defesa da Pessoa.

Quando a audiência de custódia foi nacionalmente introduzida, o escrivão de polícia Weder Grassi lembrou que, sem este nome, a prática já vinha sendo adotada no Espírito Santo há longo tempo.

O Juiz de Direito responsável pela iniciativa foi o autor deste artigo. Não sendo eterno o juiz, é prudente que o fato seja registrado em papel impresso, que também não é eterno, mas dura mais que o depoente.

Determinei há quatro décadas, através de portaria, que todo indivíduo preso, no território de minha jurisdição (Vila Velha, ES), fosse imediatamente trazido ao fórum.

Muitos presos que eram apresentados tinham cometido pequenos delitos e eram colocados imediatamente em liberdade.
Outros não eram liberados, mas voltavam à prisão mais seguros porque tinham sido apresentados ao juiz. Com toda certeza, não seriam torturados.

A Constituição Federal então vigente determinava que a prisão fosse comunicada ao juiz. Raciocinei que seria um aperfeiçoamento da norma constitucional que, ao fazer a comunicação da prisão, a Polícia apresentasse o detido.

Em razão de cuidados como este, nem sempre fui bem entendido. Alguns pensavam que agindo desta forma eu estava sendo defensor de bandidos. A desaprovação de alguns não me incomodou. Só me incomodaria trair a consciência.

Em tempos de muita violência, o discurso da repressão ganha novos adeptos. Crescem as estatísticas de apoiadores para teses como: redução da maioridade penal; agravamento das penas em geral com as devidas alterações no Código Penal; introdução da pena de morte; maior rigor dos juízes para aplicar as penas já previstas; abandono do princípio da presunção de inocência; adoção ampla do encarceramento e redução drástica de alternativas como liberdade vigiada, prestação de serviços à comunidade, multas; revogação do dispositivo legal que permite aos condenados recorrer de sentenças condenatórias em liberdade etc.

Sob a ótica do leigo estas ideias parecem eficazes para reduzir a criminalidade. Entretanto, à luz das pesquisas científicas, esses aparentes avanços: ou contribuem para aumentar as taxas de incidência criminal, ou não alteram em nada os índices anteriormente apurados.

* João Baptista Herkenhoff é Juiz de Direito aposentado (ES), palestrante e escritor.

Fonte: João Baptista Herkenhoff



Reforma da Previdência

Reforma da Previdência avança, mas ainda precisa de ajustes contra privilégios.


Aposentadoria especial

Período de afastamento por auxílio-doença integra contagem para aposentadoria especial.


Unimed deverá indenizar cliente por negar quimioterapia

Para relator, empresa pode restringir as doenças que terão cobertura, mas não os tratamentos.


Reforma da Previdência

A necessidade de inclusão dos Estados e Municípios na reforma da Previdência.


Por que a exigência de imparcialidade dos juízes é tão importante?

A imparcialidade é uma das razões de ser da jurisdição.


Os riscos da atividade de entregadores de aplicativos

A atividade tem atraído pessoas que se encontram desempregadas.


Fracassos notórios da Contratação Integrada

A contratação de obras e serviços pela administração pública deve seguir o regramento estabelecido por leis como forma de garantir a lisura do uso dos recursos públicos.


Novas regras sobre trabalho aos domingos e feriados

No dia 19 de junho, entrou em vigor a Portaria 604/2019 da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, do Ministério da Economia.


Universidade Pública para todos

A Universidade Pública deve ser igual para todos os que a frequentam.


Folga e feriado: o que a lei trabalhista diz sobre isso

Muitas vezes, o tão esperado feriado cai em uma terça ou quarta.


Insalubridade, mulheres e os riscos no mercado de trabalho

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu no dia 28 de maio que grávidas e lactantes não podem exercer atividades consideradas insalubres.


Associação é condenada por obrigar professora contratada a participar de culto evangélico

A associação terá que pagar R$ 20 mil de indenização por danos morais a ex-professora.