Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Bolsonaro e a indicação de Moro para o STF

Bolsonaro e a indicação de Moro para o STF

17/05/2019 Bady Curi Neto

Todos os cidadãos, que acompanham a política e os noticiários, sabem que o presidente Jair Bolsonaro, não mede as palavras ao proferi-las.

Se há algo de positivo é a transparência de seu pensamento vestido em suas falas. O que o Presidente pensa, ele diz, às vezes sem os filtros necessários para o cargo que ocupa. O negativo é que a oposição, cega e manipuladora, aproveita para tentar achincalhar o representante maior da nação.

Em entrevista para a rádio Bandeirantes, no dia 12 de maio, viralizada nos jornais e nas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro disse: “A primeira vaga que tiver, eu tenho esse compromisso com Moro e, se Deus quiser, cumpriremos esse compromisso”, e arrematou “Obviamente ele teria que passar por uma sabatina no Senado. Eu sei que não lhe falta competência para se aprovado lá. Mas uma sabatina técnico-política, tá certo? Então, eu vou honrar esse compromisso com ele, caso ele queira ir para lá. Ele seria um grande aliado não do governo, mas dos interesses do nosso Brasil dentro do STF”.

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, com a lhaneza que lhe é peculiar, falou a respeito do afirmado pelo presidente: “Não existe um acordo. Existe aí um presidente que colocou esta afirmação, que muito me honra, mas que isto vai ser resolvido quando tiver vaga. Agora não tem.”

Por evidente, segundo Moro, ele foi magistrado por 22 anos e todo magistrado tem um sonho de compor o Supremo Tribunal Federal (STF), mas não é algo que o preocupa no momento, o foco, agora, é no trabalho do Ministério da Justiça e Segurança Pública.

Sabe-se, que não é de bom tom, discutir indicação de vagas por antecipação, eis que a próxima vaga do STF se dará, somente, no próximo ano com a aposentadoria compulsória do decano Celso de Melo que completará 75 anos de idade.

Lado outro, não é novidade que o presidente sempre pretendeu nomear o ex-Juiz Sergio Moro para compor o mais alto Sodalício do país.

Jair Bolsonaro, em 2018, candidato à Presidência, afirmara, quando perguntado, que pretendia indicar “alguém com o perfil de Sergio Moro para o STF”, completando: “o trabalho que o Moro fez, tem que ser reconhecido por parte de um governo sério”.

Portanto, inexiste singularidade na fala do Presidente, o fato já era de conhecimento de todos. Pode-se dizer que a palavra do Presidente se fez desnecessária e, para os mais sensíveis, até mesmo, um exagero deselegante com o ministro Celso de Melo, que aposentará no ano vindouro, mas que, ainda, exerce com proficiência o seu mister.

O “mimimi” da oposição nada mais é do que metamorfosear um dizer prematuro do Presidente em um fato político, desarrazoado de qualquer sentido, na tentativa vã de desqualificar Sergio Moro.

Apesar de discordâncias pontuais de Moro, quando ele exercia a judicatura, a exemplo do excesso de prisões preventivas, não há que olvidar que era um magistrado preparado, culto, probo, trabalhador e que prestou um brilhante trabalho na condução do processo da Lava Jato.

Acaso a indicação do ex-Juiz Sergio Moro, à mais alta corte Constitucional se confirme, no momento adequado, ganhará o Brasil, a justiça e os jurisdicionados.

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG).

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Os planos de saúde e os obstáculos ao bem-estar dos pacientes

No contexto do direito à saúde no Brasil, os planos de saúde privados são regulados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que estabelece normas e diretrizes para garantir a cobertura assistencial aos consumidores.

Autor: Natália Soriani


R$ 200 mil não apaga a dor, mas paga a conta

Um caso de erro médico do interior de São Paulo chamou atenção de todo Brasil por conta de dois fatores.

Autor: Thayan Fernando Ferreira


Precisamos mesmo de tantas leis?

O Direito surgiu como uma forma de organizar melhor as sociedades, uma vez que já havia algumas tradições reproduzidas a partir de exemplos ou de determinações orais que alguns grupos, especialmente os familiares, seguiam.

Autor: Marco Túlio Elias Alves


Proibição do chatbot na campanha eleitoral afeta políticos com menos recursos

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) atualizou normas relacionadas ao uso da inteligência artificial nas campanhas para as eleições municipais de 2024. A alteração é vista como pequena e mal discutida por especialistas da área.

Autor: Divulgação


Digitalização da saúde e os desafios na relação plano e consumidor

A digitalização da saúde, que compreende o uso de recursos tecnológicos e de Tecnologia da Informação (TI) para fins médicos, é um fenômeno que a cada ano se consolida e expande em todo o país.

Autor: Natália Soriani


Os equívocos do caso Robinho

A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ), no uso de competência constitucional e regimental, analisou e, por maioria de votos, homologou o pedido de execução da sentença penal condenatória proferida pela Justiça Italiana contra o ex-jogador Robinho.

Autor: Marcelo Aith


A nova lei de licitações: o que deve mudar daqui para frente?

O sucesso dessa legislação dependerá do compromisso de todas as partes envolvidas em trabalhar juntas.

Autor: Matheus Teodoro


Exclusão de dependentes maiores de 25 anos de planos de saúde

Os magistrados têm reconhecido a existência de uma expectativa de direito por parte dos consumidores.

Autor: José Santana Junior


TikTok e a multa milionária por captura ilegal de dados biométricos no Brasil

Por utilizar métodos que ferem a Lei Geral de Proteção de Dados e o Marco Civil da Internet, o TikTok, rede social famosa por vídeos de curta duração, foi multado em R$ 23 milhões pela Justiça.

Autor: Renato Falchet Guaracho


Como tornar o mundo jurídico descomplicado

A comunicação no mundo jurídico é uma das mais complicadas do mercado. Termos técnicos demais e palavras em latim, por exemplo, criam grandes obstáculos.

Autor: Gabriella Ibrahim


Por que a Meta deverá, obrigatoriamente, mudar de nome no Brasil?

A Meta, empresa dona dos aplicativos Facebook, Instagram e WhatsApp não poderá usar este nome no Brasil.

Autor: Renato Falchet Guaracho


Planejamento sucessório garante futuro do agronegócio

Especialista alerta para os desafios da sucessão familiar no campo e destaca a importância de um plano bem estruturado para a perpetuação do negócio.

Autor: Divulgação