Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Caso Daniel Alves, a Lei Pelé e a cultura de atraso de salários no futebol brasileiro

Caso Daniel Alves, a Lei Pelé e a cultura de atraso de salários no futebol brasileiro

14/09/2021 Bruno Gallucci

Na última semana fomos surpreendidos pela atitude corajosa do lateral Daniel Alves que decidiu não atuar mais pelo São Paulo Futebol Clube, por conta de atrasos de salários.

Em um comunicado, o clube informou que o jogador se recusou a se reapresentar após servir a Seleção Brasileira pelas Eliminatórias da Copa do Mundo até que a dívida salarial seja quitada. São cerca de R$ 18 milhões.

Mas a questão que fica é: Daniel Alves tem o direito de se recusar a atuar pelo atraso de salário? Sim, o atleta profissional de futebol no Brasil pode se recusar a atuar pelo clube que atrasa os salários de forma recorrente.

E a postura do Daniel Alves está respaldada na Lei Pelé, que em seu artigo 32 dispõe:

"Art. 32. É lícito ao atleta profissional recusar competir por entidade de prática desportiva quando seus salários, no todo ou em parte, estiverem atrasados em dois ou mais meses".

Contratado em 2019, Daniel Alves tinha um salário de R$ 1,5 milhão mensais. Ou seja, o valor de R$ 18 milhões indica que os atrasos superaram esse prazo.

Ou seja, a conduta do Daniel e de seus representantes é legal e pode ser um novo marco no futebol brasileiro.

Isso porque, por se tratar de um atleta de Seleção Brasileira e com diversos títulos dentro e fora do país, pode servir de exemplo para os demais jogadores que hoje são reféns dessa cultura de atraso salarial no Brasil.

Importante destacar que em nenhuma outra categoria profissional no país os profissionais ficam sem receber seus salários por mais de 3, 4, ou 5 meses sem que alguma atitude seja tomada.

Quem sabe agora, com esse comportamento corajoso do Dani Alves de expor a situação e defender seus direitos, os clubes brasileiros tenham mais zelo no cumprimento dos contratos.

Agora, o caso pode evoluir para o Poder Judiciário caso o clube e o atleta não entrem em um acordo para saldar a dívida, de forma amigável.

Isso porque a A Lei Pelé prevê que o atraso de salário ou de remuneração por direito de imagem por três meses ou mais implica na rescisão do vínculo.

Assim, o jogador fica livre para se transferir a outro clube, além de exigir valores referentes à cláusula compensatória e outros valores devidos.

E já testemunhamos casos parecidos em jogadores de outros grandes clubes do país que deixaram as agremiações "de graça", por atrasos nos pagamentos mensais.

Assim, se não houver um acordo entre as partes, Daniel Alves poderá ter que se socorrer da Justiça do Trabalho para atuar por outro clube.

Vale destacar que para o jogador encerrar o contrato de trabalho unilateralmente por falta grave do empregador, neste caso o clube, como o atraso reiterado de verbas salariais, é necessário ingressar com uma ação trabalhista postulando a rescisão indireta do contrato de trabalho.

E, apesar, dos tribunais brasileiros estarem sendo, em sua maioria, favoráveis aos pedidos dos atletas em casos análogos ao do lateral da Seleção Brasileira, esse processo pode durar alguns meses e prejudicar o andamento da carreira do atleta.

Portanto, é necessário esclarecer que os clubes de futebol do Brasil precisam mudar essa cultura de atraso de salários.

Lógico que passamos por um momento de pandemia e de dificuldades financeiras no esporte, mas o atraso reiterado dos pagamentos aos atletas por mais de 3 meses são injustificáveis.

Que a coragem do Daniel Alves seja espelho para os demais jogadores e também um sinal de alerta para os dirigentes brasileiros.

* Bruno Gallucci é advogado especialista em Direito Desportivo e do Trabalho e sócio do escritório Guimarães e Gallucci Advogados.

Para mais informações sobre futebol clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Ex-Libris Comunicação Integrada



Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


Oito dicas para advogados usarem melhor suas redes sociais

Especialista em marketing digital jurídico indica o que e como fazer para advogados se destacarem no universo online e atrair potenciais clientes.

Oito dicas para advogados usarem melhor suas redes sociais

Conheça cinco vantagens do Pix para empresas

MEIs e PMEs podem economizar cerca de R$ 2.000 em serviços e produtos bancários por ano.

Conheça cinco vantagens do Pix para empresas

Advogados abordarão o impacto de conflitos éticos e estatais na relação entre países

Começa no dia 13 de abril, a partir das 9h30, o “Fórum Mundial de Litígio”.


Inversões da Justiça e as 15 milhões de vítimas de fraudes financeiras no Brasil

De grande repercussão na mídia nacional e até internacional, o caso da GAS Consultoria chama atenção pelos valores envolvidos, que ultrapassam bilhões de reais e deixam milhares de pessoas na incerteza sobre o paradeiro das suas economias.


Compras efetuadas com cartão furtado geram indenização a cliente

O Brasil é o país campeão em vazamento de cartões. Considerando todos os outros países, a população brasileira é a maior vítima, totalizando 45,4% dos casos do mundo todo.


O Rompimento do Noivado e suas consequências: uma breve análise

Intimamente ligado à noção de família, o instituto do casamento é universal e elemento comum em praticamente todos os ordenamentos jurídicos mundiais modernos.


Banco é condenado a indenizar cliente

O banco Itaú Unibanco foi condenado a indenizar uma cliente em R$ 10 mil, a título de danos morais, por não assegurar proteção e segurança para sua conta bancária.


Casal que foi desalojado de hotel deve ser indenizado

Justiça condena agência online por prejudicar viagem.


O último sobrenome deve sempre ser o do pai?

Na hora de registrar o nascimento dos filhos, é muito comum surgirem algumas dúvidas nos pais.


Proteção de dados pessoais torna direito fundamental após emenda

Desde que a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) entrou em vigor em setembro de 2018, as empresas passaram a ter a obrigação de garantir a segurança dos dados aos quais possuem acesso.