Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Colocaram um Jabuti nas costas dos artistas

Colocaram um Jabuti nas costas dos artistas

09/05/2020 Bady Curi Neto

A Medida Provisória é um instrumento em nosso ordenamento jurídico constitucional, reservado ao presidente da República destinado às matérias que sejam consideradas de relevância e urgência pelo Poder Executivo.

A MP tem força de lei e deverá ser submetida ao Congresso Nacional que, em determinado prazo, poderá convertê-la em lei ou rejeitá-la. O parlamento possui, ainda, a prerrogativa de apresentar emendas ampliando ou restringindo seu conteúdo.

Em tempos de pandemia, causada pela Covid-19, a Presidência da República tem editado Medidas Provisórias, de todas as ordens, para o enfrentamento do estado de calamidade pública reconhecida pelo Decreto Legislativo nº6 de 20 de março de 2020, objetivando minimizar os impactos econômicos e sociais em decorrência da pandemia estalada em nosso território nacional.

A pressa na tramitação das MP`s, faz com que alguns parlamentares, de má-fé, apresentem emendas, no intuito de defender interesses outros, fugindo do objeto real da MP, denominadas, popularmente, de jabutis em cima da árvore, ou, simplesmente, jabuti. 

A expressão diz-se de uma situação inusitada, que só pode acontecer com a interferência de fatores outros, com a intervenção de terceiros que colocam o jabuti em cima da árvore, ninguém sabe como chegou, somente que ali está.

A Presidência da República editou MP 948/2020 que pela explicação da ementa “dispõe sobre o cancelamento de serviços, de reservas dos setores de turismo e cultura, em razão do estado de calamidade pública (…) decorrente da Covid-19.

Prevê que na hipótese de cancelamento de serviços, de reservas e de eventos, incluídos shows e espetáculos, o prestador de serviços ou a sociedade empresária não serão obrigados a reembolsar os valores pagos pelo consumidor, desde que assegurem: a) a remarcação dos serviços, das reservas e dos eventos cancelados; b) a disponibilização de crédito para uso ou abatimento na compra de outros serviços, reservas e eventos, disponíveis nas respectivas empresas; ou c) outro acordo a ser formalizado com o consumidor.

Estabelece que as relações de consumo regidas pela Medida Provisória caracterizam hipóteses de caso fortuito ou força maior e não ensejam danos morais, aplicação de multa ou outras penalidades, nos termos (…) do Código de Defesa do Consumidor”.

O Dep. Federal Felipe Carreras (PSB–PE) propôs uma emenda que foge totalmente o objetivo da MP 948/20, no intuito, pasmem, de vedar a cobrança de direitos autorais de pessoa física ou jurídica que não seja o intérprete.

Vale dizer, quem deve pagar os direitos autorais, acaso aprovado a emenda proposta junto à Medida Provisória citada, não serão mais as casas de shows, mas sim os artistas que interpretam as músicas de outros compositores.

Destaca-se que a grande maioria dos compositores, 92 %, são pessoas simples, apenas 8% são artistas consagrados.

Da mesma forma, a maioria dos intérpretes que tocam em casas noturnas são desconhecidos do grande público, não sendo justo que esta conta recaia em suas costas e não das pessoas que promovem os shows, festas, etc.

A emenda é mais um Jabuti, mas desta vez posto nas costas dos artistas brasileiros.

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) e professor universitário.

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Novas regras de combate ao telemarketing abusivo entram em vigor

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) implementou uma série de novas medidas para combater o telemarketing abusivo, reforçando a proteção dos consumidores brasileiros.

Autor: Divulgação


Licença-maternidade sem carência para as autônomas

Foi uma decisão histórica, e com 25 anos de atraso!

Autor: Nayara Felix


Recorde de queixas contra planos de saúde e a necessidade de mudanças

Nos últimos dez anos, o Brasil testemunha um aumento alarmante nas queixas de consumidores contra planos de saúde.

Autor: Natália Soriani


Conflitos condominiais

Tipos de ações judiciais e maneiras eficientes de resolvê-los.

Autor: Divulgação


Se a doença é rara, o tratamento não pode ser

13 milhões de brasileiros convivem hoje com doenças raras, de acordo com o Ministério da Saúde.

Autor: Thayan Fernando Ferreira


O perigo da pejotização para as startups

Os recentes conflitos envolvendo a Uber e a justiça trabalhista em ações que reivindicam o vínculo de emprego de motoristas junto à empresa ganhou a atenção da sociedade e até do Palácio do Planalto.

Autor: Ricardo Grossi


Uma boa dose de bom senso em favor do trabalhador gaúcho!

O bom senso precisa falar mais alto, de tal maneira que ninguém saia ainda mais prejudicado nesta tragédia.

Autor: Sofia Martins Martorelli


Crise no setor de saúde e a suspensão de venda de planos da Prevent Sênior

A suspensão de venda de planos de saúde familiares e individuais por uma operadora, como no caso da Prevent Senior, geralmente ocorre sob a égide da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que é o órgão regulador do setor.

Autor: Natália Soriani


Recuperação extrajudicial do grupo Casas Bahia

Entenda algumas vantagens desse modelo para reestruturação da sociedade.

Autor: João Pedro Gonçalves de Sousa


Trabalhador pode se opor a pagar contribuições assistenciais feita ao sindicato

“A manifestação coletiva, em assembleia, é a forma e o momento mais adequados para se exprimir a vontade dos empregados”.

Autor: Divulgação


Correção de rumos no STF: pejotização é fraude trabalhista

O Supremo Tribunal Federal (STF) tem recebido nos últimos meses uma quantidade expressiva de reclamações constitucionais para cassar decisões da Justiça do Trabalho relativas a contratos fraudulentos de prestação de serviços.

Autor: Cíntia Fernandes


Novas regras para notificação de inadimplência e exclusão de planos de saúde

O próximo dia 1º de setembro será marcado por uma importante mudança na relação entre consumidores e operadoras de planos de saúde.

Autor: Natália Soriani