Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Colocaram um Jabuti nas costas dos artistas

Colocaram um Jabuti nas costas dos artistas

09/05/2020 Bady Curi Neto

A Medida Provisória é um instrumento em nosso ordenamento jurídico constitucional, reservado ao presidente da República destinado às matérias que sejam consideradas de relevância e urgência pelo Poder Executivo.

A MP tem força de lei e deverá ser submetida ao Congresso Nacional que, em determinado prazo, poderá convertê-la em lei ou rejeitá-la. O parlamento possui, ainda, a prerrogativa de apresentar emendas ampliando ou restringindo seu conteúdo.

Em tempos de pandemia, causada pela Covid-19, a Presidência da República tem editado Medidas Provisórias, de todas as ordens, para o enfrentamento do estado de calamidade pública reconhecida pelo Decreto Legislativo nº6 de 20 de março de 2020, objetivando minimizar os impactos econômicos e sociais em decorrência da pandemia estalada em nosso território nacional.

A pressa na tramitação das MP`s, faz com que alguns parlamentares, de má-fé, apresentem emendas, no intuito de defender interesses outros, fugindo do objeto real da MP, denominadas, popularmente, de jabutis em cima da árvore, ou, simplesmente, jabuti. 

A expressão diz-se de uma situação inusitada, que só pode acontecer com a interferência de fatores outros, com a intervenção de terceiros que colocam o jabuti em cima da árvore, ninguém sabe como chegou, somente que ali está.

A Presidência da República editou MP 948/2020 que pela explicação da ementa “dispõe sobre o cancelamento de serviços, de reservas dos setores de turismo e cultura, em razão do estado de calamidade pública (…) decorrente da Covid-19.

Prevê que na hipótese de cancelamento de serviços, de reservas e de eventos, incluídos shows e espetáculos, o prestador de serviços ou a sociedade empresária não serão obrigados a reembolsar os valores pagos pelo consumidor, desde que assegurem: a) a remarcação dos serviços, das reservas e dos eventos cancelados; b) a disponibilização de crédito para uso ou abatimento na compra de outros serviços, reservas e eventos, disponíveis nas respectivas empresas; ou c) outro acordo a ser formalizado com o consumidor.

Estabelece que as relações de consumo regidas pela Medida Provisória caracterizam hipóteses de caso fortuito ou força maior e não ensejam danos morais, aplicação de multa ou outras penalidades, nos termos (…) do Código de Defesa do Consumidor”.

O Dep. Federal Felipe Carreras (PSB–PE) propôs uma emenda que foge totalmente o objetivo da MP 948/20, no intuito, pasmem, de vedar a cobrança de direitos autorais de pessoa física ou jurídica que não seja o intérprete.

Vale dizer, quem deve pagar os direitos autorais, acaso aprovado a emenda proposta junto à Medida Provisória citada, não serão mais as casas de shows, mas sim os artistas que interpretam as músicas de outros compositores.

Destaca-se que a grande maioria dos compositores, 92 %, são pessoas simples, apenas 8% são artistas consagrados.

Da mesma forma, a maioria dos intérpretes que tocam em casas noturnas são desconhecidos do grande público, não sendo justo que esta conta recaia em suas costas e não das pessoas que promovem os shows, festas, etc.

A emenda é mais um Jabuti, mas desta vez posto nas costas dos artistas brasileiros.

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) e professor universitário.

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Geração de caixa através dos tributos em meio a pandemia

Mesmo antes da pandemia do COVID-19 que surpreendeu o mundo com sua capacidade de disseminação, espera-se que, no Brasil, existam possibilidades de redução da carga tributária, sem que seja necessária discussão judicial que, consequentemente, passa por um longo caminho processual até que o contribuinte tenha o efetivo resultado.


STF e a concentração dos poderes

São poderes da União, independentes e harmônicos entre si, o Legislativo, o Executivo e o Judiciário (art. 2º da CF/88), com funções e atribuições previstas pelo poder Constituinte de 88.


É permitido despejo durante a pandemia?

É fato que todos nós estamos passando por um momento nunca visto na história recente de nossas vidas.


STJ julgará a validade da incidência do fator previdenciário na aposentadoria dos professores

O Superior Tribunal de Justiça agendou para esta quarta-feira (27 de maio) julgamento sobre a incidência ou não do fator previdenciário no cálculo da renda mensal inicial da aposentadoria por tempo de contribuição de professor, quando a implementação dos requisitos necessários à obtenção do benefício se der após 1999 (Lei n. 9.876/1999).


Carteira de Identificação da Pessoa com Autismo na proteção dos direitos humanos

Apesar da lei já estar em vigor, não se tem previsão exata de sua aplicação.



Decisões liminares de despejo durante a pandemia e o Projeto de Lei 1.179/20

Conforme tem sido amplamente noticiado, a pandemia causada pelo coronavírus importará em diversas e importantes consequências jurídicas e sociais para o nosso país.


Toyota indenizará por atraso em entrega de veículo

Cliente com câncer usaria o carro para se locomover até a cidade onde fazia tratamento.


Rede de cosméticos é condenada por obrigar consultora a mudar visual

Como ressaltou a magistrada, a aparência dos cabelos não altera a capacidade de trabalho da consultora de beleza.


Cláusula de foro de eleição em tempos de COVID-19

Quando as partes contratantes optam pela inserção de uma cláusula de eleição de foro em seu contrato, classifica-se essa escolha como uma causa de competência relativa.


Guarda compartilhada

Quais são as mudanças na convivência com os filhos durante a pandemia de Covid-19?


Pedidos de recuperação judicial aumentarão exponencialmente no segundo semestre de 2020

Essa renegociação poderá salvar diversas empresas da falência ou de uma recuperação judicial.