Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Como lidar com os passivos trabalhistas?

Como lidar com os passivos trabalhistas?

17/11/2023 Nayara Felix

Manter uma empresa de pé é um desafio diário que exige superar, ao mesmo tempo, vários obstáculos que parecem ser intransponíveis.

Arcar com os custos do produto ou serviço, superar a concorrência muitas vezes desleal, assumir as altas cargas tributárias que incidem sobre a atividade, conquistar clientes, criar estratégias de valorização da marca e manter uma sólida gestão de pessoas são apenas algumas dessas ações.

Diante de tantas lutas, há empreendedores que não veem outra saída senão postergar algumas dívidas trabalhistas pelo preço da própria sobrevivência.

Essas dívidas atendem melhor pelo nome de passivos trabalhistas, e podem representar uma dor de cabeça bastante considerável para a saúde financeira e para a imagem da companhia.

O primeiro passo para sanar esses problemas é compreender o que são essas dívidas, e compreender também o tamanho do estrago que elas são capazes de provocar nas contas.

O segundo é cercar-se de profissionais altamente capacitados e com experiência para reverter o jogo. É possível, mas é preciso ir por partes.

Manter um empregado tem diversos custos que vão além do salário. Os encargos sociais também têm preço, e este é bastante elevado: depósito de FGTS e de INSS, multa rescisória, fração do 13º salário e das férias, entre outros.

Esses cálculos só fazem sentido na cabeça do empreendedor, de modo que mal entram no rol de preocupações dos empregados.

Essas despesas se convertem em passivo quando a empresa deixa de cumprir com algumas dessas obrigações e podem se majorar com a aplicação de multas pelo não pagamento correto.

Se este é o seu caso, saiba que este cenário é mais comum do que talvez você imagine. O Relatório Geral da Justiça do Trabalho 2022 aponta que, dos mais de 3,16 milhões de processos recebidos nas varas trabalhistas ao longo do ano passado, a maior parte se concentrou em três atividades econômicas: serviços diversos, com 23% dos casos novos; indústria (21%) e comércio (13%).

A maior parte das ações referiu-se à multa de 40% do FGTS, às horas extras, ao descumprimento do pagamento das verbas rescisórias, do aviso prévio e do adicional de insalubridade.

No entanto, na prática é possível dizer que também são comuns os casos de deficiência no controle de ponto e acúmulos de função.

Em valores, diz o documento, os reclamantes receberam quase R$ 39 bilhões. Deste total, 48% foram provenientes de acordo entre as partes, 39% de execução judicial e 13% de pagamento espontâneo, ou seja, de iniciativa da própria empresa devedora.

Este cenário, é claro, não resolve os problemas dos passivos trabalhistas nas empresas brasileiras, até porque muitos processos ainda estão em curso. Mas serve de alerta para o tamanho do iceberg que esconde o sofrimento financeiro das contratantes.

Além disso, o não cumprimento das obrigações legais na esfera do trabalhista é objeto de fiscalização do Ministério do Trabalho e Emprego – MTE, que pode gerar multas e sanções administrativas.

A otimização da folha é apenas parte de um processo que exige uma rigorosa consultoria jurídica. Parte dos passivos pode ser renegociado, tornando o impacto sobre o orçamento menos doloroso.

Além disso, estabelecer um estreitamento com os credores é um caminho que auxilia na condução de resoluções que, a bem da verdade, interessam às duas partes.

Portanto, abrir a mesa de negociações pode não ser simples ou desejado pelos envolvidos, mas é parte crucial da solução. Melhor ainda com uma assessoria respeitável por trás.

O que não se pode, definitivamente, é permitir que esse tipo de ação se desenrole facilmente pelas esferas trabalhistas.

É notória a percepção de que o poder de negociação da empresa diminui à medida em que ela empurra o problema para além do tempo tolerado por seus credores.

O passivo trabalhista não pode ser um recurso relativizado pela empresa, mas um problema que carece de solução rápida.

Isso reforça a relevância de ter um escritório de advocacia altamente especializado nesse tipo de situação. A vontade, aliada à boa-fé, são requisitos que fazem bem às negociações, inclusive para o devedor.

* Nayara Felix é advogada do escritório Montalvão & Souza Lima Advocacia de Negócio.

Para mais informações sobre passivos trabalhistas clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Novas regras de combate ao telemarketing abusivo entram em vigor

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) implementou uma série de novas medidas para combater o telemarketing abusivo, reforçando a proteção dos consumidores brasileiros.

Autor: Divulgação


Licença-maternidade sem carência para as autônomas

Foi uma decisão histórica, e com 25 anos de atraso!

Autor: Nayara Felix


Recorde de queixas contra planos de saúde e a necessidade de mudanças

Nos últimos dez anos, o Brasil testemunha um aumento alarmante nas queixas de consumidores contra planos de saúde.

Autor: Natália Soriani


Conflitos condominiais

Tipos de ações judiciais e maneiras eficientes de resolvê-los.

Autor: Divulgação


Se a doença é rara, o tratamento não pode ser

13 milhões de brasileiros convivem hoje com doenças raras, de acordo com o Ministério da Saúde.

Autor: Thayan Fernando Ferreira


O perigo da pejotização para as startups

Os recentes conflitos envolvendo a Uber e a justiça trabalhista em ações que reivindicam o vínculo de emprego de motoristas junto à empresa ganhou a atenção da sociedade e até do Palácio do Planalto.

Autor: Ricardo Grossi


Uma boa dose de bom senso em favor do trabalhador gaúcho!

O bom senso precisa falar mais alto, de tal maneira que ninguém saia ainda mais prejudicado nesta tragédia.

Autor: Sofia Martins Martorelli


Crise no setor de saúde e a suspensão de venda de planos da Prevent Sênior

A suspensão de venda de planos de saúde familiares e individuais por uma operadora, como no caso da Prevent Senior, geralmente ocorre sob a égide da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que é o órgão regulador do setor.

Autor: Natália Soriani


Recuperação extrajudicial do grupo Casas Bahia

Entenda algumas vantagens desse modelo para reestruturação da sociedade.

Autor: João Pedro Gonçalves de Sousa


Trabalhador pode se opor a pagar contribuições assistenciais feita ao sindicato

“A manifestação coletiva, em assembleia, é a forma e o momento mais adequados para se exprimir a vontade dos empregados”.

Autor: Divulgação


Correção de rumos no STF: pejotização é fraude trabalhista

O Supremo Tribunal Federal (STF) tem recebido nos últimos meses uma quantidade expressiva de reclamações constitucionais para cassar decisões da Justiça do Trabalho relativas a contratos fraudulentos de prestação de serviços.

Autor: Cíntia Fernandes


Novas regras para notificação de inadimplência e exclusão de planos de saúde

O próximo dia 1º de setembro será marcado por uma importante mudança na relação entre consumidores e operadoras de planos de saúde.

Autor: Natália Soriani