Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Condomínio pode proibir aluguel de imóvel por Airbnb

Condomínio pode proibir aluguel de imóvel por Airbnb

12/05/2021 Divulgação

Especialista em mercado imobiliário, Rafael Scodelario comenta um tema que pode render muita polêmica na relação entre moradores, vizinhos e condomínio.

A Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu que as convenções de condomínio podem proibir a locação de unidades residenciais por plataformas digitais, como o Airbnb.

Segundo os ministros da corte, o impedimento pode ser feito se houver previsão expressa, na convenção, de uso residencial para as casas ou apartamentos do condomínio.

Eles também entenderam que o sistema de aluguel pela plataforma é um tipo de “contrato atípico de hospedagem”, e não um serviço residencial.

Além disso, como bem destaca o especialista em mercado imobiliário, Rafael Scodelario, tal modalidade é diferente de locação por temporada ou da hospedagem em hotéis.

O resultado do julgamento confirma o que já havia decidido sobre o tema os desembargadores do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul.

Eles haviam proibido dois proprietários de imóvel de Porto Alegre de alugarem quartos pelo Airbnb. Para eles, tal prática se caracteriza como atividade comercial e de hospedagem, proibida pela convenção condominial.

Durante o julgamento no STJ, o ministro Raul Araújo destacou que a locação daquele imóvel causava uma alta rotatividade de pessoas, o que teria trazido perturbação aos demais moradores. Ele também citou que os proprietários ofereciam serviços, como lavagem de roupas.

“Tem-se um contrato atípico de hospedagem, expressando uma nova modalidade, singela e inovadora, de hospedagem de pessoas sem vínculo entre si, em ambientes físicos de padrão residencial e de precário fracionamento para utilização privativa, de limitado conforto, exercida sem inerente profissionalismo por proprietário ou possuidor do imóvel, sendo a atividade comumente anunciada e contratada por meio de plataformas digitais variadas”, afirmou o jurista.

Além disso, ele também ressaltou que o modelo de aluguel usado pelas plataformas deste tipo não é uma atividade ilícita, mas deve respeitar o estabelecido pela convenção de condomínio.

O direito do proprietário usar livremente do seu imóvel deve “harmonizar-se com os direitos relativos à segurança, ao sossego e à saúde das demais múltiplas propriedades abrangidas no condomínio, de acordo com as razoáveis limitações aprovadas pela maioria de condôminos, pois são limitações concernentes à natureza da propriedade privada em regime de condomínio edilício”, afirmou.

Desde o ano passado, a plataforma proibiu o aluguel de imóveis cadastrados para festas. No último mês, também foi desenvolvido um meio para que vizinhos possam acionar a plataforma em caso de perturbação de uma unidade locada e sem a presença do proprietário.

Para evitar estas brigas, o especialista em mercado imobiliário, Rafael Scodelario, recomenda que “o ideal seria que os condomínios atualizem suas convenções, visto que a prática se tornou comum”.

“A briga envolve uma grande polêmica aí. Afinal, quem quer alugar e ganhar uma renda extra acredita que tem direito de usar seu imóvel como quiser. Por outro lado, o vizinho que reclama normalmente se queixa do fluxo intenso de pessoas de fora, da falta de segurança com a presença de estranhos e os exageros, como festas e descuido nas áreas comuns”, pondera o especialista.

“Para piorar, as reclamações mais comuns sobre os hóspedes são de que muitos deles acabam fazendo festas, depredam as áreas comuns, achando que ali é um hotel, mas não é. Além disso, os moradores ficam preocupados com a alta rotatividade de pessoas estranhas circulando por aquele ambiente”, destaca Scodelario.

Com a decisão tomada pelo STJ, Rafael acredita que ela vai ajudar condomínios e moradores a lidarem com essa situação.

“Tudo deve ser regulamentado, pois, como qualquer regra, quando ela não é colocada as pessoas acabam abusando da falta de limites. Agora, organizando tudo direitinho, será possível coibir qualquer abuso e todo mundo poderá sair ganhando”, finaliza.

Para mais informações sobre Airbnb clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: MF Press Global



Proibição do chatbot na campanha eleitoral afeta políticos com menos recursos

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) atualizou normas relacionadas ao uso da inteligência artificial nas campanhas para as eleições municipais de 2024. A alteração é vista como pequena e mal discutida por especialistas da área.

Autor: Divulgação


Digitalização da saúde e os desafios na relação plano e consumidor

A digitalização da saúde, que compreende o uso de recursos tecnológicos e de Tecnologia da Informação (TI) para fins médicos, é um fenômeno que a cada ano se consolida e expande em todo o país.

Autor: Natália Soriani


Os equívocos do caso Robinho

A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ), no uso de competência constitucional e regimental, analisou e, por maioria de votos, homologou o pedido de execução da sentença penal condenatória proferida pela Justiça Italiana contra o ex-jogador Robinho.

Autor: Marcelo Aith


A nova lei de licitações: o que deve mudar daqui para frente?

O sucesso dessa legislação dependerá do compromisso de todas as partes envolvidas em trabalhar juntas.

Autor: Matheus Teodoro


Exclusão de dependentes maiores de 25 anos de planos de saúde

Os magistrados têm reconhecido a existência de uma expectativa de direito por parte dos consumidores.

Autor: José Santana Junior


TikTok e a multa milionária por captura ilegal de dados biométricos no Brasil

Por utilizar métodos que ferem a Lei Geral de Proteção de Dados e o Marco Civil da Internet, o TikTok, rede social famosa por vídeos de curta duração, foi multado em R$ 23 milhões pela Justiça.

Autor: Renato Falchet Guaracho


Como tornar o mundo jurídico descomplicado

A comunicação no mundo jurídico é uma das mais complicadas do mercado. Termos técnicos demais e palavras em latim, por exemplo, criam grandes obstáculos.

Autor: Gabriella Ibrahim


Por que a Meta deverá, obrigatoriamente, mudar de nome no Brasil?

A Meta, empresa dona dos aplicativos Facebook, Instagram e WhatsApp não poderá usar este nome no Brasil.

Autor: Renato Falchet Guaracho


Planejamento sucessório garante futuro do agronegócio

Especialista alerta para os desafios da sucessão familiar no campo e destaca a importância de um plano bem estruturado para a perpetuação do negócio.

Autor: Divulgação


Recuperação de crédito: uma pequena abordagem

A recuperação de crédito é um processo essencial dentro do contexto jurídico e econômico, sendo fundamental para a estabilidade financeira das empresas e o funcionamento saudável do mercado.

Autor: Feliph Murilo Lucio Marques


Inteligência Artificial x Advocacia Moderna: aliadas ou inimigas?

A chegada da inteligência artificial na atual sociedade é claramente notória, o que outrora era especulação hoje é uma ferramenta encontrada comumente em nosso cotidiano.

Autor: Giovanna Matos de Castro e Souza


Entenda quais as proteções garantidas ao trabalhador acidentado

A quantidade de acidentes de trabalho no Brasil mantém o sinal de alerta ligado para empregados e empresas contratantes.

Autor: Sofia Martins Martorelli