Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Contrato de Trabalho Verde Amarelo

Contrato de Trabalho Verde Amarelo

10/03/2020 Fernando de Almeida Prado

O ano de 2020 provavelmente irá consagrar um novo paradigma das relações de trabalho no Brasil, por meio da consolidação de importantes alterações nas relações de trabalho.

Em complemento à denominada “Reforma Trabalhista”, realizada pela Lei nº 13.467/2017, neste mês de março haverá a definição sobre o Programa Verde Amarelo e, em breve, ficará clara a opção do governo para a nova modelagem das relações sindicais, por meio do avanço da Proposta de Emenda à Constituição da Reforma Sindical (PEC nº 196-A/2019).

O Programa Verde Amarelo e a Reforma Sindical servirão ainda como baliza do conflito entre o Poder Executivo e Legislativo e, sendo aprovadas, farão que o ano de 2020 marque o rompimento definitivo da modelagem trabalhista estabelecida desde a Constituição Federal de 1988.

O programa, criado pela Medida Provisória nº 905, de 11 de Novembro de 2019, busca oficialmente reduzir a taxa de desemprego (especialmente alta entre jovens, em 20,8%) e o índice de informalidade da economia como um todo (estima-se que 41,4% da população ocupada esteja em atividades informais).

O Governo Federal mira no combate ao desemprego mas talvez busque mesmo mudar o paradigma as relações de emprego: o Programa mostra a aposta do governo em criar um meio alternativo ao modelo trabalhista “CLT+FGTS”, vigente no Brasil desde 1966, por acrescentar no valor mensal do contrato as parcelas de férias, décimo terceiro e da multa rescisória sobre o FGTS.

Além disso, traz embutido em seu corpo uma nova “reforma trabalhista”, por meio de “jabutis” (matérias estranhas ao corpo da MP) que levam à alteração de 135 dispositivos da CLT, que versam sobre os mais diversos assuntos, do fim do registro obrigatório de diversas categoriais profissionais até mudança nas regras sobre PLR e sobre repouso semanal remunerado.

Por virem diretamente do Poder Executivo, muitas vezes sem efetivo debate com o Poder Legislativo, as Medidas Provisórias servem como termômetro da harmonia entre os poderes, ponto sensível neste momento.

Diversos conflitos entre os poderes fizeram o Governo Federal sofrer a caducidade de diversas de suas Medidas Provisórias, e o atual momento pode atrapalhar o projeto de uma nova reforma trabalhista.

Atualmente, a MP nº 905 está prevista para ser votada por Comissão Mista do Congresso no dia 03 de março, após ter passado por intensos debates parlamentares e recebido propostas de 1.928 emendas, nos mais variados sentidos.

O resultado da votação irá deixar claro até que ponto o Congresso Nacional aceita e aprova a desregulamentação das relações trabalhistas, propostas pelo governo.

Corre-se o risco tanto de sua não aprovação, que poderá perder sua validade após 20 de abril, como - na hipótese mais provável - da aprovação de um texto diverso do apresentado pelo Governo Federal, com grau maior ou menor de rejeição.

O texto final da MP será uma boa medida se o liberalismo propagado pelo Poder Executivo encontra respaldo no Poder Legislativo.

Em paralelo, ainda no plano legislativo, o avanço da PEC nº 196-A/2019, que reorganiza as relações sindicais, será outro termômetro acerca da desregulamentação e enfraquecimento das atividades sindicais ou, ao menos, da presença e controle do Estado nas relações sindicais.

Apesar da Organização Internacional do Trabalho possuir regras claras e definidas acerca da liberdade sindical (Convenção 87, OIT - não ratificada pelo Brasil), a PEC nº 196-A/2019 utilizou uma “modelagem mista” para permitir a liberdade sindical no Brasil, adotando um conceito de liberdade limitada.

Em prol da liberdade, retira a necessidade de autorização do Estado para funcionamento de sindicatos, mas - contrariamente - mantém o município e categorias profissionais como bases sindicais.

Com tramitação célere até o momento, a PEC está em análise por Comissão Especial, criada no início de fevereiro por ordem do Presidente da Câmara.

Historicamente, as relações de trabalho - no Brasil e no mundo - se organizam em ciclos pendulares, ora em prol da liberdade entre as partes contratantes, ora em favor da intervenção e regulamentação estatal.

A facilidade de aprovação da MP nº 905 e o texto final da PEC da Reforma Sindical deixarão claro os rumos das relações trabalhistas, ao menos para a próxima década.

Havendo ampla desregulamentação e liberdade, 2020 poderá ser considerado como o ano de efetivo rompimento com o modelo constitucional de 1988, em prol de um modelo inédito na história do país.

* Fernando de Almeida Prado é advogado, professor universitário e sócio-fundador do escritório BFAP Advogados.

Fonte: Ex-Libris Comunicação Integrada



A inadequação da mediação obrigatória pré-judicial

Nos últimos anos, a sobrecarga do sistema judiciário brasileiro tem provocado o debate acerca da obrigatoriedade da tentativa de solução extrajudicial de conflitos antes do ajuizamento de ações judiciais, como uma forma de comprovar o interesse de agir.

Autor: Suzana Cremasco


Novas regras de combate ao telemarketing abusivo entram em vigor

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) implementou uma série de novas medidas para combater o telemarketing abusivo, reforçando a proteção dos consumidores brasileiros.

Autor: Divulgação


Licença-maternidade sem carência para as autônomas

Foi uma decisão histórica, e com 25 anos de atraso!

Autor: Nayara Felix


Recorde de queixas contra planos de saúde e a necessidade de mudanças

Nos últimos dez anos, o Brasil testemunha um aumento alarmante nas queixas de consumidores contra planos de saúde.

Autor: Natália Soriani


Conflitos condominiais

Tipos de ações judiciais e maneiras eficientes de resolvê-los.

Autor: Divulgação


Se a doença é rara, o tratamento não pode ser

13 milhões de brasileiros convivem hoje com doenças raras, de acordo com o Ministério da Saúde.

Autor: Thayan Fernando Ferreira


O perigo da pejotização para as startups

Os recentes conflitos envolvendo a Uber e a justiça trabalhista em ações que reivindicam o vínculo de emprego de motoristas junto à empresa ganhou a atenção da sociedade e até do Palácio do Planalto.

Autor: Ricardo Grossi


Uma boa dose de bom senso em favor do trabalhador gaúcho!

O bom senso precisa falar mais alto, de tal maneira que ninguém saia ainda mais prejudicado nesta tragédia.

Autor: Sofia Martins Martorelli


Crise no setor de saúde e a suspensão de venda de planos da Prevent Sênior

A suspensão de venda de planos de saúde familiares e individuais por uma operadora, como no caso da Prevent Senior, geralmente ocorre sob a égide da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que é o órgão regulador do setor.

Autor: Natália Soriani


Recuperação extrajudicial do grupo Casas Bahia

Entenda algumas vantagens desse modelo para reestruturação da sociedade.

Autor: João Pedro Gonçalves de Sousa


Trabalhador pode se opor a pagar contribuições assistenciais feita ao sindicato

“A manifestação coletiva, em assembleia, é a forma e o momento mais adequados para se exprimir a vontade dos empregados”.

Autor: Divulgação


Correção de rumos no STF: pejotização é fraude trabalhista

O Supremo Tribunal Federal (STF) tem recebido nos últimos meses uma quantidade expressiva de reclamações constitucionais para cassar decisões da Justiça do Trabalho relativas a contratos fraudulentos de prestação de serviços.

Autor: Cíntia Fernandes