Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Contratos, a pandemia do coronavírus e a importância da advocacia dialógica

Contratos, a pandemia do coronavírus e a importância da advocacia dialógica

21/03/2020 Mario Barros Filho

No último dia 11 de março, a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou oficialmente o Covid-19, doença provocada pela nova cepa do coronavírus, como uma pandemia.

Isto se deu em virtude do grande número de infectados em todos os continentes, sendo que, neste momento, os números de doentes já ultrapassam duas centenas no Brasil.

Em razão da pandemia, iniciativas para barrar a sua disseminação foram adotadas no mundo inteiro: países impondo medidas para limitar a circulação e a concentração de pessoas, cancelamentos de eventos e fechamentos de instituições de ensino e locais públicos de lazer, além de mudanças na rotina religiosa, tal como a suspensão de peregrinações à Meca e a realização da primeira audiência geral virtual pelo Papa Francisco. São apenas alguns dos exemplos que vemos na mídia.

No Brasil, o Ministério da Saúde emitiu recomendações de cancelamento de eventos públicos, de isolamento domiciliar de viajantes, entre outras.

Instituições públicas e privadas igualmente emitem orientações e comunicados sobre a sua nova rotina de trabalho e atendimento, na tentativa de diminuir a exposição da população ao vírus. Paulatinamente, as pessoas se fecham em casa.

Tudo isso traz a discussão sobre os efeitos do Covid-19 do âmbito médico para o financeiro e o jurídico: como é possível cancelar a minha viagem? Qual será a abrangência dos efeitos econômicos deste cenário que caminha para uma recessão?

A resposta ao questionamento aparenta simplicidade em alguns casos.

No setor aéreo, por exemplo, algumas empresas como a Latam, Azul, United Airlines, Air France e KLM flexibilizaram as regras de cancelamento e alteração de passagens, uma vez que pode haver restrição do país de origem, destino e datas originais do voo, deixando para um segundo plano as regras originais do contrato firmado.

Porém, outros setores enfrentarão sensíveis conflitos entre o cumprimento daquilo que foi contratado e a vontade do contratante, em razão da pandemia.

Atrasos, falta de insumos, não cumprimento de obrigações contratualmente estabelecidas, entre outros, serão comuns.

De modo prático, somente se saberá como isso se operacionalizará quando eventualmente forem verificadas as demandas judiciais fruto destes conflitos de quebra de contrato.

Seguramente, questões a respeito da boa-fé e da força maior serão levantadas para a possibilidade de rescisão ou descumprimento do contrato sem a aplicação de penalidade às partes.

De acordo com nossos valores relacionados à boa prática da advocacia, acreditamos que, não só em momentos como o presente, mas sempre, a negociação dialógica traz melhores resultados para todos.

O estabelecimento de um ambiente dialógico propicia a emergência de uma solução que contemple as duas partes e suas percepções multifatoriais do conflito existente.

Isto significa dizer que o conhecimento do conflito, bem como a revelação dos “pontos de vista” de diferentes pessoas envolvidas na querela, é a forma pela qual a posição adversarial pode ser reelaborada para uma posição dialógica que resulta na solução para o conflito. Tal prática será necessária ao longo dos próximos meses.

Especialmente em relação à presente pandemia, faz-se essencial manter-se atento aos novos desenvolvimentos e comunicados dos órgãos oficiais, bem como analisar e reanalisar os contratos entabulados e suas cláusulas que versem sobre o tema, a fim de possibilitar um melhor entendimento sobre as consequências jurídicas do COVID-19.

Sejamos realistas, sem sermos alarmistas.

* Mario Barros Filho é advogado, professor do Curso de Medicina da Faculdade Israelita de Ciências da Saúde do Hospital Albert Einstein e sócio fundador do escritório BFAP Advogados.

Fonte: Ex-Libris Comunicação Integrada



Calamidade Pública e a Portaria MF 12/2012

O cenário atual decorrente da pandemia causada pelo agente coronavírus movimenta, além dos governantes e da população, os aplicados do Direito que buscam, de forma incessante, recursos para combater ou aliviar os efeitos da crise.


Advocacia-Geral defende no STF suspensão de visitas em presídios federais

Objetivo é proteger da disseminação do vírus presos, advogados, familiares e servidores.


Solução judicial para o colapso financeiro da indústria e do comércio

A pandemia do coronavírus está provocando enormes consequências na indústria e no comércio.


Assédio Moral no Direito do Trabalho

A evolução da complexidade nas relações de trabalho também aperfeiçoou e expandiu a tipificação dos ilícitos referentes ao assédio moral.


Covid-19 e teletrabalho: como funciona o “home office”?

O aumento no número de casos de coronavírus (Covid-19) e a disseminação global resultaram na decretação, em 11 de março, de estado de pandemia por parte da OMS (Organização Mundial de Saúde).


A inviabilidade fiscal de pequenos municípios

Dados recentes da Secretaria do Tesouro Nacional demonstram que pouco mais de 6% de toda a arrecadação tributária no Brasil pertence aos Municípios.


Novas regras trabalhistas durante a pandemia

Dentre as medidas regulamentadas, destacamos aqui as mais importantes.


Coronavírus: respeite ou corra o risco de ser punido criminalmente

Nos últimos meses não se fala de outra coisa em todo o canto do planeta senão sobre a pandemia provocada pelo COVID-19, popularmente conhecido como “coronavírus”.


Telemedicina

Não foi por amor, foi pela dor.


Os impactos trabalhistas com a crise do coronavírus

A pandemia de Covid-19 (coronavírus) trouxe para as empresas a necessidade de adotar formas alternativas ao modelo tradicional e presencial de trabalho, com pouquíssimo prazo para adequação.


A obrigatória participação dos trabalhadores na prevenção ao coronavírus nas empresas

Com o avanço galopante do coronavírus (Covid-19) no Brasil, as empresas vêm recorrendo à elaboração unilateral de protocolos de enfrentamento da doença e de medidas destinadas ao controle de sua propagação em seus respectivos ambientes de trabalho.


Loja compensa consumidora por falsa acusação

TJMG reformou a sentença e fixou indenização de R$ 3 mil.