Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Coronavírus: respeite ou corra o risco de ser punido criminalmente

Coronavírus: respeite ou corra o risco de ser punido criminalmente

26/03/2020 Deivid Prazeres

Nos últimos meses não se fala de outra coisa em todo o canto do planeta senão sobre a pandemia provocada pelo COVID-19, popularmente conhecido como “coronavírus”.

Originado, ao que se sabe, por meio de seleção natural, o vírus infectou inicialmente a população da China, expandindo-se posteriormente pelo globo terrestre, sobretudo com o deslocamento internacional de pessoas infectadas.

A principal forma de transmissão do COVID-19, segundo divulgado, é por meio de espirros, tosses ou até mesmo a fala, pois pessoas infectadas expelem gotículas de saliva e secreções, que podem contaminar superfícies e objetos e, posteriormente, infectar pessoas que tocam nesses locais e levam as mãos aos olhos, nariz e boca.

O elevado nível de contágio e a rápida propagação do vírus colocaram em estado de alerta a população mundial, fazendo com que as principais lideranças tomassem medidas drásticas para contenção do problema.

Fechamento de fronteiras, encerramento de atividades consideradas não essenciais (escolas, restaurantes, cinemas, etc), isolamento social compulsório e quarentena estão entre as principais medidas preventivas adotadas pelos países.

No Brasil, especificamente, a questão encontra-se regulamentada pela Lei 13.979/2020 e por inúmeras instruções normativas em todas as esferas de poder (a exemplo da Portaria Interministerial nº 5, do Ministério da Justiça e da Saúde), que dispõem sobre as medidas para enfrentamento da emergência de saúde pública internacional decorrente do coronavírus, inclusive com o uso da força pública para garantir a sua obrigatoriedade.

Nesse cenário de terror generalizado, algumas pessoas, por motivos pessoais (crença em teorias conspiratórias, teimosia, etc), têm se recusado a cumprir os protocolos impostos pelas autoridades do país.

O que muitos talvez não saibam é que ao agir deliberadamente dessa forma, ou seja, contrariando a norma e facilitando a introdução ou a propagação do vírus, pessoa pode responder criminalmente por tal conduta, com até um ano de prisão, conforme determina o artigo 268 do Código Penal, agravando-se a pena nas hipóteses em que o agente seja funcionário da saúde pública ou exerça a profissão de médico, farmacêutico, dentista ou enfermeiro.

É o caso, por exemplo, do recente episódio do empresário que, descumprindo a ordem de quarentena, saiu da cidade de São Paulo e viajou para Porto Seguro após supostamente saber que havia contraído o COVID-19, infectando novas pessoas da região com o vírus, conduta que ensejou o requerimento de instauração de processo pelo Governador da Bahia.

Independentemente da possibilidade de responsabilização criminal, é imprescindível que a população, mais do que nunca, tenha consciência e exerça os mais elementares princípios de solidariedade e empatia, respeitando as normas públicas para contenção da propagação do vírus e, ainda que não seja potencial vítima fatal da doença por não pertencer ao grupo de risco, evite tornar-se vetor da moléstia, garantindo a segurança da coletividade.

* Deivid Prazeres é advogado na Galli Brasil Prazeres Advogados.

Fonte: RMCOM



Novas regras de combate ao telemarketing abusivo entram em vigor

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) implementou uma série de novas medidas para combater o telemarketing abusivo, reforçando a proteção dos consumidores brasileiros.

Autor: Divulgação


Licença-maternidade sem carência para as autônomas

Foi uma decisão histórica, e com 25 anos de atraso!

Autor: Nayara Felix


Recorde de queixas contra planos de saúde e a necessidade de mudanças

Nos últimos dez anos, o Brasil testemunha um aumento alarmante nas queixas de consumidores contra planos de saúde.

Autor: Natália Soriani


Conflitos condominiais

Tipos de ações judiciais e maneiras eficientes de resolvê-los.

Autor: Divulgação


Se a doença é rara, o tratamento não pode ser

13 milhões de brasileiros convivem hoje com doenças raras, de acordo com o Ministério da Saúde.

Autor: Thayan Fernando Ferreira


O perigo da pejotização para as startups

Os recentes conflitos envolvendo a Uber e a justiça trabalhista em ações que reivindicam o vínculo de emprego de motoristas junto à empresa ganhou a atenção da sociedade e até do Palácio do Planalto.

Autor: Ricardo Grossi


Uma boa dose de bom senso em favor do trabalhador gaúcho!

O bom senso precisa falar mais alto, de tal maneira que ninguém saia ainda mais prejudicado nesta tragédia.

Autor: Sofia Martins Martorelli


Crise no setor de saúde e a suspensão de venda de planos da Prevent Sênior

A suspensão de venda de planos de saúde familiares e individuais por uma operadora, como no caso da Prevent Senior, geralmente ocorre sob a égide da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que é o órgão regulador do setor.

Autor: Natália Soriani


Recuperação extrajudicial do grupo Casas Bahia

Entenda algumas vantagens desse modelo para reestruturação da sociedade.

Autor: João Pedro Gonçalves de Sousa


Trabalhador pode se opor a pagar contribuições assistenciais feita ao sindicato

“A manifestação coletiva, em assembleia, é a forma e o momento mais adequados para se exprimir a vontade dos empregados”.

Autor: Divulgação


Correção de rumos no STF: pejotização é fraude trabalhista

O Supremo Tribunal Federal (STF) tem recebido nos últimos meses uma quantidade expressiva de reclamações constitucionais para cassar decisões da Justiça do Trabalho relativas a contratos fraudulentos de prestação de serviços.

Autor: Cíntia Fernandes


Novas regras para notificação de inadimplência e exclusão de planos de saúde

O próximo dia 1º de setembro será marcado por uma importante mudança na relação entre consumidores e operadoras de planos de saúde.

Autor: Natália Soriani