Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Cotas Raciais – A verdade por trás das mentiras

Cotas Raciais – A verdade por trás das mentiras

20/11/2020 Francisco Gomes Junior

Em tempos de polarização política, importante iniciar destacando que este texto não tem objetivos políticos para nenhum lado.

Ao criticar-se um fato que aconteça hoje, apressados concluem que se trata de algo contra os governantes atuais, mas não, trata-se de algo que provavelmente está presente há muito tempo e atravessando vários governos, de vários matizes.

Problemas estruturais não surgem de um dia para o outro. São fruto de uma cultura que permite seu surgimento e manutenção.

E o problema torna-se aceitável e com o tempo até se doura a pílula para que o problema não seja mais visto, ou seja apaziguado.

No campo racial, convivemos com inverdades como “o Brasil não é um país racista” ou inverdades relativas como “existem países mais racistas que o Brasil”.

De fato, se comparado a um país que permita o apartheid, qualquer outro se torna mais tolerante, mas não parece ser essa a questão.

A questão é enfrentar realmente de frente a questão racial, preconceitos e desigualdades em razão da raça, cor ou demais diferenças.

O argumento dos que combatem as cotas raciais é logico, porém, parte de uma premissa falsa. Fundamenta-se no fato de que se a sociedade adota políticas de inclusão, de respeito a diversidades culturais, étnicas, raciais, etc., deve privilegiar a igualdade e não faz sentido a existências de políticas específicas ou restritas a determinado grupo.

Mas a premissa não se sustenta, histórica, política e culturalmente. Não é necessário especificar números exatos sobre a presença de afro descendentes em cargos diretivos de empresas públicas e privadas, sobre a presença da mulher nesses mesmos cargos, para verificar que no preenchimento dessas vagas, ainda persistem critérios que levam em conta o sexo ou a descendência das pessoas.

Nesse sentido, políticas de cotas raciais ainda são um “mal necessário”. Ainda deve-se buscar corrigir enormes desigualdades através destas medidas excepcionais.

E por mais que se diga que possam ocorrer abusos, dribles em brechas legais e outras artimanhas, esses argumentos não servem para invalidar a política como um todo.

E a política de cotas por si só não é o bastante. Não basta bradar que nos entendemos como sustentáveis, destruindo o meio ambiente, assim como não basta nos valorizarmos como justos e inclusivos quando em nossas empresas, mulheres, negros, orientais, etc. sejam minoria ou simplesmente não existam.

Encontra-se em discussão a proposta para a implementação de cotas raciais na OAB – Ordem dos Advogados do Brasil.

Tal proposta prevê a reserva de vagas para negros em cargos diretivos da OAB Nacional e indubitavelmente representam um avanço na busca pela diminuição de desigualdade de espaços.

Aponta-se como possível falha na proposta o fato de que ela não explicita que tal cota se refira a vagas de titularidade ou seja, as vagas poderão ser destinadas apenas a suplentes e assim não se teria participação efetiva na entidade, mas apenas formal. De fato, corrigir essa brecha parece ser o mais adequado para evitar-se desvios.

Por outro lado, criar uma política de cota racial pressupõe o mínimo de consciência em relação àqueles a ela submetidos. Seria muito triste observar que brechas são usadas para que a desigualdade seja mantida.

* Francisco Gomes Junior é advogado sócio da OGF Advogados, formado pela PUC-SP, pós-graduado em Direito de Telecomunicações pela UNB e Processo Civil pela GV Law – Fundação Getúlio Vargas.

Fonte: Máxima Assessoria de Imprensa



Você conhece a origem dos seus direitos?

Advogado e professor Marco Túlio Elias Alves resgata a história do Direito no Brasil e no mundo em livro que democratiza os saberes jurídicos.

Autor: Divulgação


Os planos de saúde e os obstáculos ao bem-estar dos pacientes

No contexto do direito à saúde no Brasil, os planos de saúde privados são regulados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que estabelece normas e diretrizes para garantir a cobertura assistencial aos consumidores.

Autor: Natália Soriani


R$ 200 mil não apaga a dor, mas paga a conta

Um caso de erro médico do interior de São Paulo chamou atenção de todo Brasil por conta de dois fatores.

Autor: Thayan Fernando Ferreira


Precisamos mesmo de tantas leis?

O Direito surgiu como uma forma de organizar melhor as sociedades, uma vez que já havia algumas tradições reproduzidas a partir de exemplos ou de determinações orais que alguns grupos, especialmente os familiares, seguiam.

Autor: Marco Túlio Elias Alves


Proibição do chatbot na campanha eleitoral afeta políticos com menos recursos

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) atualizou normas relacionadas ao uso da inteligência artificial nas campanhas para as eleições municipais de 2024. A alteração é vista como pequena e mal discutida por especialistas da área.

Autor: Divulgação


Digitalização da saúde e os desafios na relação plano e consumidor

A digitalização da saúde, que compreende o uso de recursos tecnológicos e de Tecnologia da Informação (TI) para fins médicos, é um fenômeno que a cada ano se consolida e expande em todo o país.

Autor: Natália Soriani


Os equívocos do caso Robinho

A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ), no uso de competência constitucional e regimental, analisou e, por maioria de votos, homologou o pedido de execução da sentença penal condenatória proferida pela Justiça Italiana contra o ex-jogador Robinho.

Autor: Marcelo Aith


A nova lei de licitações: o que deve mudar daqui para frente?

O sucesso dessa legislação dependerá do compromisso de todas as partes envolvidas em trabalhar juntas.

Autor: Matheus Teodoro


Exclusão de dependentes maiores de 25 anos de planos de saúde

Os magistrados têm reconhecido a existência de uma expectativa de direito por parte dos consumidores.

Autor: José Santana Junior


TikTok e a multa milionária por captura ilegal de dados biométricos no Brasil

Por utilizar métodos que ferem a Lei Geral de Proteção de Dados e o Marco Civil da Internet, o TikTok, rede social famosa por vídeos de curta duração, foi multado em R$ 23 milhões pela Justiça.

Autor: Renato Falchet Guaracho


Como tornar o mundo jurídico descomplicado

A comunicação no mundo jurídico é uma das mais complicadas do mercado. Termos técnicos demais e palavras em latim, por exemplo, criam grandes obstáculos.

Autor: Gabriella Ibrahim


Por que a Meta deverá, obrigatoriamente, mudar de nome no Brasil?

A Meta, empresa dona dos aplicativos Facebook, Instagram e WhatsApp não poderá usar este nome no Brasil.

Autor: Renato Falchet Guaracho