Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Decisões liminares de despejo durante a pandemia e o Projeto de Lei 1.179/20

Decisões liminares de despejo durante a pandemia e o Projeto de Lei 1.179/20

23/05/2020 Naiara Aguilar

Conforme tem sido amplamente noticiado, a pandemia causada pelo coronavírus importará em diversas e importantes consequências jurídicas e sociais para o nosso país.

Em especial, a perda de renda de uma parcela considerável da população cominado com o fato da restrição imposta pelo Poder Público através de medidas de contenção e limitação da atividade comercial, acarretou em um aumento dos inadimplementos das obrigações e inexecuções contratuais.

E, assim, não tem sido pequena a quantidade de dúvidas contratuais durante a calamidade pública criada pela pandemia.

Pensando nisso, o Senado aprovou o Projeto de Lei nº 1.179/20 que institui normas de caráter transitório e emergencial no campo do direito privado e, dentre tais normas, incluiu dispositivo legal com o objetivo de resguardar os locatários no seu direito fundamental à moradia e, assim, tentar conter a judicialização dessas questões obrigacionais durante o estado de calamidade pública.

Dentre os temas tratados, o contrato de locação é um dos destaques do referido Projeto de Lei. Até porque esse tipo de relação contratual está no cerne da crise econômica, atingindo diretamente tanto os locatários que estão sem renda para o pagamento do aluguel, como os locadores que, sem receber pela contraprestação pactuada, acaba por ter prejuízos.

Diante de tais dificuldades econômicas, portanto, a tendência é o aumento de ações de despejo, ação na qual se objetiva a retirada do inquilino em razão de alguns fatos, dentre eles, justamente a falta de pagamento do aluguel.

E foi assim, prevendo um aumento dos inadimplementos contratuais no campo das locações e, por conseguinte, o aumento na propositura de ações de despejo, que o referido Projeto de Lei, precisamente no seu art.9º, veda a concessão de liminar para desocupação dos imóveis locados em ações ajuizadas a partir de 20 de março de 2020 até 30 de outubro de 2020.

A suspensão na concessão de decisões liminares de despejo em tais ações abrange tanto imóveis comerciais quanto residenciais.

O objetivo da medida é proteger as pessoas que moram de aluguel, além das empresas que alugam o ponto comercial, impedindo que, nesse momento de calamidade pública, os locatários sejam despejados.

Com relação aos locatários de imóveis residenciais, o projeto parece suficiente, pois basta mencionar que os direitos patrimoniais não podem se sobrepor ao direito à vida, à moradia e à saúde, que estão intrinsecamente ligados ao princípio da dignidade da pessoa humana, pilar da hermenêutica de qualquer norma do direito.

De um lado, portanto, a medida parece ser satisfatória. Mas, de outro vértice, como ficam os locadores?

Pois não se pode esquecer que existem casos que o locador tem como fonte de subsistência somente a renda do aluguel, o que exigiria sensibilidade do legislador em avaliar a questão pelos dois lados da relação contratual.

Não foi o que ocorreu. O Projeto de Lei, que segue para sanção presidencial, não delimitou a questão e perdeu a oportunidade de evitar possíveis ações judiciais, já que a lei é temporária, o prazo final de vigência chegará e a relação contratual e a concessão de liminares voltará a ser regida pela lei do inquilinato.

Desse modo, com base na boa fé, no equilíbrio contratual e na segurança jurídica, lembrando que as obrigações se estendem a ambos os lados das relações, o que se espera e se sugere é que, como o projeto de lei se omitiu, que as partes entrem em consenso, flexibilizando as regras do contrato de locação, seja para parcelar os valores inadimplidos, suspendê-los temporariamente, ou até mesmo diminuí-los por um período, evitando, assim, a resolução contratual, o litígio e, principalmente, contribuindo para a mitigação dessa crise que vem atingindo boa parte da nossa população.   

* Naiara Aguilar, advogada e professora da Faculdade Batista de Minas Gerais.

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Geração de caixa através dos tributos em meio a pandemia

Mesmo antes da pandemia do COVID-19 que surpreendeu o mundo com sua capacidade de disseminação, espera-se que, no Brasil, existam possibilidades de redução da carga tributária, sem que seja necessária discussão judicial que, consequentemente, passa por um longo caminho processual até que o contribuinte tenha o efetivo resultado.


STF e a concentração dos poderes

São poderes da União, independentes e harmônicos entre si, o Legislativo, o Executivo e o Judiciário (art. 2º da CF/88), com funções e atribuições previstas pelo poder Constituinte de 88.


É permitido despejo durante a pandemia?

É fato que todos nós estamos passando por um momento nunca visto na história recente de nossas vidas.


STJ julgará a validade da incidência do fator previdenciário na aposentadoria dos professores

O Superior Tribunal de Justiça agendou para esta quarta-feira (27 de maio) julgamento sobre a incidência ou não do fator previdenciário no cálculo da renda mensal inicial da aposentadoria por tempo de contribuição de professor, quando a implementação dos requisitos necessários à obtenção do benefício se der após 1999 (Lei n. 9.876/1999).


Carteira de Identificação da Pessoa com Autismo na proteção dos direitos humanos

Apesar da lei já estar em vigor, não se tem previsão exata de sua aplicação.



Toyota indenizará por atraso em entrega de veículo

Cliente com câncer usaria o carro para se locomover até a cidade onde fazia tratamento.


Rede de cosméticos é condenada por obrigar consultora a mudar visual

Como ressaltou a magistrada, a aparência dos cabelos não altera a capacidade de trabalho da consultora de beleza.


Cláusula de foro de eleição em tempos de COVID-19

Quando as partes contratantes optam pela inserção de uma cláusula de eleição de foro em seu contrato, classifica-se essa escolha como uma causa de competência relativa.


Guarda compartilhada

Quais são as mudanças na convivência com os filhos durante a pandemia de Covid-19?


Pedidos de recuperação judicial aumentarão exponencialmente no segundo semestre de 2020

Essa renegociação poderá salvar diversas empresas da falência ou de uma recuperação judicial.


O direito à privacidade na pandemia e para além dela

Em meio à crise do Covid-19, muitas questões têm surgido acerca da privacidade e dos limites quanto ao uso de dados pessoais nesse momento de pandemia, ainda que a LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados) não esteja vigente e, até esse momento, não se tenha decidido quando passará a viger.