Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Decisões liminares de despejo durante a pandemia e o Projeto de Lei 1.179/20

Decisões liminares de despejo durante a pandemia e o Projeto de Lei 1.179/20

23/05/2020 Naiara Aguilar

Conforme tem sido amplamente noticiado, a pandemia causada pelo coronavírus importará em diversas e importantes consequências jurídicas e sociais para o nosso país.

Em especial, a perda de renda de uma parcela considerável da população cominado com o fato da restrição imposta pelo Poder Público através de medidas de contenção e limitação da atividade comercial, acarretou em um aumento dos inadimplementos das obrigações e inexecuções contratuais.

E, assim, não tem sido pequena a quantidade de dúvidas contratuais durante a calamidade pública criada pela pandemia.

Pensando nisso, o Senado aprovou o Projeto de Lei nº 1.179/20 que institui normas de caráter transitório e emergencial no campo do direito privado e, dentre tais normas, incluiu dispositivo legal com o objetivo de resguardar os locatários no seu direito fundamental à moradia e, assim, tentar conter a judicialização dessas questões obrigacionais durante o estado de calamidade pública.

Dentre os temas tratados, o contrato de locação é um dos destaques do referido Projeto de Lei. Até porque esse tipo de relação contratual está no cerne da crise econômica, atingindo diretamente tanto os locatários que estão sem renda para o pagamento do aluguel, como os locadores que, sem receber pela contraprestação pactuada, acaba por ter prejuízos.

Diante de tais dificuldades econômicas, portanto, a tendência é o aumento de ações de despejo, ação na qual se objetiva a retirada do inquilino em razão de alguns fatos, dentre eles, justamente a falta de pagamento do aluguel.

E foi assim, prevendo um aumento dos inadimplementos contratuais no campo das locações e, por conseguinte, o aumento na propositura de ações de despejo, que o referido Projeto de Lei, precisamente no seu art.9º, veda a concessão de liminar para desocupação dos imóveis locados em ações ajuizadas a partir de 20 de março de 2020 até 30 de outubro de 2020.

A suspensão na concessão de decisões liminares de despejo em tais ações abrange tanto imóveis comerciais quanto residenciais.

O objetivo da medida é proteger as pessoas que moram de aluguel, além das empresas que alugam o ponto comercial, impedindo que, nesse momento de calamidade pública, os locatários sejam despejados.

Com relação aos locatários de imóveis residenciais, o projeto parece suficiente, pois basta mencionar que os direitos patrimoniais não podem se sobrepor ao direito à vida, à moradia e à saúde, que estão intrinsecamente ligados ao princípio da dignidade da pessoa humana, pilar da hermenêutica de qualquer norma do direito.

De um lado, portanto, a medida parece ser satisfatória. Mas, de outro vértice, como ficam os locadores?

Pois não se pode esquecer que existem casos que o locador tem como fonte de subsistência somente a renda do aluguel, o que exigiria sensibilidade do legislador em avaliar a questão pelos dois lados da relação contratual.

Não foi o que ocorreu. O Projeto de Lei, que segue para sanção presidencial, não delimitou a questão e perdeu a oportunidade de evitar possíveis ações judiciais, já que a lei é temporária, o prazo final de vigência chegará e a relação contratual e a concessão de liminares voltará a ser regida pela lei do inquilinato.

Desse modo, com base na boa fé, no equilíbrio contratual e na segurança jurídica, lembrando que as obrigações se estendem a ambos os lados das relações, o que se espera e se sugere é que, como o projeto de lei se omitiu, que as partes entrem em consenso, flexibilizando as regras do contrato de locação, seja para parcelar os valores inadimplidos, suspendê-los temporariamente, ou até mesmo diminuí-los por um período, evitando, assim, a resolução contratual, o litígio e, principalmente, contribuindo para a mitigação dessa crise que vem atingindo boa parte da nossa população.   

* Naiara Aguilar, advogada e professora da Faculdade Batista de Minas Gerais.

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Principais dúvidas sobre o encarregado de dados previsto na LGPD

A Lei Geral de Proteção de dados (LGPD) regulamenta o tratamento dos dados pessoais por pessoa física ou por pessoa jurídica de direito público ou privado no território nacional.


Conheça os riscos da sua empresa não se adequar à LGPD

A Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD) está em vigor desde 18 de setembro com o objetivo de trazer mais segurança em relação ao tratamento dos dados pessoais dos titulares.


Conheça os requisitos para entender definitivamente o que é uma união estável

Quando o assunto é união estável sempre vem na nossa cabeça que é preciso ter convivência por cinco anos para comprovar a relação ou ter filhos.


A compra de imóvel em leilão pode ser anulada?

A compra de um imóvel em leilão pode ser anulada quando não forem observados vícios no processo, sejam processuais, quanto ao devedor ou quanto ao imóvel, quando da consulta do processo que levou o imóvel a leilão.


AGU fecha acordo bilionário com o Grupo OI

Pagamento referente a multas aplicadas pela Anatel encerra litígios judiciais.


Supermercado é condenado por negar a cliente ida ao banheiro

Funcionários negaram ao cliente acesso ao banheiro do supermercado.


Mudança de cidade com os filhos: é necessária a autorização do outro genitor?

A Constituição da República de 1988 estabelece, em seu artigo 229, que os pais têm o dever de assistir, criar e educar os filhos que ainda não atingiram a maioridade.


Justiça obriga Facebook a reativar perfil

Denúncia falsa de uso indevido de marca foi motivo para excluir conta.


A constitucionalidade da lista suja do trabalho escravo

A Constituição da República, no artigo 5º, inciso III, estabelece que ninguém será submetido a tratamento desumano ou degradante, tratando-se de princípio que ecoa a normatização internacional – Convenção das Nações Unidas sobre escravatura (1926), Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948) e Convenção Americana sobre Direitos Humanos (1969).


Banco é proibido de contratar cartão via telefone

Justiça determina que empresa faça mensagem de alerta para pessoas acima de 60 anos.


Cotas Raciais – A verdade por trás das mentiras

Em tempos de polarização política, importante iniciar destacando que este texto não tem objetivos políticos para nenhum lado.


E os prefeitos eleitos sub judice, como ficam?

As eleições do último dia 15 de novembro, que em grande parte dos municípios do Brasil já definiram seus futuros prefeitos, vice-prefeitos e vereadores, mas em alguns deles, os eleitos estão a enfrentar batalhas judiciais para a confirmação das respectivas candidaturas, com o afastamento de eventuais inelegibilidades.