Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Desafios na cobertura de tratamento para autistas e as negativas de plano de saúde

Desafios na cobertura de tratamento para autistas e as negativas de plano de saúde

17/12/2023 José dos Santos Santana Júnior

É crescente a preocupação em relação as negativas de tratamento para indivíduos autistas por parte dos planos de saúde.

Essa problemática levanta questões essenciais sobre a equidade no acesso aos cuidados de saúde para uma população já vulnerável.

Uma das principais razões das negativas de tratamento para autistas está relacionada à falta de compreensão e reconhecimento da complexidade das necessidades desses indivíduos.

Muitos planos de saúde ainda adotam políticas desatualizadas, que não contemplam adequadamente os diferentes aspectos do espectro autista.

Ação que acentua as recusas de cobertura para intervenções essenciais como, por exemplo, terapias comportamentais e ocupacionais.

A ausência de diretrizes claras e específicas sobre o tratamento do autismo nas políticas dos planos de saúde contribui para a ambiguidade na concessão de cobertura.

Diversas famílias, por conta dessa conduta empresarial, deixa as famílias enfrentando a difícil tarefa de lutar por tratamentos adequados para seus entes queridos, enfrentando barreiras burocráticas complexas que dificultam a obtenção de aprovação para procedimentos fundamentais.

A estigmatização associada ao autismo também desempenha um papel crucial nas negativas de tratamento.

Muitas vezes, os planos de saúde, devido à falta de sensibilidade e conscientização, podem considerar certos tratamentos como "opcionais" ou "não urgentes", ignorando a importância crucial dessas intervenções no desenvolvimento e bem-estar das pessoas autistas.

Quando um plano de saúde nega cobertura para tratamentos essenciais de indivíduos autistas, a via judiciária se torna um recurso fundamental para assegurar o pleno exercício dos direitos dessas pessoas.

A legislação muitas vezes respalda a necessidade de tratamentos específicos para autismo, reconhecendo a importância de intervenções adequadas no desenvolvimento e bem-estar dos pacientes.  

Diante da recusa do plano de saúde em fornecer o suporte necessário, a busca por amparo legal por meio do sistema judiciário é um caminho eficaz para garantir o acesso a tratamentos que promovem a inclusão e qualidade de vida de indivíduos autistas.

Nesse contexto, o processo judicial não apenas defende os direitos individuais, mas também contribui para o fortalecimento do entendimento sobre a importância da equidade no acesso à saúde, especialmente para aqueles que enfrentam desafios específicos como o autismo.

Em suma, se o tratamento para autistas for negado pelo plano de saúde, é crucial agir de maneira estratégica e assertiva.

Em primeiro lugar, a família deve buscar entender as razões da negativa, solicitando uma explicação detalhada por escrito.

Revisar atentamente o contrato do plano de saúde, destacando cláusulas relevantes que possam sustentar seu caso.

Consultar profissionais de saúde especializados em autismo para obter relatórios detalhados sobre a necessidade do tratamento.

Iniciar o processo de reclamação interno do plano de saúde, apresentando documentos e argumentos que justifiquem a importância do tratamento.

Caso a reclamação interna não seja bem-sucedida, entre em contato com a ANS - Agência Nacional de Saúde Suplementar.

E caso o problema persista, consultar um advogado especializado em direito da saúde para avaliar opções legais. Uma recusa não significa que a operadora de saúde não tem o dever de cobrir um determinado tratamento.

* José dos Santos Santana Júnior é advogado e sócio do Mariano Santana Sociedade de Advogados.

Para mais informações sobre planos de saúde clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Ex-Libris Comunicação Integrada



Chegou a vez das falências?

O governo enviou ao Congresso um conjunto de alterações com o objetivo de dar mais protagonismo aos credores no processo de falência.

Autor: Leonardo Ribeiro Dias e João Máximo Rodrigues


Transferir bens em vida é dar poder de escolha ao doador

Planejar a sucessão de bens é um momento importante para qualquer família que tem patrimônio.

Autor: Divulgação


Perícia online para benefícios por incapacidade: vantagens e desvantagens

É importante lembrar que o acesso a benefícios previdenciários é um direito assegurado pela Constituição.

Autor: Carla Benedetti


PL que garante água gratuita em eventos é bem-vindo, mas deveria virar lei

A fatalidade que envolveu Ana Benevides deve se converter numa lei que representa um avanço aos direitos sociais.

Autor: Ianka De Paul


Os efeitos danosos da venda sem receita de medicamentos tarjados em drogarias

Nos últimos meses, alguns medicamentos ficaram “famosos” ao se tornarem extremamente populares no país.

Autor: Claudia de Lucca Mano


Relatório de Transparência Salarial e o prazo de preenchimento para as empresas

Em janeiro, foi anunciado o prazo para as empresas com mais de 100 empregados realizarem o preenchimento ou retificação do Relatório de Transparência Salarial.

Autor: Anna Carolina Gogolla Kalmus 


Eleitores abrem processo contra a cidade devido ao fluxo de imigrantes ilegais

O movimento destaca a necessidade de uma abordagem imigratória que favoreça a população local.

Autor: Divulgação


Cancelamento do plano de saúde por falta de pagamento

Nos últimos anos, tem se tornado cada vez mais comum ouvir relatos de consumidores que tiveram seus planos de saúde cancelados de forma abrupta e sem aviso prévio devido à falta de pagamento.

Autor: José Santana Júnior


Associação das Microcervejarias do Paraná processa CREA/PR e CRQ/PR

Uma ação civil pública da Associação das Microcervejarias do Estado do Paraná (Procerva) contra o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná (CREA/PR) e o Conselho Regional de Química (CRQ/PR) questiona a obrigatoriedade que os órgãos impunham ao setor sobre a necessidade de registro das cervejarias nas entidades, principalmente, sobre o pagamento de taxas e anuidades.

Autor: Divulgação


Lei de Improbidade e a exigência da comprovação do dolo

Não se pode condenar um servidor público, por exemplo, por indícios de improbidade.

Autor: Ana Toledo


Existe prisão em flagrante por homofobia?

Indignação com caso de homofobia ocorrido em padaria gera dúvidas sobre punição prevista para crimes de preconceito.

Autor: Divulgação


Mudanças nas regras sobre nacionalidade brasileira

No âmbito do Direito Constitucional, 2023 ficou marcado por mais uma mudança nas regras que disciplinam a nacionalidade brasileira.

Autor: Michele Hastreiter e Mariane Silverio