Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Desmoralização do SFT

Desmoralização do SFT

18/11/2019 Valmor Bolan

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.

A decisão do STF sobre a prisão em segunda instância, mesmo justificada na defesa da constitucionalidade, não levou em conta o seu aspecto moral, daí a sensação generalizada de desmoralização daquela que deve ser a principal instância de segurança jurídica do País.

O fato é que, com a decisão de efetuar a prisão de condenados somente depois do trânsito em julgado, vencendo todas as etapas do processo judicial, acabará favorecendo infelizmente os mais abastados.

Com dinheiro, pagando bem advogados, muitos infratores conseguirão não apenas postergar a condenação, mas também se beneficiando, em alguns casos, da prescrição.

Tudo isso foi desmoralizante, levando em conta os esforços da Operação Lava Jato em combater a corrupção no País, tendo levado á prisão políticos graúdos, principalmente o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva.

O Congresso Nacional pode reverter essa situação, aprovando a PEC 410/2018, explicitando no texto constitucional a prisão após a condenação em segunda instância.

O próprio ministro Dias Toffoli, que deu o voto decisivo para libertar os presos em segunda instância, chegou a dizer que cabe ao parlamento brasileiro retomar essa questão, se quiser realmente que prevaleça a prisão em segunda instância.

O Congresso Nacional tem esta competência, e cabe ao Supremo Tribunal Federal apenas corroborar aquilo que foi decisivo pelo poder Legislativo.

Mesmo assim sabemos que não se trata de uma tarefa fácil, tendo em vista que muitos deputados e senadores sabem que a atual decisão do STF poderá favorecê-los, evitando a prisão em segunda instância.

Mas o povo foi ás ruas no final de semana, e deve retornar para pressionar os parlamentares a aprovarem a PEC 410/2018.

Esperamos que haja alguma resposta nesse sentido, porque foi muito desmoralizante ver a soltura de Lula, deixando a impressão para a sociedade de que o crime compensa. É isso que precisa ser evitado.

Não se trata somente de uma questão de constitucionalidade, como se justificou o STF, mas de moralidade.

Queremos um País com leis fortes e justas, que impeça a impunidade e premie a meritocracia e a honestidade. É assim que daremos às novas gerações exemplos a serem seguidos, para o bem de toda a sociedade.

Faz-se necessária a moralidade, para que haja princípios e valores que sustentem a nossa sociedade, garantindo assim a dignidade da pessoa humana.

* Valmor Bolan é doutor em Sociologia, professor da Unisa, ex-reitor e dirigente (hoje membro honorário) do Conselho de Reitores das Universidades Brasileiras e pós-graduado (em Gestão Universitária pela OUI-Organização Universitária Interamericana) com sede em Montreal-Canadá.

Fonte: Reginaldo Bezerra Leite



R$ 200 mil não apaga a dor, mas paga a conta

Um caso de erro médico do interior de São Paulo chamou atenção de todo Brasil por conta de dois fatores.

Autor: Thayan Fernando Ferreira


Precisamos mesmo de tantas leis?

O Direito surgiu como uma forma de organizar melhor as sociedades, uma vez que já havia algumas tradições reproduzidas a partir de exemplos ou de determinações orais que alguns grupos, especialmente os familiares, seguiam.

Autor: Marco Túlio Elias Alves


Proibição do chatbot na campanha eleitoral afeta políticos com menos recursos

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) atualizou normas relacionadas ao uso da inteligência artificial nas campanhas para as eleições municipais de 2024. A alteração é vista como pequena e mal discutida por especialistas da área.

Autor: Divulgação


Digitalização da saúde e os desafios na relação plano e consumidor

A digitalização da saúde, que compreende o uso de recursos tecnológicos e de Tecnologia da Informação (TI) para fins médicos, é um fenômeno que a cada ano se consolida e expande em todo o país.

Autor: Natália Soriani


Os equívocos do caso Robinho

A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ), no uso de competência constitucional e regimental, analisou e, por maioria de votos, homologou o pedido de execução da sentença penal condenatória proferida pela Justiça Italiana contra o ex-jogador Robinho.

Autor: Marcelo Aith


A nova lei de licitações: o que deve mudar daqui para frente?

O sucesso dessa legislação dependerá do compromisso de todas as partes envolvidas em trabalhar juntas.

Autor: Matheus Teodoro


Exclusão de dependentes maiores de 25 anos de planos de saúde

Os magistrados têm reconhecido a existência de uma expectativa de direito por parte dos consumidores.

Autor: José Santana Junior


TikTok e a multa milionária por captura ilegal de dados biométricos no Brasil

Por utilizar métodos que ferem a Lei Geral de Proteção de Dados e o Marco Civil da Internet, o TikTok, rede social famosa por vídeos de curta duração, foi multado em R$ 23 milhões pela Justiça.

Autor: Renato Falchet Guaracho


Como tornar o mundo jurídico descomplicado

A comunicação no mundo jurídico é uma das mais complicadas do mercado. Termos técnicos demais e palavras em latim, por exemplo, criam grandes obstáculos.

Autor: Gabriella Ibrahim


Por que a Meta deverá, obrigatoriamente, mudar de nome no Brasil?

A Meta, empresa dona dos aplicativos Facebook, Instagram e WhatsApp não poderá usar este nome no Brasil.

Autor: Renato Falchet Guaracho


Planejamento sucessório garante futuro do agronegócio

Especialista alerta para os desafios da sucessão familiar no campo e destaca a importância de um plano bem estruturado para a perpetuação do negócio.

Autor: Divulgação


Recuperação de crédito: uma pequena abordagem

A recuperação de crédito é um processo essencial dentro do contexto jurídico e econômico, sendo fundamental para a estabilidade financeira das empresas e o funcionamento saudável do mercado.

Autor: Feliph Murilo Lucio Marques