Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Desmoralização do SFT

Desmoralização do SFT

18/11/2019 Valmor Bolan

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.

A decisão do STF sobre a prisão em segunda instância, mesmo justificada na defesa da constitucionalidade, não levou em conta o seu aspecto moral, daí a sensação generalizada de desmoralização daquela que deve ser a principal instância de segurança jurídica do País.

O fato é que, com a decisão de efetuar a prisão de condenados somente depois do trânsito em julgado, vencendo todas as etapas do processo judicial, acabará favorecendo infelizmente os mais abastados.

Com dinheiro, pagando bem advogados, muitos infratores conseguirão não apenas postergar a condenação, mas também se beneficiando, em alguns casos, da prescrição.

Tudo isso foi desmoralizante, levando em conta os esforços da Operação Lava Jato em combater a corrupção no País, tendo levado á prisão políticos graúdos, principalmente o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva.

O Congresso Nacional pode reverter essa situação, aprovando a PEC 410/2018, explicitando no texto constitucional a prisão após a condenação em segunda instância.

O próprio ministro Dias Toffoli, que deu o voto decisivo para libertar os presos em segunda instância, chegou a dizer que cabe ao parlamento brasileiro retomar essa questão, se quiser realmente que prevaleça a prisão em segunda instância.

O Congresso Nacional tem esta competência, e cabe ao Supremo Tribunal Federal apenas corroborar aquilo que foi decisivo pelo poder Legislativo.

Mesmo assim sabemos que não se trata de uma tarefa fácil, tendo em vista que muitos deputados e senadores sabem que a atual decisão do STF poderá favorecê-los, evitando a prisão em segunda instância.

Mas o povo foi ás ruas no final de semana, e deve retornar para pressionar os parlamentares a aprovarem a PEC 410/2018.

Esperamos que haja alguma resposta nesse sentido, porque foi muito desmoralizante ver a soltura de Lula, deixando a impressão para a sociedade de que o crime compensa. É isso que precisa ser evitado.

Não se trata somente de uma questão de constitucionalidade, como se justificou o STF, mas de moralidade.

Queremos um País com leis fortes e justas, que impeça a impunidade e premie a meritocracia e a honestidade. É assim que daremos às novas gerações exemplos a serem seguidos, para o bem de toda a sociedade.

Faz-se necessária a moralidade, para que haja princípios e valores que sustentem a nossa sociedade, garantindo assim a dignidade da pessoa humana.

* Valmor Bolan é doutor em Sociologia, professor da Unisa, ex-reitor e dirigente (hoje membro honorário) do Conselho de Reitores das Universidades Brasileiras e pós-graduado (em Gestão Universitária pela OUI-Organização Universitária Interamericana) com sede em Montreal-Canadá.

Fonte: Reginaldo Bezerra Leite



Voo cancelado durante a pandemia?

Especialista mostra quais atitudes devem ser tomadas pelo passageiro que foi surpreendido pelo transtorno.


Sem pressa, mas sem pausa: o primeiro ano de atuação da ANPD

Inicialmente, gostaríamos de esclarecer que o texto a seguir tem o propósito de informar os leitores sobre a recente atuação da Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD), considerando a relevância das ações de tal entidade para que a Lei Geral de Proteção de Dados – Lei Federal n. 13.709/18 (LGPD) tenha a eficácia esperada.


QR Code do Pix vira alvo de novo golpe de boletos falsos

Apesar da facilidade, a chegada de novas ferramentas para realizar compras e pagamentos on-line tem sido motivo de dor de cabeça para alguns consumidores.


ILPIs podem usar a LGPD para proteger seus tutelados

O fator envelhecimento atinge a pessoa em diversos aspectos sociais, emocionais e físicos, tornando-a dependente de cuidados e mais vulnerável a situações de violência, abandono, abusos psicológicos e até financeiros.


Reformar constantemente a legislação trabalhista é a saída?

Há uma década, a Espanha realizou uma profunda reforma trabalhista na sua legislação laboral, que em tese acabou por precarizar na visão de muitos a forma de prestação de serviços ceifando direitos e garantias dos trabalhadores.


Os limites para empresa impor código de vestimenta

O código de vestimenta é prática muito comum adotada pelas empresas para padronizar o visual dos trabalhadores de acordo com a sua cultura organizacional.


A celeuma do Passaporte Sanitário

Há tempos escrevi um artigo defendendo que a União, Estados e Municípios possuem competência para estabelecer a compulsoriedade da vacinação da população, em obediência ao arcabouço legal.


Propaganda eleitoral antecipada: riscos e consequências

A propaganda eleitoral antecipada é sempre motivo de polêmica em anos de eleições e em 2022 não será diferente.


A digitalização no departamento jurídico

Não é novidade que a transformação tecnológica nas empresas, que resulta em processos cada vez mais automatizados e inteligentes, é uma realidade no mundo corporativo, até mesmo entre as companhias que fazem parte de setores mais tradicionais.


Lei do marco do dólar é sancionada

O Projeto de Lei n° 5.387, conhecido como o marco do câmbio, que estabelece novas regras para o mercado de câmbio e para circulação de capital estrangeiro no Brasil foi sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro.


Como faço para provar que sou negro ou pardo nas cotas de concurso?

Em 2014, foi aprovada no Brasil a Lei de Cotas, que determina que 20% das vagas oferecidas nos concursos públicos para provimento de cargos efetivos e empregos públicos sejam destinadas a pretos e pardos.


Quando uma empresa é excluída do Simples Nacional?

Irregularidades fiscais e alto faturamento resultam em penalidades e mudanças no regime de tributação.