Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Desvendando termos em planos de proteção para celular

Desvendando termos em planos de proteção para celular

19/01/2024 Marco Garutti

No setor de seguros para celular, que segue mais em alta do que nunca, não é diferente.

Desvendando termos em planos de proteção para celular

Quando o assunto é seguridade, cláusulas contratuais e vocabulários técnicos podem confundir muitos consumidores, dificultando o entendimento de todo o cenário e sua aplicabilidade em situações reais. 

No setor de seguros para celular, que segue mais em alta do que nunca, não é diferente.  

Nesses casos, o contrato pode e deve ser formulado conforme a necessidade do cliente. Há diversas coberturas para suprir diferentes questões, como defeitos, tela, quebras, líquidos, roubo e perda, ou ainda a cobertura completa, que envolve todos esses aspectos.   

Em um país onde um milhão de celulares foram roubados ou furtados somente em 2023, o que representa crescimento de 16,6% em relação aos registros de 2021, segundo o 17º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, aderir a um plano de proteção de smartphone não é má ideia. Sem contar os imprevistos relacionados a acidentes que podem ocorrer no meio do caminho, como por exemplo, um recurso touch screen que deixa de funcionar, falhas elétricas, displays danificados e assim por diante.  

Pensando em simplificar a vida de quem se interessa por seguro para smartphone, desvendo a seguir os principais termos envolvidos no processo.  

Cobertura: o coração do seguro  

A cobertura é a garantia de proteção contra riscos previstos em relação ao aparelho. Por exemplo: se optar por uma cobertura total, seu celular estará protegido contra uma ampla gama de situações, como danos causados pela água, ou até mesmo roubo e furto. Por outro lado, uma cobertura básica pode envolver apenas quebras de tela e display. Nesse sentido, é fundamental ler atentamente os termos e condições contratuais, pois isso determina o que está protegido pelo seguro.   

Taxa de uso: sua contribuição na hora da ocorrência  

Basicamente, a taxa de uso se refere a quanto o consumidor deve desembolsar quando apresenta uma reclamação ou ocorrência (sinistro). Esse valor é fixado no contrato. Vamos imaginar uma taxa de uso hipotética de R$ 100 e custo de reparo de um smartphone na casa dos R$ 500. Nesse exemplo, o segurado precisaria pagar os R$ 100 quando acionar o seguro e o plano de proteção cobriria os R$ 400 restantes. A taxa de uso também serve como um incentivo para que os segurados sejam cuidadosos com seus dispositivos.  

Sinistro: materialização do risco  

Este nada mais é do que a ocorrência que está prevista no contrato, ou seja, é a materialização do risco que está coberto pelo seguro. Sempre que um evento ocorrer, a seguradora indenizará o segurado, respeitando o limite estabelecido contratualmente.  

Dependendo do modelo de celular e do tipo de proteção, um plano de seguro pode representar uma economia de até 50% em casos de furto ou roubo ao longo de um ano. Algumas empresas ainda oferecem o parcelamento do valor total em até 12x, com acionamento ilimitado e, caso o aparelho seja sinistrado, um novo celular fornecido pode ter garantia de fábrica de até 12 meses.  

Fato é que o seguro para celular oferece vantagens únicas aos consumidores. Por isso, compreender os termos de cobertura, a taxa de uso e o processo é fundamental para tomar decisões assertivas e escolher o melhor plano para atender às necessidades individuais.  

* Marco Garutti é CIO na Pitzi.

Para mais informações sobre seguro para celular clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: NB Press Comunicação



Dengue x Covid-19

Demora no tempo de espera por atendimento hospitalar pode tornar caso jurídico.

Autor: Thayan Fernando Ferreira


Chegou a vez das falências?

O governo enviou ao Congresso um conjunto de alterações com o objetivo de dar mais protagonismo aos credores no processo de falência.

Autor: Leonardo Ribeiro Dias e João Máximo Rodrigues


Transferir bens em vida é dar poder de escolha ao doador

Planejar a sucessão de bens é um momento importante para qualquer família que tem patrimônio.

Autor: Divulgação


Perícia online para benefícios por incapacidade: vantagens e desvantagens

É importante lembrar que o acesso a benefícios previdenciários é um direito assegurado pela Constituição.

Autor: Carla Benedetti


PL que garante água gratuita em eventos é bem-vindo, mas deveria virar lei

A fatalidade que envolveu Ana Benevides deve se converter numa lei que representa um avanço aos direitos sociais.

Autor: Ianka De Paul


Os efeitos danosos da venda sem receita de medicamentos tarjados em drogarias

Nos últimos meses, alguns medicamentos ficaram “famosos” ao se tornarem extremamente populares no país.

Autor: Claudia de Lucca Mano


Relatório de Transparência Salarial e o prazo de preenchimento para as empresas

Em janeiro, foi anunciado o prazo para as empresas com mais de 100 empregados realizarem o preenchimento ou retificação do Relatório de Transparência Salarial.

Autor: Anna Carolina Gogolla Kalmus 


Eleitores abrem processo contra a cidade devido ao fluxo de imigrantes ilegais

O movimento destaca a necessidade de uma abordagem imigratória que favoreça a população local.

Autor: Divulgação


Cancelamento do plano de saúde por falta de pagamento

Nos últimos anos, tem se tornado cada vez mais comum ouvir relatos de consumidores que tiveram seus planos de saúde cancelados de forma abrupta e sem aviso prévio devido à falta de pagamento.

Autor: José Santana Júnior


Associação das Microcervejarias do Paraná processa CREA/PR e CRQ/PR

Uma ação civil pública da Associação das Microcervejarias do Estado do Paraná (Procerva) contra o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná (CREA/PR) e o Conselho Regional de Química (CRQ/PR) questiona a obrigatoriedade que os órgãos impunham ao setor sobre a necessidade de registro das cervejarias nas entidades, principalmente, sobre o pagamento de taxas e anuidades.

Autor: Divulgação


Lei de Improbidade e a exigência da comprovação do dolo

Não se pode condenar um servidor público, por exemplo, por indícios de improbidade.

Autor: Ana Toledo


Existe prisão em flagrante por homofobia?

Indignação com caso de homofobia ocorrido em padaria gera dúvidas sobre punição prevista para crimes de preconceito.

Autor: Divulgação