Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Dia Mundial da Juventude

Dia Mundial da Juventude

30/03/2019 João Baptista Herkenhoff

A primeira dificuldade, na abordagem deste tema, é definir o que é juventude.

Trinta de março – Dia Mundial da Juventude – é data que merece lembrança e debate nas escolas, nas igrejas, nos sindicatos, nos meios de comunicação.

A primeira dificuldade, na abordagem deste tema, é definir o que é juventude. Victor Hugo disse que quarenta anos é velhice para a juventude, enquanto cinquenta anos é juventude para a velhice. Deixo a questão cronológica em aberto.

Importante papel na vida da Igreja e na vida do país foi exercido pela JEC (Juventude Estudantil Católica), pela JOC (Juventude Oparária Católica) e pela JUC (Juventude Universitária Católica), reconhecidas nacionalmente pela hierarquia eclesiástica, em julho de 1950, como integrando a Ação Católica Brasileira (ACB), com a missão de difundir os ensinamentos e a doutrina da Igreja junto aos estudantes e aos trabalhadores.

A organização em nível nacional da JEC, da JOC e da JUC só se tornou possível após as reformulações sofridas pela ACB a partir de 1942, ano do falecimento de seu criador, o cardeal-arcebispo do Rio de Janeiro Dom Sebastião Leme da Silveira Cintra.

No ano de 1950, a ACB modificou seus critérios de organização do laicato, adotando o modelo belga e francês, que reduzia a importância das dioceses e valorizava a formação, em nível nacional, de grupos ligados aos diversos meios sociais.

No decorrer da década de 1950, o objetivo básico dos ramos estudantis da ACB — a JEC e a JUC — foi a difusão da doutrina da Igreja no meio escolar e universitário. No início da década de 1960, as duas organizações desenvolveram uma formulação ideológica bastante definida.

Acreditando na necessidade de mudanças estruturais na sociedade, as duas entidades procuraram ter uma participação mais ativa. Decidiram vincular-se ao Movimento de Educação de Base (MEB).

Vários membros da hierarquia eclesiástica opuseram-se ao novo caráter da JEC e da JUC, sob o argumento de que a Ação Católica Brasileira devia ter missão basicamente espiritual.

Após o golpe de março de 1964, os membros da JEC e da JUC foram perseguidos pela repressão. A ACB desapareceu em 1966.

No final de 1966, adotando posição idêntica à da JUC, a JEC desligou-se da hierarquia eclesiástica e recomendou que seus militantes prosseguissem individualmente sua missão. A JEC e a JUC tiveram expressiva presença no Brasil. Líderes de relevo receberam o batismo de fogo da JUC.

O Departamento de História das universidades prestará um grande serviço à memória nacional se resgatar esse recorte de nosso passado.

* João Baptista Herkenhoff é Juiz de Direito aposentado (ES), palestrante e escritor.

Fonte: João Baptista Herkenhoff



Você conhece a origem dos seus direitos?

Advogado e professor Marco Túlio Elias Alves resgata a história do Direito no Brasil e no mundo em livro que democratiza os saberes jurídicos.

Autor: Divulgação


Os planos de saúde e os obstáculos ao bem-estar dos pacientes

No contexto do direito à saúde no Brasil, os planos de saúde privados são regulados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que estabelece normas e diretrizes para garantir a cobertura assistencial aos consumidores.

Autor: Natália Soriani


R$ 200 mil não apaga a dor, mas paga a conta

Um caso de erro médico do interior de São Paulo chamou atenção de todo Brasil por conta de dois fatores.

Autor: Thayan Fernando Ferreira


Precisamos mesmo de tantas leis?

O Direito surgiu como uma forma de organizar melhor as sociedades, uma vez que já havia algumas tradições reproduzidas a partir de exemplos ou de determinações orais que alguns grupos, especialmente os familiares, seguiam.

Autor: Marco Túlio Elias Alves


Proibição do chatbot na campanha eleitoral afeta políticos com menos recursos

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) atualizou normas relacionadas ao uso da inteligência artificial nas campanhas para as eleições municipais de 2024. A alteração é vista como pequena e mal discutida por especialistas da área.

Autor: Divulgação


Digitalização da saúde e os desafios na relação plano e consumidor

A digitalização da saúde, que compreende o uso de recursos tecnológicos e de Tecnologia da Informação (TI) para fins médicos, é um fenômeno que a cada ano se consolida e expande em todo o país.

Autor: Natália Soriani


Os equívocos do caso Robinho

A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ), no uso de competência constitucional e regimental, analisou e, por maioria de votos, homologou o pedido de execução da sentença penal condenatória proferida pela Justiça Italiana contra o ex-jogador Robinho.

Autor: Marcelo Aith


A nova lei de licitações: o que deve mudar daqui para frente?

O sucesso dessa legislação dependerá do compromisso de todas as partes envolvidas em trabalhar juntas.

Autor: Matheus Teodoro


Exclusão de dependentes maiores de 25 anos de planos de saúde

Os magistrados têm reconhecido a existência de uma expectativa de direito por parte dos consumidores.

Autor: José Santana Junior


TikTok e a multa milionária por captura ilegal de dados biométricos no Brasil

Por utilizar métodos que ferem a Lei Geral de Proteção de Dados e o Marco Civil da Internet, o TikTok, rede social famosa por vídeos de curta duração, foi multado em R$ 23 milhões pela Justiça.

Autor: Renato Falchet Guaracho


Como tornar o mundo jurídico descomplicado

A comunicação no mundo jurídico é uma das mais complicadas do mercado. Termos técnicos demais e palavras em latim, por exemplo, criam grandes obstáculos.

Autor: Gabriella Ibrahim


Por que a Meta deverá, obrigatoriamente, mudar de nome no Brasil?

A Meta, empresa dona dos aplicativos Facebook, Instagram e WhatsApp não poderá usar este nome no Brasil.

Autor: Renato Falchet Guaracho