Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Direito do Trabalho em tempos de pandemia de Covid-19

Direito do Trabalho em tempos de pandemia de Covid-19

08/05/2020 Fernanda Nigri Faria

A pandemia da covid-19 atinge o Brasil em um momento de crise no direito do trabalho.

Intensifica-se a pressão para atenuar o dirigismo contratual no contexto em que as reformas concretizadas desde 2016, já haviam potencializado a eficácia da autonomia da vontade individual e coletiva na regulação das relações laborais, flexibilizando direitos e garantias sociais.

As medidas provisórias nº 927 e nº 936, com a finalidade de preservação do emprego, criam um microssistema emergencial aplicável a empregados urbanos, rurais e domésticos, cuja diretriz é a prevalência do acordo individual escrito sobre convenções coletivas de trabalho e fontes normativas heterônomas, “a fim de garantir a permanência do vínculo empregatício, respeitados os limites estabelecidos na constituição”.

Houve o afrouxamento de exigências relativas a aspectos formais e prazos para a adoção de medidas como: a possibilidade de mudança do regime presencial para o teletrabalho, com 48 horas de antecedência, independentemente de concordância do empregado; a antecipação de férias individuais, com a antecedência de 48 horas e pagamento diferido até o 5º dia útil do mês subsequente – ainda deve ser pago o terço constitucional junto com o 13º salário –; a concessão de férias coletivas e a flexibilização do prazo de comunicação prévia e períodos mínimos de duração; e a adoção de banco de horas para a compensação em até 18 meses após o período de calamidade.

Também pode ser pactuada a suspensão do contrato de trabalho por até 60 dias ou a redução da jornada e do salário por até 90 dias, mediante pagamento pela união ao empregado de benefício calculado sobre a parcela que seria devida em caso de desemprego involuntário.

No caso da suspensão, o benefício corresponderá a 100% do valor da parcela de seguro-desemprego, exceto se o empregador tiver faturamento superior a R$4.800.000,00, hipótese em que a proporção será de 70%, devendo o empregador pagar ajuda compensatória, sem natureza salarial, de 30% sobre o salário.

A redução pode ser de 25, 50 ou 70% da jornada e do salário, com pagamento do benefício sobre o valor do seguro-desemprego na proporção da redução. Ambas as medidas podem ser adotadas mediante acordo ou convenção coletiva.

O ajuste deve ser feito mediante acordo individual por escrito, entre o empregado e o empregador para a redução de até 25%; suspensão ou redução de 50 ou 70% no caso de empregados com salários de até 3 vezes o mínimo legal ou com remunerações a partir de R$12.202,12 e que tenham diploma de nível superior.

O empregador deverá comunicar o Ministério da Economia em 10 dias da celebração do acordo, além de manter benefícios já assegurados e garantir o emprego desde a aplicação do ajuste até a sua finalização e após, pelo mesmo período da medida pactuada.

Diante desse cenário, há risco de perenização das exceções que retiram a fisionomia tutelar, promovem a inversão de valores e o esvaziamento do Direito do Trabalho.

Por outro lado, há oportunidade de reinvenção do pacto social e do diálogo tripartite, com o ressurgimento dos sindicatos como atores essenciais para, em paridade de armas, trilhar o caminho de valorização do trabalho e dos direitos sociais, para o necessário desenvolvimento sustentável e construção de uma sociedade justa e solidária.

* Fernanda Nigri Faria é doutora em Direito do Trabalho, professora da Faculdade de Direito Milton Campos e advogada do Andrade, Nigri & Dantas Sociedade de Advogados. 

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Adequação das empresas à Lei Geral de Proteção de Dados

Para a correta adequação da empresa à Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), todos os departamentos da empresa devem ser avaliados inicialmente de forma isolada.


Explosão em Beirute

Resultado de armazenamento inadequado de produtos químicos?


Como adequar o departamento de Recursos Humanos à LGPD?

Para a correta adequação da empresa à Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), todos os departamentos da empresa devem ser avaliados inicialmente de forma isolada.


O Direito Autoral e a Propriedade Intelectual

Todas as criações da mente podem e devem ser protegidas pelo Direito Autoral.


STF – Não mate o mensageiro

A expressão “não mate o mensageiro”, proveniente do provérbio latino “Ne nuntium necare”, surgiu, segundo a história, quando Dario III, rei da Pérsia, derrotado na guerra, determinou a morte do mensageiro que o informara que seus guerreiros sucumbiram ao exército de Alexandre, o Grande.


O adicional de insalubridade

A segurança e o bem-estar social também são assegurados pela Constituição Federal dentro do ambiente de trabalho.


A utilização de áreas comuns e a realização de reuniões em condomínios

No dia 10 de junho deste ano, entrou em vigor a Lei Federal n. 14.010, que trata acerca do Regime Jurídico Emergencial e Transitório das relações jurídicas de Direito Privado (RJET) no período de pandemia do novo coronavírus.


Entregadores de delivery, a criação de cooperativa e a luta por melhores remunerações

Com o aumento da demanda de serviços e dos riscos provocados pela pandemia de coronavírus, entregadores de aplicativos se mobilizaram nas últimas semanas para pressionar grandes empresas como iFood, Uber Eats e Rappi a aumentarem os valores das corridas e melhorarem as suas condições de trabalho.


Revisões de aposentadoria pós-reforma da Previdência

A reforma da Previdência, que está em vigor desde novembro do ano passado, dificultou o acesso dos segurados do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) a alguns benefícios, como, por exemplo, a aposentadoria.


Telemedicina não é carta branca para atendimentos

Normas limitam o uso e estabelecem regras que médicos devem seguir.


Startup brasileira cria solução citada por juízes

Solução de coleta de prova online ajuda advogados em meio a crise.


Violência contra a mulher

A ineficácia da lei e a falta de comprometimento do Poder Executivo.