Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Direitos do trabalhador na interrupção e na suspensão do contrato de emprego

Direitos do trabalhador na interrupção e na suspensão do contrato de emprego

28/02/2020 Bianca Canzi

A interrupção do contrato é identificada por ser um período em que o contrato de trabalho conta como tempo de serviço.

Interrupção e suspensão do contrato de trabalho são períodos em que não existem prestação de serviço para a empresa, porém o empregado goza de uma determinada situação que torna obrigatória a ausência em seu posto de trabalho. Ambas situações não podem ser confundidas e cada uma possui uma caracterização específica com diferentes modos de tratamento.

A interrupção do contrato é identificada por ser um período em que o contrato de trabalho conta como tempo de serviço, ou seja, conta-se para todos os efeitos legais, inclusive de remuneração. O empregado fica afastado de suas atividades, mas direitos como as férias, décimo-terceiro salário e dias trabalhados não sofrem qualquer alteração. E os encargos trabalhistas continuam sendo calculados e depositados normalmente.

Exemplos de interrupção do contrato de trabalho são: afastamento por motivo de doença ou acidente de trabalho até o 15º dia, férias, licença-maternidade, descanso semanal remunerada, feriados civis e religiosos e licença-remunerada.

Ao final da licença, o empregado deve retornar de imediato ao seu posto de trabalho, tendo todos os direitos adquiridos anteriormente e durante o afastamento, sem qualquer resultado negativo.

Já o período de suspensão é caracterizado pela ausência de determinados efeitos no contrato, como a remuneração e o décimo-terceiro salário. E a contagem de férias ocorre de acordo com a particularidade de cada afastamento.

Os encargos trabalhistas também não são calculados e depositados, com exceção do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço), que poderá ocorrer em situações de acidente ocupacional. Alguns exemplos de suspensão do contrato de trabalho são: afastamento por motivo de doença a partir do 16º dia, período de suspensão disciplinar, afastamento em decorrência de aposentadoria por invalidez e participação pacífica em greve.

Ao final da suspensão do contrato de trabalho, o empregado retorna às suas atividades normalmente, em posse de todos os direitos já adquiridos até o início da licença e tendo sua continuidade garantida a partir de seu retorno. Portanto, a principal diferença entre suspensão e interrupção é a remuneração, pois durante a suspensão não há pagamento de salário e na interrupção há o pagamento.

* Bianca Canzi é advogada de Direito do Trabalho do escritório AIth, Badari e Luchin Advogados

Fonte: Ex-Libris Comunicação



Os três anos da tragédia de Brumadinho/MG

Hoje, dia 25 de janeiro, o desastre de Brumadinho/MG completa três anos.


Voo cancelado durante a pandemia?

Especialista mostra quais atitudes devem ser tomadas pelo passageiro que foi surpreendido pelo transtorno.


Sem pressa, mas sem pausa: o primeiro ano de atuação da ANPD

Inicialmente, gostaríamos de esclarecer que o texto a seguir tem o propósito de informar os leitores sobre a recente atuação da Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD), considerando a relevância das ações de tal entidade para que a Lei Geral de Proteção de Dados – Lei Federal n. 13.709/18 (LGPD) tenha a eficácia esperada.


QR Code do Pix vira alvo de novo golpe de boletos falsos

Apesar da facilidade, a chegada de novas ferramentas para realizar compras e pagamentos on-line tem sido motivo de dor de cabeça para alguns consumidores.


ILPIs podem usar a LGPD para proteger seus tutelados

O fator envelhecimento atinge a pessoa em diversos aspectos sociais, emocionais e físicos, tornando-a dependente de cuidados e mais vulnerável a situações de violência, abandono, abusos psicológicos e até financeiros.


Reformar constantemente a legislação trabalhista é a saída?

Há uma década, a Espanha realizou uma profunda reforma trabalhista na sua legislação laboral, que em tese acabou por precarizar na visão de muitos a forma de prestação de serviços ceifando direitos e garantias dos trabalhadores.


Os limites para empresa impor código de vestimenta

O código de vestimenta é prática muito comum adotada pelas empresas para padronizar o visual dos trabalhadores de acordo com a sua cultura organizacional.


A celeuma do Passaporte Sanitário

Há tempos escrevi um artigo defendendo que a União, Estados e Municípios possuem competência para estabelecer a compulsoriedade da vacinação da população, em obediência ao arcabouço legal.


Propaganda eleitoral antecipada: riscos e consequências

A propaganda eleitoral antecipada é sempre motivo de polêmica em anos de eleições e em 2022 não será diferente.


A digitalização no departamento jurídico

Não é novidade que a transformação tecnológica nas empresas, que resulta em processos cada vez mais automatizados e inteligentes, é uma realidade no mundo corporativo, até mesmo entre as companhias que fazem parte de setores mais tradicionais.


Lei do marco do dólar é sancionada

O Projeto de Lei n° 5.387, conhecido como o marco do câmbio, que estabelece novas regras para o mercado de câmbio e para circulação de capital estrangeiro no Brasil foi sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro.


Como faço para provar que sou negro ou pardo nas cotas de concurso?

Em 2014, foi aprovada no Brasil a Lei de Cotas, que determina que 20% das vagas oferecidas nos concursos públicos para provimento de cargos efetivos e empregos públicos sejam destinadas a pretos e pardos.